jan 12

10 tecnologias revolucionárias que serão destaque em 2023, segundo o MIT

Em sua 22ª edição, a publicação traz apostas em ferramentas que envolvem inteligência artificial, biotecnologia, mudança climática, computação, segurança cibernética e ciência espacial.

Ferramentas com inteligência artificial estão entre os avanços tecnológicos que prometem mudar o mundo em 2023, segundo o MIT — Foto: Getty Images

Tradicionalmente, o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) seleciona as principais tecnologias que prometem ser destaques ao longo do ano. Em sua 22ª edição, a lista “10 Breakthrough Technologies” reconhece os avanços tecnológicos que prometem mudar o mundo.

Para 2023, a organização traz apostas em ferramentas que envolvem inteligência artificialbiotecnologiamudanças climáticascomputaçãosegurança cibernética e ciência espacial.

A publicação também destaca que as novas tecnologias podem ter efeitos positivos em áreas como educação e saúde . “Procuramos avanços que terão um grande impacto em nossas vidas”, informa a publicação.

Confira quais são as 10 tecnologias revolucionárias selecionadas pelo MIT neste ano:

1. CRISPR: técnica de edição de genes

O CRISPR (Clustered Regularly Interspaced Short Palindromic Repeats) é uma técnica de edição genética que, na última década, evoluiu rapidamente dos laboratórios para as clínicas. A tecnologia começou a ser utilizada em tratamentos experimentais para distúrbios genéticos raros, mas recentemente foi expandida para ensaios clínicos para tratar condições comuns, incluindo a redução do colesterol alto. O sucesso da nova técnica aumenta as chances do CRISPR ser usado no tratamento de outras doenças no futuro.

Empresas que já desenvolvem a tecnologia: Verve Therapeutics, Beam Therapeutics, Prime Medicine e Broad Institute.

2. Imagens produzidas por inteligência artificial

Depois do sucesso de ferramentas como o DALL-E, em 2022, este promete ser o ano da consolidação dos artistas de IA, aposta o MIT. Os modelos de software desenvolvidos por empresas como Google e OpenAI conseguem obras de arte impressionantes com base em apenas alguns prompts de texto. Agora, a tecnologia também está sendo incorporada a softwares comerciais, como o Photoshop.

Empresas que já desenvolvem a tecnologia: OpenAI, Stability AI, Midjourney e Google.

3. Um novo padrão aberto de chips

A indústria de chips está passando por uma mudança profunda. Há muito tempo, os fabricantes licenciam projetos de chips de algumas grandes empresas. Agora, um padrão aberto e popular chamado RISC-V está mudando essa dinâmica, tornando mais fácil para qualquer pessoa criar um chip – o que muitas startups já estão explorando. Os chips RISC-V já começaram a aparecer em fones de ouvido, discos rígidos e processadores de IA.

Empresas que já desenvolvem a tecnologia: RISC-V International, Intel, SiFive, SemiFive e China RISC-V Industry Alliance.

4. Drones militares acessíveis para mais países

Os drones militares já estiveram fora do alcance de algumas nações devido ao seu alto custo de aquisição e ao rígido controle de exportação. Mas os avanços nos componentes de consumo e na tecnologia de comunicação ajudaram os fabricantes de drones a construir máquinas de guerra complexas a preços muito mais baixos.

Empresas que já desenvolvem a tecnologia: Baykar Technologies e Shahed Aviation Industries.

5. Pílulas abortivas via telemedicina

O aborto deixou de ser um direito constitucional nos EUA em 2022, e as proibições estaduais agora impedem muitas pessoas de ter acesso a tratamentos tradicionais. Assim, o MIT destaca que profissionais de saúde e startups têm recorrido à telemedicina para prescrever e entregar pílulas que permitem que as pessoas induzam abortos com segurança em casa.

Empresas que já desenvolvem a tecnologia: Choix, Hey Jane, Aid Access, Just the Pill, Abortion on Demand, Planned Parenthood e Plan C.

6. Produção de órgãos sob demanda

Pessoas que precisam de um transplante de órgão poderão começar a receber órgãos sob demanda, aposta o MIT. Para isso, algumas técnicas estão sendo desenvolvidas, incluindo o uso de porcos geneticamente modificados – cujos órgãos podem ser transplantados para humanos. Outra técnica promissora é a de produção de órgãos por impressão 3D a partir das células do próprio paciente.

Empresas que já desenvolvem a tecnologia: eGenesis, Makana Therapeutics e United Therapeutics.

7. A consolidação dos carros elétricos

Os veículos elétricos estão finalmente se tornando uma opção realista. A produção de baterias está ficando mais barata e os governos têm atuado para aprovar regras mais rígidas sobre a emissão de gases poluentes. As principais montadoras do mundo prometeram produções totalmente elétricas em poucos anos, enquanto os consumidores já se mostram mais interessados em obter seu próprio veículo elétrico.

Empresas que já desenvolvem a tecnologia: BYD, Hyundai, Tesla e Volkswagen.

8. Novas descobertas do telescópio espacial James Webb

As primeiras imagens capturadas pelo telescópio espacial mais poderoso do mundo inspiraram um sentimento coletivo de admiração pelo universo. E, segundo os especialistas do MIT, esse é só o começo. A expectativa é que novas descobertas sejam realizadas pelo telescópio, enquanto os cientistas seguem analisando os dados inéditos de uma nova era da astronomia.

Empresas que já desenvolvem a tecnologia: NASA, Agência Espacial Europeaia, Agência Espacial Canadense e o Space Telescope Science Institute..

9. Técnica para explorar DNAs antigos

As ferramentas de sequenciamento do genoma agora nos permitem ler cadeias muito antigas de DNA humano. Estudar as caracterícas das gerações anteriores revela muito sobre quem somos e para onde ainda podemos evoluir. De acordo com os pesquisadores, a técnica também ajuda a entender a vida das pessoas comuns que viviam em diferentes épocas.

Empresas que já desenvolvem a tecnologia: Max Planck Institute for Evolutionary Anthropology e David Reich Lab at Harvard.

10. Reciclagem de bateria

A reciclagem é essencial para evitar que os crescentes volumes de baterias descartadas acabem em aterros sanitários, e também pode fornecer uma fonte de metais extremamente necessária para alimentar carros elétricos. Algumas empresas já estão construindo instalações de recuperação de lítio, níquel e cobalto, num processo que, posteriormente, devolve esses metais aos fabricantes de baterias de íon-lítio, ajudando a reduzir o custo da produção de elétricos.

Empresas que já desenvolvem a tecnologia: CATL, Umicore, Redwood Materials, Li-Cycle e Cirba.

FONTE: https://epocanegocios.globo.com/tecnologia/noticia/2023/01/10-tecnologias-revolucionarias-que-serao-destaques-em-2023-segundo-o-mit.ghtml