abr 18

Unidades hospitalares do país podem ter camas inteligentes

Equipamentos hospitalares com soluções tecnológicas podem ser instalados nos próximos tempos em Angola.

A empresa internacional Hill-Room pretende investir no país em parceria com a SOLOMedical, LDA.

O director para África, Golfo e Médio Oriente da empresa, Amnin Abi Fares, que apresentou as soluções tecnológicas hospitalares, garantiu que os equipamentos vão ajudar os médicos a tomar as medidas mais ajustadas e a reduzir os erros durante o tratamento dos pacientes.
“Estes produtos inteligentes podem receber e enviar dados através das camas monitorizadas, que têm a capacidade de armazenar informações e interligar-se com os médicos”, avançou.
O empresário revelou que as camas, além de proporcionar maior conforto aos pacientes através de soluções tecnológicas, têm capacidade de suportar 800 quilogramas de peso. “As nossas camas têm grande durabilidade e caso haja ruptura podem ser reparadas e utilizadas com maior segurança, porque a qualidade dos nossos equipamentos são testados”, assegurou.
A empresa, que actua no sector da saúde desde 1989, tem um investimento de mais de 2,5 bilhões de dólares. No mundo, cerca de sete mil milhões de pacientes utilizam os seus equipamentos de marca Hill-Room.
O responsável revelou que, em breve, um grupo de técnicos angolanos vai receber formação no Emirados Árabes Unidos, Alemanha e Estados Unidos da América, onde vão aprender a manusear os equipamentos inteligentes de forma eficiente. “Os técnicos vão ser certificados para poderem manusear os equipamentos no país, sem qualquer problema”, disse.
Aimin Abi Fares garantiu que a formação de quadros nacionais vai evitar que os pacientes sofram quedas e possíveis infecções, por isso, a parceria integra protocolos para facilitar a mobilização dos pacientes. “Os produtos podem atender a diversos segmentos a nível dos serviços hospitalares. Fizemos questão de corresponder com as exigências dos clientes”, afirmou.
O presidente do Conselho de Administração da SOLOMedical, LDA, Lourenço Duarte, vê a parceria como um apoio às instituições sanitárias que precisem de equipamentos hospitalares.
A empresa foi criada na cidade de Indiana, nos Estados Unidos da América, onde foram fabricadas camas hospitalares eléctricas com colchões que evitavam lesões aos pacientes.
Actua nos mercados dos camarões, África do Sul, Nigéria, Botswana, Zimbabwe, Namíbia, Tanzânia, Guiné Equatorial, Costa do Marfim, Quénia e Gabão.

FONTE: JORNAL DE ANGOLA