jan 02

Startups criam modelo de negócio para revolucionar a agricultura

Palestras do evento TecnoAgro 2017 vão discutir inovações para o mundo do campo

No campo já existe startup que desenvolveu sistema inteligente de irigação

Identificar uma oportunidade única ou que ninguém esteja trabalhando ainda são algumas das características das startups. O modelo de negócio que conquistou as cidades começa também a encontrar seu espaço no campo. Algumas das soluções que elas apresentam são capazes de gerar um grande impacto em toda a cadeia produtiva da agroindústria.

Muitas das vezes, as ideias e descobertas surgem a partir de uma necessidade básica do produtor. Exemplos disso são duas startups que já existem no Brasil voltadas ao mundo do campo: uma direcionada à irrigação inteligente e outra criadora de um sistema de gestão e manutenção de pragas na lavoura. Mas ainda existe uma grande variedade de nichos a serem explorados no campo, como a biotecnologia e o melhoramento genético.

A relação entre as startups e o produtor rural é um dos temas que revolucionam a agricultura e que será apresentado durante o Tecnoagro 2017, que acontece nesta sexta-feira, 24, e sábado, 25, na Arena Shopping Vitória, em Vitória.

De acordo com a Associação Brasileira de Startups (ABStartups), em todos as áreas, os negócios filiados à instituição já somam mais de 4,2 mil no país. Apesar desse número, o Espírito Santo concentra apenas 22 deles. Ou seja: um mercado em potencial.

Fabiana Tarabal, gestora do Pulse Hub de Inovação, empresa que tem como objetivo ajudar a gerar oportunidades de inovação para todos os segmentos, afirma que o Estado tem um potencial de crescimento enorme para as startups do setor agrícola, pois é possível fazer com que soluções de um problema simples do dia a dia no meio rural vire um negócio.

“Existem muitas oportunidades dentro do agronegócio que ainda não foram trabalhadas, como na área de tecnologia”, aponta.

De acordo com a gestora do Pulse, as startups surgem para identificar a oportunidade de melhoria e fazer com que cresçam em larga escala e de maneira rápida. E hoje a inovação em agronegócio inicia de forma digital, com a criação de sistemas e softwares para ganhar em produção, o que gera um grande potencial de expansão.

“A área digital vai desde o monitoramento de produção de sementes até a irrigação e colheita. Mas a longo prazo você tem biotecnologia, como organismo geneticamente modificado, uso de bactérias e fungos, e melhoramento genético de sementes das plantas. Essas são as grandes tendências de curto e médio prazos para as startups”, enfatiza.

DESENVOLVIMENTO

Uma das características das startups é o desenvolvimento de um produto viável, um protótipo, que já é testado pelos clientes em potencial. “Nesse processo você testa, aprende os resultados e evolui esse protótipo desenvolvendo o produto final”, comenta Tarabal.

De acordo com a gestora do Pulse Hub de Inovação, “nessa lógica, antes de terminar o produto já se começa a testar-lo”. Outro ponto, é a possibilidade de trabalhar a partir de alguma tecnologia já existente, aprimorando sua utilização ou desempenho.

CONECTIVIDADE

Muitas startups precisam de um primeiro cliente, e quanto mais difícil forem as condições, melhor para o desenvolvimento das startup. “Em muitas aplicações tecnológicas, não significa necessariamente que é preciso ter a internet ali, mas ter alternativas em algum momento para se conectar a ela. As próprias startups conhecem esse desafio de colher as informações”, explica Tarabal.

Segundo ela, a inovação surge quando você desenvolve a solução de um problema e a tecnologia que as startups de agro utilizam é algo que existe. “Na maioria das vezes, é preciso juntar as tecnologias existentes para um benefício maior”.

Confira a programação do Tecnoagro

Local: Arena Shopping Vitória, em Vitória.

Data: 24/11, das 8h30 às 21 horas, e 25/11, das 9 às 21 horas.

Inscrições: Gratuitas, pelo site http://especiais.gazetaonline.com.br/tecnoagro/.

Sexta-feira (24)

PALCO PRINCIPAL

8h30: Abertura

Das 9 às 10h30: Painel: A reinvenção do agronegócio.

Das 11 às 12h: Avanços da agricultura de precisão e potencialidades para as principais cadeias produtivas do ES.

Das 17 às 18h: Painel: Simplificação do processo das agroindústrias.

Das 18 às 19h: Painel: Cachaça – Tradição e Tecnologia

Das 18 às 21h: Encerramento.

Auditório 1

Das 9 às 11h: 2º Painel Rural.

Das 14 às 15h: Tecnologias digitais dão novos ares à gestão do agronegócio.

Das 15 às 16h: Café conilon e café arábica: novas tecnologias.

Das 16 às 17h: Pós-colheita de café: experiências de sucesso para cafés de qualidade superior.

Das 17 às 18h: O café como vetor de interiorização do desenvolvimento.

Auditório 2

Das 11 às 12h: Flores convencionais e tropicais.

Das 14 às 15h: Uso de orgânicos para aumento de produtividade.

Das 15 às 16h: Aplicação de Geotecnologias na Agricultura.

Das 16 às 17h: Produção de Citrus no ES.

Das 17 às 18h: Panorama da fruticultura no Espírito Santo.

Auditório 3

Das 14 às 15h: Políticas Ambientais no Brasil.

Das 15 às 16h: Incaper: Balanço Social.

Das 16 às 17h: Projeto Biomas Mata Atlântica.

Das 17 às 18h: Interação startups e grandes empresas para radicalizar o agronegócio.

Sábado (25)

PALCO PRINCIPAL

9h: Sistemas de Informação e Gestão de Produção.

Das 11 às 12h: A importância do leite em todas as idades.

Das 17 às 18h: Painel: Nelore.

Das 18 às 19h: Painel: Cervejas artesanais no contexto da economia criativa.

Das 18 às 21h: Encerramento.

Auditório 1

Das 14 às 15h: Qualidade dos ovos no ES.

Das 15 às 16h: A qualidade do cacau capixaba.

Das 16 às 17h: Posicionamento do mamão capixaba no mercado nacional.

Das 17 às 18h: Comercialização dos produtos da Agricultura Familiar.

Auditório 2

Das 14 às 15h: Inovações tecnológicas na pecuária leiteira.

Das 15 às 16h30: Cooperativismo, cenários e oportunidades no ES.

Das 16h30 às 18h: Produção de leite a pasto e Sustentabilidade no ES.

Auditório 3

Das 14 às 15h: Indicação geográfica de produtos tradicionais: um caso da carne de sol.

Das 15 às 16h: Projeto Cores da Terra: Pintando o Brasil.

Das 16 às 17h: Agroecologia e Agricultura Orgânica.

FONTE: GAZETA ON LINE