ago 02

Startup para rachar conta do supermercado levanta US$ 4,5 milhões

E-commerce paquistânes criou plataforma para divisão de compras no atacado

Reprodução/Forbes
Haider Raza e Ammar Naveed, cofundadores da DealCart, afirmam que startup já atraiu 50 mil compradores paquistaneses

Todos entendem o objetivo da compra em atacado: os clientes que fazem um pedido grande para o mesmo item esperam ser recompensados ​​com descontos. Mas, embora isso funcione bem para as empresas, não é uma abordagem que normalmente está disponível para consumidores individuais que fazem suas compras de supermercado. Pelo menos, era assim que funcionava até agora. Conheça a DealCart, do Paquistão.

A startup de comércio eletrônico com sede em Karachi, que anunciou na quinta-feira (28) uma rodada de investimentos de US$ 4,5 milhões (R$ 23,28 milhões), tem tudo a ver com o poder da comunidade. Usando seu site para fazer pedidos de itens básicos, os consumidores podem se unir para fazer um pedido em massa e garantir um desconto dos fornecedores.

Lançado em março, o DealCart já atraiu 50 mil compradores paquistaneses e facilitou 40 mil transações, explicam os cofundadores Haider Raza e Ammar Naveed. A economia média em cada compra feita pelo site até agora foi de 22%.

“Estamos tendo um impacto social real”, diz Raza. “Em muitos lares paquistaneses, as famílias gastam mais da metade de sua renda em mantimentos, então qualquer coisa que possamos fazer para ajudá-los a economizar dinheiro é vital.”

O ponto é reforçado pelos dados sobre os itens mais vendidos no DealCart até agora: itens básicos, incluindo óleo de cozinha, chá, leite e produtos para bebês, são altamente valorizados.

O princípio é muito simples. Os consumidores se juntam ao DealCart baixando o aplicativo em seus telefones e podem começar a fazer compras. Para cada item que desejam comprar, eles podem perguntar a outros usuários do DealCart que precisam do item – assim como amigos, familiares e contatos nas redes sociais – se desejam participar de um grupo para aumentar seu poder de compra. Desde que o grupo seja composto por pelo menos quatro pessoas, o fornecedor oferecerá um preço mais baixo do que o consumidor pagaria de outra forma.

É um modelo que traz algumas vantagens ao DealCart, além de beneficiar o consumidor, explica Naveed. “É do interesse dos consumidores recrutar para seus grupos para que nossos custos de compra para os clientes sejam baixos e possamos repassar essa economia”, diz ele. “Não estamos no mercado de comércio rápido, então podemos agregar demanda e otimizar nossos custos logísticos; também somos diretos ao consumidor, portanto, não há custos intermediários para nos preocuparmos.”

Os fornecedores também estão interessados, diz o fundador – principalmente aquelas pequenas e médias empresas que lutam para escalar seus negócios. O DealCart fornece a eles uma rota para o mercado de massa que anteriormente estava fora dos limites e lhes dá uma maneira de atingir o mercado nacional em vez de apenas clientes locais.

Embora o negócio tenha tido um forte começo, Raza e Naveed acreditam que apenas arranharam a superfície até agora. O Paquistão tem 220 milhões de pessoas, eles apontam, mas a aceitação do comércio eletrônico tem sido muito limitada – em grande parte porque os fornecedores se concentraram na entrega rápida e não na competitividade de preços.

Ao oferecer às famílias a oportunidade de economizar em compras por meio de uma plataforma de comércio eletrônico, a DealCart acredita que pode persuadir os paquistaneses das vantagens das compras online. Os fundadores acreditam que seu mercado total endereçável vale até US$ 60 bilhões (R$ 310,3 bilhões).

Os consumidores estão prontos, diz Raza. “O Paquistão viu recentemente um aumento nos usuários de redes sociais, um fenômeno que geralmente precede esses usuários que fazem transações online para suas necessidades diárias”, diz ele. “Podemos usar esta oportunidade para permitir que mais pessoas tenham acesso a suas marcas favoritas a preços extremamente acessíveis”.

É relativamente cedo para a empresa, que ainda está experimentando sua proposta de valor. Há espaço para oferecer descontos maiores para grupos maiores, por exemplo, e os fundadores também estão convencidos de que estratégias como a gamificação podem ter um papel importante a desempenhar em seu sucesso futuro.

No entanto, os investidores estão animados. A rodada de financiamento pré-seed da empresa é liderada pela Shorooq Partners, com participação de Fatima Gobi Ventures, Vibe Capital, 500 Startups, i2i Ventures, Julian Shapiro, Rally Cap Ventures e vários investidores anjo estratégicos.

“Dado o macroambiente mais amplo e o aumento do custo de vida visto em todo o mundo, há uma demanda maior por soluções como o DealCart, que permitem o acesso a necessidades diárias acessíveis”, diz Ali Mukhtar, sócio geral de um desses investidores, Fatima Gobi. É um ponto importante – embora a prioridade da empresa para os próximos 12 a 18 meses seja construir sua operação no Paquistão, os fundadores veem potencial para expandir em toda a região e além.

Enquanto isso, o poder de fogo financeiro adicional que a empresa garantiu permitirá que ela faça mais investimentos em sua pilha de tecnologias, a fim de fornecer a resiliência necessária para sustentar um processo de expansão rápido. A empresa também está em processo de recrutamento de uma equipe de liderança sênior, com novas contratações em desenvolvimento de produtos e engenharia ingressando em breve.

FONTE: https://forbes.com.br/forbes-money/2022/07/startup-para-rachar-conta-do-supermercado-levanta-us-45-milhoes/