ago 14

4Equity tem R$ 500 milhões em capital autorizado para democratizar acesso a investimentos de mídia no Brasil

Fundo de media for equity já realizou quatro investimentos e espera fechar 2023 com 10 startups no portfólio.

Fundadores da 4Equity – Media Ventures: David Halaban, Eduardo Loureiro, Felipe Hatab e Renato Mendes

No mundo dos negócios em constante evolução, novos modelos de investimento estão emergindo, transformando a maneira como as empresas alcançam sucesso e reconhecimento. Em um cenário em que startups B2C gastam em média 40% de seu faturamento em marketing – e a grande maioria é direcionada para mídia de performance, uma alternativa de investimento é o “media for equity” (M4E), e a 4Equity – Media Ventures está liderando essa revolução no cenário brasileiro. Fundada por Felipe Hatab, Renato Mendes, Eduardo Loureiro e David Halaban, a 4Equity está pavimentando o caminho para o crescimento de startups através da colaboração estratégica com veículos de mídia.

4Equity explica o conceito por trás do modelo

O M4E, ou “media for equity”, é um conceito que já existe há mais de duas décadas, mas que tem ganhado destaque especialmente na Europa e na Ásia. No centro desse modelo está uma forma de permuta: em vez de pagar por espaços publicitários em veículos de mídia, as startups oferecem participação acionária em troca, o equity. Essa abordagem permite que as empresas alcancem uma exposição valiosa no mercado sem o ônus financeiro direto.

“Os veículos de mídia começaram a usar esse modelo para criar um portfólio e virarem sócios das empresas”, comenta Renato Mendes. “Estão começando a comercializar um inventário, que eles não conseguiam comercializar, em troca de um pedaço da startup”, diz. Um dos principais exemplos desse mercado no Brasil é a Globo, o maior centro de produção de conteúdo televisivo da América Latina, que está construindo um portfólio de startups de dar inveja a muitos fundos de VC.

No Brasil, a 4Equity – Media Ventures está à frente dessa tendência, oferecendo uma plataforma que conecta startups B2C que buscam visibilidade com veículos de mídia em busca de oportunidades de investimento estratégico. O fundo tem R$ 500 milhões em valor de capital autorizado – isto é, de espaços de mídia que as startups podem utilizar – e investe entre R$5 milhões e R$30 milhões para comprar equity das startups. A 4Equity ganha 20% sobre a performance das startups e cobra 5% pelo planejamento de mídia.

“O nosso modelo opera como se fosse um marketplace. A gente não é dono de mídia, a gente tem uma plataforma que conecta o inventário de mídia desses players com as startups que estão precisando de mídia e não querem ou não podem pagar em cash”, conta Renato.

Uma nova maneira de investir em startups

A 4Equity – Media Ventures opera como um Fundo de Investimento em Participações (FIP), sendo o primeiro fundo independente da América Latina inteiramente dedicado a investimentos em marketing e ao modelo M4E. Isso significa que startups investidas pela 4Equity trocam participação acionária por acesso a espaços publicitários premium, permitindo que elas ampliem sua presença e visibilidade junto ao público.

Segundo Renato, a tese de investimento da 4Equity é bastante ampla. “Investimos em startups B2C, que atuem no Brasil e que já tenham realizado aportes Série A ou B. Essas são empresas que, depois que esgotam o fundo de funil, precisam de outras estratégias de conversão”, explica.

“O mercado inteiro de marketing no Brasil vale cerca de R$ 50 bilhões, mas está concentrado em umas 30 empresas, que representam 70% do total do mercado no no país. Isso mostra que a dinâmica desse setor é perversa. No mundo, 100 empresas concentram 50% total do investimento de marketing do mercado. Se a gente puder desconcentrar esse mercado de marketing ou aumentar o tamanho dele, com novos anunciantes e pessoas consumindo mais mídia, e a gente tiver ajudado em 1% desse negócio, a gente já fez um papel brilhante”, diz Felipe Hatab, cofundador do fundo.

Uma das principais vantagens para as startups é ter como sócios da startup, por meio do modelo de investimento, especialistas em marketing que ajudam a empresa a planejar da melhor maneira possível o investimento em mídia. O fundo tem parcerias estratégicas com diversos players importantes no mercado, incluindo canais de TV aberta e fechada, rádios, podcasts, veículos impressos e digitais e influenciadores. As startups que fazem parte da carteira da 4Equity têm acesso a um plano de mídia estrategicamente desenvolvido por profissionais para impulsionar sua exposição e crescimento. “Startups tem pacotes com a 4Equity, não com os veículos. Por isso, existe uma flexibilidade de onde e como usar esses créditos”, comenta Renato.

Resultados promissores e planos de internacionalização

De acordo com levantamentos realizados pela mediaforgrowth, startups que adotam estratégias de M4E têm desempenho significativamente melhor em comparação com aquelas que seguem abordagens tradicionais de marketing. Essas startups levantam três vezes mais capital, têm uma aceleração 32 vezes mais rápida e atingem o IPO quase três anos antes do que aquelas financiadas apenas por venture capital tradicional.

A 4Equity – Media Ventures já deu início à sua jornada com planos ambiciosos para o futuro. A empresa tem como meta investir em 10 startups até o final de 2023 e ampliar essa cifra para 30 até 2026. Atualmente, a 4Equity já conta com quatro startups em sua carteira – entre elas a BrandLovrs e o QuintoAndar – e espera fechar mais seis acordos no segundo semestre do ano.

Embora a empresa tenha sido criada com foco no mercado brasileiro, a 4Equity já está considerando a expansão para outras regiões da América Latina. A internacionalização pode se tornar uma realidade à medida que a empresa consolida sua presença no Brasil e continua a demonstrar o valor de seu modelo de investimento inovador. “A gente está revendo nosso roadmap e é possível que a gente expanda nossa atuação para outros países da América Latina e, eventualmente, horizontes mais ambiciosos. O nosso foco agora é consolidar a presença no Brasil, colocar o modelo de pé e fazer os 10 primeiros investimentos”, finaliza Renato.

FONTE:

https://startupi.com.br/4equity-democratizar-o-acesso-a-investimentos-de-midia/