out 17

Moliceiros elétricos e autocarro sem condutor em Aveiro

Câmara ganhou apoio europeu de 4,9 milhões de euros para projetos tecnológicos. Será a primeira cidade 5G do país.

Moliceiros elétricos a navegar nos canais urbanos da ria de Aveiro, um autocarro elétrico sem condutor, candeeiros que acendem à passagem das pessoas e um sistema de rega que mede a humidade do ar e é acionado apenas quando necessário. Estes são exemplos de projetos que Aveiro quer desenvolver até 2021, tornando-se um laboratório vivo de inovações e a primeira cidade 5G do país. Os projetos serão possíveis porque a Câmara conseguiu um financiamento de 4,9 milhões de euros da Comissão Europeia, ao ter sido um dos 22 projetos europeus selecionados na 3.a edição do concurso Urban Inovative Action.

Ontem, dia em que arrancaram os TechDays, o presidente da Autarquia, Ribau Esteves, deu a conhecer algumas das ideias que a Câmara, em parceria com diversas entidades, quer implementar nos próximos três anos, o tempo de duração do programa. E desafiou a comunidade a apresentar outras soluções inovadoras de base tecnológica.

Impressoras 3D nas escolas

Os esforços vão centrar-se nas áreas da mobilidade, energia e ambiente. Até 2020, os moliceiros a operar nos canais da cidade terão de ser elétricos e não poluentes. A Câmara vai criar estações de carregamento elétrico para estas embarcações. “No próximo concurso para os operadores das embarcações, a lançar em 2020, já está previsto que os moliceiros sejam elétricos. Nós vamos tratar da estação de carregamento”, explicou Ribau Esteves.

Um dos projetos piloto passa por ter um “autocarro elétrico autónomo”, semelhante ao que está em exibição nos TechDays, a fazer “um circuito na cidade”, avançou. Outras ideias passam por ter tecnologia LED com sensores inteligentes na iluminação pública, para que os candeeiros sejam acionados apenas se está alguém presente. Criar sistemas para gerir melhor os resíduos, detetar as fugas de água da rede, sensores nos sistemas de rega que avaliem a humidade de ar e só regem os espaços verdes quando for necessário são também projetos previstos.

O Instituto de Telecomunicações vai desenhar uma solução para que, à entrada da cidade, os condutores saibam como está o tráfego e se há estacionamento. A Universidade de Aveiro (UA) irá monitorizar a qualidade do ar, água e ruído.

Observatório do Emprego

A formação é uma das preocupações da Autarquia, que vai colocar impressoras 3D e outros equipamentos nas 37 escolas do concelho, para ajudar os alunos a ganhar novas competências desde o primeiro ciclo para os empregos do futuro. A UA vai gerir um Observatório do Emprego, para identificar necessidades das empresas e requalificar trabalhadores. No edifício Fernando Távora decorrerão ações de formação e encontro de empresas.

Parcerias

O projeto é liderado pela Câmara de Aveiro, que conta com diversos parceiros, nomeadamente a Altice Labs, Instituto de Telecomunicações, Universidade de Aveiro, Inovaria e Associação para um Centro de Estudos em Desenvolvimento Sustentável.

Fundos comunitários

O projeto global representa um investimento de 6,1 milhões de euros, será comparticipado em 80% (4,9 milhões) por fundos comunitários. O restante é pago pelos parceiros, consoante os projetos concretos em que estiverem envolvidos. A Câmara vai gerir uma fatia de 1,9 milhões de euros.

Vitória

Nesta terceira edição do programa europeu Urban Inovative Action, foram apresentadas 184 candidaturas e selecionados 22 projetos. No somatório das três edições, já concorreram 768 projetos de 26 países. O de Aveiro foi o único projeto português contemplado até à data.

5G

Muitos dos projetos não seriam possíveis se a Altice Labs não implementasse uma rede 5G, que permitirá maior conectividade entre tecnologias.

FONTE: JORNAL