ago 26

Medtech australiana lança manual gratuito sobre impacto da fadiga e do sono no trânsito

A Optalert, criadora da Escala de Fadiga mais respeitada no mundo – utilizada pela NASA e Harvard University – acaba de disponibilizar um guia completo, com cinco capítulos, que retrata o problema do sono no trânsito, desde seu conceito até as contramedidas de sonolência que serão usadas nas próximas gerações de veículos

Desmistificar a sonolência e mergulhar nos processos humanos que a regulam, explorando como essa condição pode ser medida e mitigada quando ela ocorre em momentos inoportunos e perigosos, como ao volante, por exemplo.

É essa a intenção do manual ‘Sonolência Mini-series’, disponibilizado gratuitamente para download, concebido pela Optalert, uma medtech australiana, líder global na detecção prévia de fadiga em trabalhadores de alto risco. Seu fundador, o cientista e doutor Murray Johns é o criador da Epworth Sleepiness Scale (ESS), Escala do Sono, que se tornou a principal referência entre pesquisadores dos mais respeitados institutos e universidades do planeta.

A sonolência é uma das principais causas de deficiência de motoristas e é um dos principais condutores de acidentes fatais em rodovias. Estudos independentes na Europa mostraram que aproximadamente 1 em cada 5 acidentes de trânsito são causados por sonolência ao dirigir.

Nos EUA, a National Highway Traffic Safety Administration (NHTSA) estima que a cada ano cerca de 100 mil acidentes de trânsito relatados pela polícia resultam em quase 800 mortes e cerca de 50 mil feridos. A estatística é subestimada já que os especialistas acreditam que, muitas vezes, o acidentado não está ciente quando isso acontece.

Portanto, não é surpresa que a Comissão Europeia decidiu incluir a detecção de sonolência do motorista como uma das exigências de segurança em carros vendidos dentro dos 27 países que compõem o bloco. O Euro NCAP (programa europeu de segurança em automóveis), também incorporou a detecção de sonolência como parte de seu protocolo de avaliação ao analisar as classificações de segurança de um veículo.

A cartilha disponibilizada pela Optalert visa esclarecer sobre os impactos da sonolência na segurança dos motoristas e explica como é possível implantar soluções que permitam gerar dados e alertas que promovam uma viagem mais segura. A seguir um resumo de cada capítulo:

Capítulo 1: raio X da sonolência

A sonolência é descrita como a transição entre os estados comportamentais de vigília e sono. Pode ser dividida em duas categorias: sonolência intencional e não intencional. Sentimos a intencional quando vamos para a cama à noite, muitas vezes em condições adequadas como quente, escuro, silencioso e deitado confortavelmente na cama. No entanto, a sonolência também pode ocorrer de forma não intencional, levando às micro-dormidas e a consequentes fatalidades, a depender da atividade que a pessoa está exercendo.

Capítulo 2: como é regulada a sonolência

Do ponto de vista do motorista, a sonolência é perigosa porque somos deficientes cognitivos e não estamos tão atentos quanto normalmente estaríamos. Nossos tempos de pensamento e reação diminuem, nos tornando um risco maior na estrada. Em pessoas saudáveis, a sonolência aumenta à medida em que ela fica acordada. Tem a ver com o acúmulo de uma substância química indutora do sono no cérebro chamada adenosina. Se uma pessoa está sonolenta, em períodos de inatividade (como sentar no trânsito) a adenosina acelera a fadiga no indivíduo.

Capítulo 3: como é medida a sonolência

Existem duas classes de métodos: subjetivos e objetivos. As medidas subjetivas são dependentes da percepção, opinião e sensação do observador de uma condição de sonolência. Já as objetivas são independentes do observador e normalmente envolvem o uso de equipamentos como câmera e/ou um técnico qualificado para coletar as medições e analisar os resultados. Por exemplo, a sonolência pode ser avaliada medindo os movimentos das pálpebras. Já as piscadas são caracterizadas por sua duração e número de ocorrência, as quais mudam quando uma pessoa está sonolenta. Essas medições são escalonadas com precisão e graduação, fornecendo uma reflexão precisa dos níveis de sono.

Capítulo 4: sistema objetivo de medição do sono

Nesse tópico é apresentado um estudo de caso envolvendo um negócio de frota comercial para descrever como funciona um sistema objetivo de monitoramento de sonolência em campo.

De acordo com Hann Low, cientista de dados da Optalert, o sucesso de seu sistema de detecção de sonolência decorre de uma base sólida de medições objetivas em motoristas. São baseadas nos movimentos das pálpebras, ou blefarometria – uma técnica bem estabelecida – que foi cientificamente desenvolvida e validada, de forma independente, para quantificar a sonolência. Essas medições são coletadas e enviadas para um dispositivo no caminhão (um tablet ou telefone), que analisa os dados para identificar os níveis de sonolência de um motorista.

“O condutor pode ver continuamente seu nível de cansaço e quando este estado elevado é detectado, o dispositivo produz um alarme sonoro e visual em cores de alto contraste, além de transmitir essas informações em tempo real para um supervisor ou uma equipe de monitoramento”, explica Low.

Capítulo 5: contramedidas

Também conhecidas como Intervenções (Euro NCAP), as contramedidas são ações que podem ser realizadas por uma pessoa ou programadas nos Sistemas Avançados de Assistência ao Condutor (ADAS) de um carro para evitar mais danos nas estradas. Elas são classificadas com base em sua intensidade. Os estágios iniciais podem aliviar os níveis de sonolência de uma pessoa, fornecendo indicadores audiovisuais de que uma pessoa está sonolenta, enquanto os estágios finais são destinados a motoristas que não respondem, onde uma manobra de segurança automatizada (também conhecida como Manobra de Risco Mínimo ou MRM) é executada para garantir a segurança de todos os utentes da estrada.

Pesquisas independentes mostraram que diferentes tipos de contramedidas podem ser aplicadas para aliviar brevemente os níveis de sonolência de uma pessoa, estendendo assim seu tempo de condução segura.

Segundo Hann Law, há estudos com o uso do equipamento da Optalert em empresas que mostram uma redução de 84% nos acidentes rodoviários em quatro anos, depois que o sistema de detecção de sonolência foi implementado em um único local. “Ao acoplar uma medida objetiva de sonolência com uma estratégia de contramedidas em vários níveis, o sistema busca alcançar um equilíbrio perfeito entre conforto de direção e segurança, aproximando-nos de um mundo onde acidentes relacionados à sonolência poderão ser coisa do passado”, finaliza o pesquisador.

O manual ‘Sonolência Mini-series’ da Optalert pode ser baixado gratuitamente em português neste linkhttps://www.optalert.com/optalert-drowsiness-mini-series-part-one/

Sobre a Optalert

Pioneira e líder na detecção prévia de fadiga em trabalhadores em funções de alto risco, a Optalert foi fundada há 20 anos, em Melbourne, Austrália, idealizada por Dr. Murray Johns, Doutor em Medicina do Sono. No Brasil ela está presente, desde 2015, em algumas das principais mineradoras do país. Em outras partes do mundo o sistema também é utilizado em setores como gás e petróleo, transporte rodoviário, automotivo, pesquisa científica, aeroespacial (NASA), testes de drogas farmacêuticas e estudos neurológicos. Mais sobre a Optalert em: www.optalert.com . ou pelo e-mail: automotivo@optalert.com

FONTE: https://perolacapixaba.com.br/medtech-australiana-lanca-manual-gratuito-sobre-impacto-da-fadiga-e-do-sono-no-transito/