abr 26

Nova liga metálica da NASA pode deixar viagens espaciais mais baratas

Engenheiros da NASA desenvolveram uma nova liga metálica capaz de suportar temperaturas extremas. Uma das vantagens é que o material pode ser fabricado em um processo de impressão 3D que melhora a durabilidade e a resistência das peças usadas na aviação e em missões espaciais.

O novo material é formado por uma liga reforçada por dispersão de óxido — processo em que os óxidos em nanoescala são incorporados para aumentar a força estrutural em temperaturas muito altas. Essa abordagem faz com que o metal suporte condições severas antes de atingir seu ponto de ruptura.

“Essas novas ligas podem ser usadas para construir peças aeroespaciais mais leves e baratas, contribuindo para os avanços de voos sustentáveis, com equipamentos duráveis sendo construídos para aeronaves e motores de foguetes”, explica o vice-gerente de projetos da NASA Dale Hopkins.

GRX-810

Os pesquisadores utilizaram modelagem computacional para simular o desempenho termodinâmico ideal do novo material. Após mais de 30 tentativas, eles criaram a liga metálica chamada GRX-810, que possui um desempenho bastante superior em comparação com outros materiais.

Em temperaturas de até 1.093 °C, a liga alcançou o dobro de resistência à fratura, três vezes e meia mais flexibilidade — sem apresentar rachaduras quando dobrada e esticada — e mais de 1.000 vezes a durabilidade sob estresse contínuo e em condições extremas.

“Esta inovação é revolucionária para o desenvolvimento aeroespacial. Anteriormente, um aumento na resistência à tração geralmente reduzia a capacidade de um material de esticar e dobrar antes de quebrar, e é por isso que nossa nova liga é notável”, acrescenta Hopkins.

Missões mais sustentáveis

Segundo os engenheiros da NASA, essa liga metálica pode ser usada, por exemplo, para aumentar a durabilidade dos motores a jato, reduzindo o consumo de combustível, os custos operacionais de produção e a manutenção de aeronaves fabricadas para uma única missão espacial.

Outra vantagem é que a fabricação das peças em impressoras 3D oferece aos projetistas novas possibilidades de design, fornecendo materiais mais leves e resistentes, sem comprometer o desempenho e a qualidade dos componentes que serão submetidos à condições extremas de operação.

“Essa ferramenta de modelagem produz resultados em muito menos tempo e com custos menores do que os processos tradicionais de tentativa e erro. Esse sistema de produção também evita becos sem saída, mostrando aos pesquisadores não apenas quais tipos de metal incorporar, mas quanto de cada elemento colocar na composição de uma peça”, encerra o responsável pela pesquisa de materiais da NASA Steve Arnold.

FONTE: https://canaltech.com.br/inovacao/nova-liga-metalica-da-nasa-pode-deixar-viagens-espaciais-mais-baratas-214422/