jun 08

A nova aposta do Carrefour: lojas autônomas dentro de condomínios

A empresa está apostando na “ultra conveniência” para alcançar os clientes

Por Tainá Freitas

Se o cliente não vai até o mercado, o Carrefour quer levá-lo até o cliente. Em março deste ano, a rede inaugurou duas lojas autônomas em diferentes condomínios. O primeiro, residencial, em São Bernardo do Campo; o segundo, comercial, no bairro do Brooklin, em São Paulo.

O objetivo é claro: oferecer o que é chamado de “ultra conveniência”. As lojas funcionam 24 horas por dia, 7 dias por semana, e não possui atendentes. “Entendemos que as pessoas não têm mais tempo a perder. O e-commerce e aplicativos de entrega cresceram muito nessa tendência de conveniência, mas agora 30 minutos pode ser tempo demais. É por isso que queremos disponibilizar compras em 5 minutos, à distância de um elevador”, contou Luiz Rufino, diretor de inovação do Carrefour, em entrevista à StartSe.

A conveniência marca inclusive o tipo de produto que é encontrado nas lojas autônomas. Bebidas – alcóolicas ou não -, snacks, produtos de higiene e até os ingredientes ideias que faltam durante uma receita, por exemplo. A escolha dos produtos vendidos é um desafio, pois as lojas autônomas contam com menos de 50 m², enquanto as da mesma bandeira Express localizadas nas ruas são de cerca de 150 m².

 

COMO FUNCIONA?

Loja autônoma do Carrefour no co-working CoW, no Brooklin, em São Paulo (foto: divulgação/Carrefour)

A loja do Carrefour Express pode ser caracterizada como autônoma, pois a compra é feita sem o auxílio de nenhum funcionário, mas também encaixa-se no que é chamado de “honest market”.

O honest market é uma tendência muito encontrada em ambientes controlados considerados seguros, a exemplos dos condomínios. Geralmente, os produtos ficam disponíveis e o cliente escolhe e finaliza a compra pagando através de um QR Code, maquininha de cartão, entre outros.

No caso do Carrefour, a rede de supermercados possui seu próprio aplicativo: o Scan and Go. O app está sendo desenvolvido desde 2019 e permite que os clientes escaneiem os códigos de barras dos produtos e façam o pagamento diretamente pelo aplicativo do Carrefour. Uma vez que o produto é pago, o aplicativo fornece um código de liberação do mercado.

“Várias tecnologias estão sendo estudadas, mas essa é economicamente mais viável. Algumas requerem câmeras para monitoramento dos clientes, do que está sendo colocado no carrinho…”, explica Rufino.

 

E AS PESSOAS?

Nas lojas autônomas e honest market, os funcionários costumam atuar apenas na gestão do estoque. Dessa forma, há a possibilidade de apenas uma pessoa cuidar de diversas lojas do segmento, apenas repondo os produtos necessários e zelando pelo local.

Luiz Rufino, diretor de inovação do Carrefour (foto: divulgação/Carrefour)

É diferente do que acontece, por exemplo, nas lojas comuns da bandeira Express do Carrefour. Nas lojas de rua, os funcionários estão envolvidos em todos os processos — na gestão e reposição de estoques, atendimento ao cliente e pagamentos. De acordo com o diretor de inovação, não é de interesse da rede transformar todo este segmento em autônomo.

“Nas lojas de rua, ainda há o temor devido a segurança. Esse modelo ainda requer muita confiança — e talvez precise para sempre. É necessário que haja uma relação com o comprador. Mas estamos entendendo que o varejo, cliente e sociedade estão mais maduros para isso”, opina.

QUAIS SÃO OS MODELOS DE LOJAS AUTÔNOMAS?

As lojas autônomas estão deixando de ser um modelo distante dos brasileiros. Além do Carrefour, temos lojas como a Zaitt, Carrinho Cheio, entre outras. A Zaitt é uma startup brasileira de franquias de lojas autônomas. A companhia combina a tecnologia de radiofrequência (RFID) para identificação dos produtos.

A Zaitt e o Carrefour foram parceiros durante um período em 2019. “Foi uma troca de experiências. O Carrefour ajudou a Zaitt entender sobre logística de produtos e operação de lógica, enquanto a Zaitt nos ajudou com a experiência em tecnologia”, comenta Rufino.

O mesmo modelo é adotado pela Carrinho Cheio, startup de Londrina, no Paraná. A companhia iniciou com um aplicativo de delivery para produtos de conveniência e, mais tarde, lançou as lojas físicas.

 

BENCHMARK: AMAZON GO

Atualmente, a Amazon Go, loja autônoma de conveniência da Amazon, é a maior referência no segmento de lojas autônomas. A companhia identifica os produtos escolhidos pelo cliente através de machine learning e visão computacional (das câmeras presentes nos locais). A empresa já possui mais de 20 unidades espalhadas pelos Estados Unidos.

“A Amazon Go é uma grande inspiração, pois não depende da honestidade do cliente. A tecnologia já é o suficiente para capturar todo o comportamento”, explica o diretor de inovação do Carrefour.

FONTE: https://app.startse.com/artigos/carrefour-loja-autonoma-condominio