jan 16

Tecnologia de carros conectados da Ford alerta motorista sobre perigos ocultos

O LHI trabalha de forma autônoma e funciona com dados em nuvem

A Ford apresentou sua nova tecnologia de carros conectados chamada LHI (Local Hazard Information) que alerta o motorista antecipadamente sobre perigos à frente na estrada. O recurso tem o objetivo de prevenir que o motorista se surpreenda com acidentes escondidos em curvas ou outras ameaças que estão em locais fora da sua visão. O sistema LHI é traduzido como “informação de perigos locais”, e é considerado um avanço significativo na criação de uma infraestrutura de transporte conectada.

O destaque para a tecnologia é a diferença que ela tem dos sistemas de alerta de acidentes de trânsito; muitos deles dependem dos motoristas para fornecer informações, mas o LHI trabalha de forma autônoma, sem a necessidade de qualquer interação do motorista. Os avisos são gerados automaticamente por ocorrências registradas pelos carros à frente, como o acionamento dos airbags, das luzes de emergência ou dos limpadores de para-brisa.

Ou seja, quando um motorista faz uma parada brusca, sofre um acidente ou tombamento de carga, o sistema de carros conectados presente no veículo já alerta os carros que vêm logo atrás dele. A tecnologia serve também para avisar sobre tempestades de granizo, inundações e deslizamentos de terra. Além disso, o LHI foi projetado para fornecer alertas que só são exibidos no painel do carro se tiverem impacto na rota do motorista. Com isso, informações genéricas não devem distrair o motorista.

O primeiro modelo da fabricante a chegar no mercado com o LHI será o Ford Puma, com operação gratuita durante o primeiro ano. Até o final de 2020 o LHI estará disponível em mais de 80% da linha de veículos de passeio da Ford na Europa e não será um benefício exclusivo, podendo também gerar e receber alertas de carros de outras marcas.

Por enquanto, o sistema vai funcionar apenas na região da Europa. Quanto mais carros estiverem conectados à rede, maior será a eficiência do sistema, já que os veículos compartilham as informações entre si. Os sensores do IHS monitoram ações como frenagem de emergência, uso dos faróis de neblina e do controle de tração para detectar condições adversas do tempo ou da estrada. Esses registros são monitorados para determinar os locais de perigo e a ocorrência de acidentes.

A troca de informações entre os carros acontece através de uma conexão segura à nuvem usando o modem FordPass Connect. De acordo com a Ford, o sistema também vai contar com registros de acidentes registrados por órgãos públicos e reportes de trânsito para dar outros alertas aos motoristas, como de veículos na contramão, obras, pessoas ou animais na pista.

FONTE: MC