jan 27

Sul-coreanos usam inteligência artificial para ressuscitar cantor morto há 25 anos

A emissora de TV Sul-Coreana SBS está preparando um programa chamado Competition of the Century: AI vs Human (Competição do Século: IA vs Humanos). Apesar do nome, o programa mostrará, na verdade, um “dueto” de um cantor humano com uma inteligência artificial, e contará com a presença da mega estrela Kim Kwang-seok, um dos músicos mais adorados no país. Seria só mais um programa de TV, se não fosse por um “detalhe”: Kwang-seok morreu em 1996.

A voz do cantor será inteiramente recriada por um sistema de inteligência artificial. Ao contrário de sistemas como o Vocaloid da Yamaha, onde “fonemas” são combinados para gerar um vocal para uma música, o sistema usado pela SBS é baseado em aprendizado de máquina.

Um teaser do programa, publicado em dezembro no YouTube, já teve mais de 145 mil visualizações. Ele mostra Kwang-seok cantando “I Miss You”, música que foi gravada por Kim Bum-soo em 2002. Outro vídeo, mostrando o “making off” do processo, já teve mais de 750 mil visualizações.

A tecnologia criada para trazer Kwang-seok de volta à vida se chama Singing Voice Synthesis (algo como “Síntese de Voz Cantante”) e foi desenvolvida pela empresa sul-coreana Supertone.

Segundo Choi Hee-do, COO da companhia, um sistema de aprendizado de máquina aprendeu 100 canções de 20 cantores diferentes antes de aprender 10 canções de Kim Kwang-seok. O resultado é uma “cópia” tão fidedigna que inclui até a pronúncia característica do cantor.

Mais do que agradar os fãs, Choi está de olho no potencial comercial da tecnologia. “Por exemplo, o BTS (um dos grupos sul-coreanos mais famosos) está muito ocupado hoje em dia, e seria lamentável se eles não pudessem participar de um projeto devido à falta de tempo. Portanto, se eles usassem nossa tecnologia ao fazer jogos, audiolivros ou dublar uma animação, por exemplo, eles não teriam necessariamente que gravar pessoalmente”, disse à CNN.

Fãs mais velhos aprovaram a performance da inteligência artificial: “A voz recuperada soa muito como ele, como se Kim tivesse gravado ela ao vivo”, diz Kim Joy-yeon, fã de Kwang-seok há 30 anos. Os mais novos também ficaram emocionados. Park Hye-hyun tinha dois anos quando o cantor morreu. “Um dos meus desejos era ouvir mais músicas na voz de Kim. Cheguei a chorar”, disse ela.

A tecnologia levanta questões éticas. Uma delas é relacionada aos copyrights: um cantor detém os direitos sobre suas músicas. Mas e no caso de uma IA imitando a voz deste cantor? Os direitos ficam com a “fonte” da voz? Ou com a dona da tecnologia?

“Vamos reconhecer uma IA como uma entidade com ‘personalidade legal’ como os humanos, e dar a ela o copyright?”, perguntou Ko Hwan-kyoung, advogado e especialista em proteção de dados. “Precisamos de regulamentação que garanta a segurança humana, mas que não seja excessiva de modo a prejudicar o desenvolvimento da tecnologia de IA”.

No caso de Kim Kwang-Seok, a SBS conseguiu autorização da família para reproduzir sua voz. O programa será transmitido pela TV e trechos serão publicados no YouTube, mas fãs que esperam um novo disco ficarão desapontados: nem a SBS, nem a Supertone planejam lançar um single com a canção.

“Concordamos em não lançar oficialmente as canções que serão mostradas no show”, diz Choi.

FONTE: https://olhardigital.com.br/2021/01/27/noticias/sul-coreanos-usam-ia-para-trazer-cantor-morto-ha-25-anos-de-volta-a-vida/