AWS faz alerta sobre iniciativas de restrição à inteligência artificial

AWS fechou o ano de 2023 com o investimento acumulado de R$ 19,2 bilhões no Brasil.

Líder mundial em serviços de computação em nuvem, a AWS fechou o ano de 2023 com o investimento acumulado de R$ 19,2 bilhões no Brasil. Os recursos foram destinados basicamente para infraestrutura dos centros de dados (data centers), o que rendeu o ganho para o PIB nacional de R$ 24,1 bilhões, segundo estimativa da gigante de tecnologia americana.

“A AWS continua a ser inspirada pela inovação, criatividade e talentos que temos visto no Brasil. Vamos continuar a investir no longo prazo, capacitando talentos e oferecendo novas tecnologias, tudo embrulhado em temas de segurança, compliance e soberania para que o mundo continue a olhar para o Brasil como um centro de inovação”, disse o vice-presidente global de setor público da empresa, Jeff Kratz, ao Valor.

Questionada sobre a iniciativa de alguns governos de limitarem o uso da inteligência artificial (IA) para coibir abusos, a exemplo de legislação debatida no Congresso brasileiro, Kratz pondera sobre o risco de países inibirem o desenvolvimento da tecnologia e restringir o alcance de seus benefícios. “Estamos ativamente envolvidos com os governos sobre o que significa IA responsável e como podemos ter uma legislação apropriada que proteja a governança, mas que isso não proíba a agilidade e a velocidade da inovação.”

O executivo da AWS considera que existe uma onda de inovação acontecendo no Brasil, puxada pelas startups. Para ele, esse comportamento está sendo observado por outros países. “Vemos cada vez mais alunos entusiasmados para serem a próxima 99 Taxi [aplicativo de transporte criado por brasileiros] ou outras tantas startups maravilhosas que já são ‘unicórnios’”, completou, em referência a novas empresas que atingem o valor de mercado de US$ 1 bilhão.

O entusiasmo do executivo com a expansão das frentes de trabalho da AWS no Brasil é, em parte, explicado por ter se empenhado pessoalmente na elaboração do plano de negócio que convenceu o chefe imediato a abrir a primeira unidade comercial no país.

Kratz conta que, nas primeiras abordagens de clientes no Brasil, era preciso esclarecer que a AWS não veio ao Brasil para comercializar livros – linha tradicional de negócios na qual o grupo Amazon ficou conhecido inicialmente. Essa imagem já é totalmente diferente hoje, pois instituições dos setores público e privado procuram a companhia interessadas em contratar serviço em nuvem para reduzir custos fixos, abandonando sistemas próprios de armazenamento de dados.

FONTE: https://valor.globo.com/brasil/noticia/2024/05/20/aws-faz-alerta-sobre-iniciativas-de-restricao-a-inteligencia-artificial.ghtml