jul 28

Tereos e Lemon Energia vão fornecer eletricidade a biogás no interior de SP

Usina produzirá o equivalente ao consumo de cerca de 85 pequenos comércios, com potencial de duplicar o volume no médio prazo

Tereos já produz eletricidade a partir da biomassa da cana e agora entra no mercado de biogásRECIFE — A francesa Tereos — que no Brasil produz açúcar, etanol e energia a partir da biomassa –, fechou uma parceria com a startup Lemon Energia para fornecer eletricidade através do biogás no interior de São Paulo. O serviço será voltado para pequenos e médios negócios atendidos pela distribuidora CPFL Paulista.

A energia será gerada na planta piloto de biogás da Tereos, localizada na unidade industrial da empresa, no município de Cruz Alta, em Olímpia (SP). A usina produzirá o equivalente ao consumo de cerca de 85 pequenos comércios, com potencial de duplicar o volume no médio prazo.

O biogás será um complemento à geração de energia da produtora de etanol, que produz eletricidade a partir da biomassa da cana para atender o consumo das suas unidades industriais e comercializa o excedente.

“Já tínhamos a oferta de energia elétrica limpa gerada a partir da biomassa da cana. Com a produção de biogás, oferecemos mais uma fonte renovável de geração, contribuindo para agregar valor a nossos clientes e parceiros de negócios”, esclarece Gustavo Segantini, diretor comercial da Tereos.

E a parceria já tem os clientes para essa energia.

A Lemon alocou pequenos e médios estabelecimentos para receber a energia sustentável na região, e calcula que a economia nas contas de energia dos clientes pode chegar a R$ 160 mil.

A startup atua no mercado de geração distribuída com usinas que fornecem créditos para abatimento nas contas dos consumidores conectados à sua plataforma. Segundo a Lemon, isso permite uma economia anual de até 20%. Recentemente, a Lemon captou R$ 60 milhões em rodada Séries A para expandir sua atuação.


PL que estimula biogás em aterros avança no Senado

A Comissão de Infraestrutura (CI) do Senado aprovou no início de maio um projeto de lei que visa a estimular a produção de biogás, biometano e energia elétrica a partir do aproveitamento do lixo de aterros sanitários. O PLS 302/2018 segue para votação terminativa na Comissão de Meio Ambiente (CMA).

A proposta, do ex-senador Hélio José (DF), altera a Lei da Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305, de 2010). A matéria inclui entre as iniciativas que podem ser atendidas por medidas indutoras e linhas de financiamento a elaboração e a execução de projetos de aterros sanitários que contemplem a geração de energia elétrica.

O texto também permite que empresas dedicadas a gerar energia a partir do aproveitamento dos resíduos sólidos em aterros sanitários recebam incentivos fiscais, financeiros ou creditícios da União, de estados ou municípios.

O relator, o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), apresentou uma emenda para incluir a geração de energia elétrica na Política Nacional de Resíduos Sólidos. Ele também substituiu o termo geração de energia elétrica “a partir de aterros sanitários”, por “a partir de resíduos sólidos”.

“Com isso, contemplamos toda sorte de resíduo sólido, e não apenas os rejeitos depositados em aterros sanitários”, justifica.

O relator retirou do projeto o benefício tributário sugerido por Hélio José. Isso porque, segundo Bezerra, a medida infringiria a Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar 101, de 2000), a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e a Lei Orçamentária Anual (LOA).

FONTE: https://epbr.com.br/tereos-e-lemon-energia-vao-fornecer-eletricidade-a-biogas-no-interior-de-sp/