ago 22

O que é FWA? Essa tecnologia 5G vai substituir o wi-fi?

Imagem: Gorodenkoff/iStock

Desde 6 de julho, moradores de algumas capitais brasileiras já estão aproveitando os benefícios do 5G, a nova geração de transmissão de dados que pode alcançar uma velocidade 20 vezes maior que a do 4G. Mas, por enquanto, esse uso ainda está focado no celular.

O 5G pode trazer mudanças bem mais signifcativas – inclusive uma aplicação que pode servir como alternativa ao wi-fi que a gente tem em casa. É o chamado FWA (sigla em inglês para Acesso Fixo sem Fio).

Nessa forma de transmissão, não são necessários cabos (como os que ligam ao modem ou roteador que você tem na sua residência). Um único aparelho, que “retransmite” o sinal de 5G, seria o suficiente para oferecer conexão para todos em um escritório, ou mesmo em um prédio residencial inteiro.

Bruno Kimura, professor associado do Instituto de Ciência e Tecnologia (ICT) da UNIFESP, e doutor em ciências da computação pela USP, lembra que essa modalidade de acesso sem fio (wireless) não é nova. Provedores locais de Internet, típicos de pequenos centros urbanos e zonas rurais, já fornecem “internet a rádio”, por exemplo. Mas, agora, o 5G vai turbinar essa opção.

O FWA utiliza ondas de rádio para criar uma conexão entre uma torre de celular e uma antena externa, que pode estar em uma residência ou empresa. A antena repassa esse sinal para um tipo especial de modem, que converte ondas de rádio em sinais wi-fi, por exemplo.

O FWA vai substituir o Wi-fi? E o 5G?

Kimura acredita que não, pois o wi-fi é utilizado para conectividade sem fio, amplamente aplicado na distribuição da internet em dispositivos locais, como computador, laptop, celular, entre outros. É como se o wi-fi fosse o primeiro “corredor” por onde os dados passam, e o FWA fosse o segundo, ligado ao provedor, responsável por intermediar a conexão entre o usuário e a rede mundial de computadores.

Por isso, o wi-fi tende a ter um papel complementar. Por exemplo, uma conexão com a internet poderia ser disponibilizada pelo provedor via modem FWA, enquanto um roteador wi-fi, ligado ao modem, iria distribuir localmente o acesso.

Quando o FWA com 5G chega no Brasil?

Segundo Kimura, a novidade virá nos próximos anos. Hoje, equipamentos de redes 5G já estão sendo fabricados no Brasil pela Ericsson, por exemplo.

Veja abaixo cinco fatos que envolvem o FWA ligado ao 5G:

1) Substituição da banda larga com fio

Como o FWA usa ondas de rádio, ele dispensará a necessidade que as empresas tinham de conectar dois pontos com cabos ou fios fixos. Além disso, existe uma maior capacidade de transmissão de dados e um custo mais competitivo.

Será útil para levar banda larga onde a fibra óptica (que utiliza cabos) não é economicamente viável, como em zonas rurais e áreas distantes de centros urbanos. Também pode substituir o acesso à internet via satélite ADSL (sigla em inglês para Linha de Inscrição Digital Assimétrica).

Nos EUA, aproximadamente 7 milhões de família já usam o FWA. Lá, a empresa de telecomunicações T-Mobile conquistou 1 milhão de usuários desse tipo de serviço só no primeiro trimestre de 2022.

No país, estima-se que 10% das conexões de banda larga sejam por essa tecnologia, enquanto 20% de todas as conexões dos EUA sao de FTTH (Fiber-to-the-Home, fibra para casa, em tradução livre) que usa a fibra óptica.

2) IoT (Internet das coisas)

Em residências e escritórios. o FWA ainda é usado par atividades online cotidianas, como streaming de vídeo, publicação em redes sociais ou navegação na internet.

Mas ele se tornará ainda mais efetivo e amplamente utilizado na indústria, por oferecer uma conectividade contínua, segura e de baixa latência. Essas características são essenciais em atividades de alta precisão, como na telemedicina, tráfego de veículos autônomos, redistribuição de energia em tempo real e dispositivos de realidade aumentada ou virtual.

3) Cobertura

Mais capacidade em distâncias maiores será uma vantagem comum em novas antenas do tipo “multiple-input, multiple-out” (MIMO), o que equivale a “ponto a multiponto, multiponto a multiponto” em tradução livre.

Com esse tipo de redistribuição, áreas suburbanas e rurais que têm rede de até 1 Gb/s passam a ser beneficiadas.

“Os equipamentos multihoming (modems que se conectam simultaneamente a mais de um provedor de acesso), combinam as várias redes (satélite, ADSL, 3G/4G, 5G FWA) para aumentar a capacidade de transmissão e diminuir a latência”, esclarece Kimura.

4) Mais opções de conexão e menos gasto com cobre

Por causa do crescimento das redes sem fio nos EUA, os preços das bandas largas caíram até 42% nos últimos seis anos.

O FWA livrou a Alemanha e o Reino Unido do uso do cobre em conexões DSL, gerando uma enorme economia.

A Noruega também está em processo de desativação de todas as redes DSL.

5) Maior espectro

Nos EUA o uso federal do espectro, que é considerado um recurso público finito, não passou por alterações no último século. Existem expectativas de que ele seja melhor aproveitado.

Por exemplo, o FWA é mais versátil porque é compatível com qualquer frequência de rádio. Porém, a implementação vai depender do acesso das operadoras, das frequências e dos serviços sem fio disponíveis. Nas áreas rurais e suburbanas, as frequências chegam a 800 MHz, 1,8 GHz e 2,1 GHz, enquanto para áreas urbanas chegam a 2,3 GHz e 2,6 GHz.

*Com infromaçaões de Forbes e Techopedia.

FONTE: https://www.uol.com.br/tilt/noticias/redacao/2022/08/19/o-que-e-fwa-essa-tecnologia-5g-vai-substituir-o-wi-fi.htm