ago 16

Startup fundada por brasileiros nos EUA ajuda grandes empresas a ouvir clientes

Recentemente, a Birdie recebeu um prêmio da Insider Intilligence, em que foi citada como uma das Top Startups in AI 2022

Patrícia Osório, cofundadora e CRO da Birdie (Foto: Divulgação)

Fundada por quatro brasileiros, a Birdie, ferramenta que analisa feedbacks dos consumidores para melhorar produtos, nasceu com a missão de levar a tecnologia do Brasil para o mundo. Não à toa, a startup tem o time de negócios nos Estados Unidos, mas toda a equipe de desenvolvimento tecnológico fica em território brasileiro. “Queremos mostrar que o empreendedor brasileiro pode concorrer com qualquer outra empresa do mundo”, diz Patrícia Osório, cofundadora e CRO da startup. Atualmente, a ferramenta consegue entender todos os idiomas e, com isso, pode ser usada globalmente.

A startup começou a ser desenvolvida no final de 2018, quando Osório, que também é sócia da Arizona — empresa que oferece serviços de marketing para grandes organizações da América Latina — percebeu uma oportunidade. “Atendendo essas companhias e observando como elas divulgavam seus produtos, percebemos que os consumidores já estavam escolhendo o que comprar de maneira diferente”, afirma. “Antes de adquirir qualquer coisa, o cliente pede a opinião de outras pessoas, lê reviews e procura mais informações no Google.”

De olho na tendência, Osório entrou em contato com as empresas para saber como elas usavam essas informações. “A maioria falou que utilizava social listening para ver engajamento e palavras-chave. Mas, na prática, não incorporavam as respostas para tomar decisões”, diz. Na verdade, os negócios gastavam dinheiro com pesquisas para saber o que os clientes pensavam. “Isso não fazia sentido com tantas informações já disponíveis.”

A Birdie nasceu para tornar essas opiniões dos consumidores visíveis para as empresas. Como Osório sabia que se tratava de uma ferramenta que seria útil globalmente, decidiu, com os sócios Alexandre Hadade, Everton Cherman e Rodrigo Pantigas, que a sede seria nos EUA.

Por não terem muito networking no país para conseguir clientes, os empreendedores tiveram de desenvolver algumas estratégias. A primeira delas foi apostar em grandes empresas desde o início. “Chegamos sem ter relações com as pessoas, então fizemos um pouco de tudo. Procuramos por mentoria de brasileiros que já estavam nos Estados Unidos havia mais tempo e fomos a eventos para construir essas relações”, afirma ela. Como resultado, captaram a atenção de companhias como Samsung, HP e Microsoft — o que facilitou a prospecção. “Nossa premissa era que, por essas grandes empresas terem grande volume de dados, elas sofriam ainda mais com isso”, afirma.

A empresa começou olhando para os comentários de e-commerces. Depois, chegou a fóruns de discussão (como o Reddit), conversas com chatbot e comentários em redes sociais. “Viramos um hub que conecta qualquer opinião, processamos isso com inteligência artificial para encontrar padrões. Nossos clientes ouvem milhares de opiniões e extraem inteligência delas para tomar decisões, especialmente na melhoria de produtos.”

Recentemente, a startup recebeu um prêmio da consultoria Insider Intilligence, tendo sido citada como Top Startup in AI 2022 — na área de inteligência artificial. “Foi muito legal ter esse reconhecimento orgânico de que somos uma marca bem posicionada no mercado. É prova de que, mesmo no início, estamos fazendo o trabalho certo”, diz Osório.

Atualmente, a startup tem planos de conquistar também as empresas menores para crescer. Para isso, a Birdie automatizou alguns processos dentro da própria plataforma. “Quando fechamos um cliente, tínhamos de disponibilizar um time para sentar com aquela empresa e definir as categorias que ela queria olhar com mais atenção”, explica a empreendedora. Agora, o processo será feito de maneira automática: o próprio cliente seleciona suas prioridades na ferramenta.

FONTE: https://revistapegn.globo.com/Startups/noticia/2022/08/startup-fundada-por-brasileiros-nos-eua-ajuda-grandes-empresas-ouvir-clientes.html