maio 13

Um futuro com menos bancos Imaginando um mundo sem bancos

O futuro terá menos bancos: um report especial da Economist aponta que as fintechs vão “comer” os negócios dos bancos e venture capital terá um papel maior

É difícil conceber um mundo sem bancos, em parte porque eles são muito visíveis. Imagine o horizonte de qualquer grande cidade, e os arranha-céus à vista geralmente são bancos. Os passageiros emergem da estação Grand Central em Nova York à sombra da base da Park Avenue do JPMorgan Chase. Morgan Stanley assoma sobre a Times Square; Bank of America sobre o Bryant Park. Em Londres, o horizonte é dominado por torres de formas estranhas na City e Canary Wharf. Em Cingapura, os andares superiores dos escritórios do Standard Chartered e do uob abrigam bares na cobertura com vista para toda a cidade. Mesmo em lugares como Auckland, Cidade do México ou Jacarta, os logotipos que adornam os edifícios mais altos são os de anz , bbva ou hsbc .

O domínio físico dos bancos simboliza sua importância. A maioria das pessoas interage com seus bancos para transações mundanas, como comprar mantimentos. As empresas pagam seus trabalhadores, fornecedores e proprietários por meio de bancos. Os bancos também estão lá para decisões maiores, como comprar uma casa ou obter um empréstimo estudantil.

CONTINUE A LER AQUI: https://www.economist.com/special-report/2021/05/08/a-future-with-fewer-banks