ago 30

Startups de educação focam no ensino básico

Para sanar dificuldades relacionadas ao EAD, cinco empresas digitais se uniram em uma solução integrada inédita no Brasil

Aluna da educação básica: as escolas no Brasil ficaram, em média, 53 semanas fechadas (FG Trade/Getty Images)

A experiência do ensino remoto durante a pandemia revelou uma grande oportunidade de negócio no setor de educação, mas também trouxe à tona as dificuldades enfrentadas por escolas, professores e alunos. Nesse cenário, algumas startups decidiram criar metodologias adequadas para o ambiente virtual no ensino básico.

Em 2021, cerca de 800 líderes educacionais se reuniram no Congresso Brasileiro de Gestão Educacional para debater questões como a falta de estrutura, desigualdade social e políticas públicas insuficientes para que a educação conseguisse expandir a digitalização dos processos de ensino.

Outro conceito explorado pelos especialistas foi a transição de um mundo VUCA (sigla em inglês para “volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade”) para um mundo BANI (termo usado para definir uma realidade frágil, ansiosa, não linear e incompreensível). Essas seriam as características da geração de alunos que está chegando à educação básica.

Para sanar a falta de familiaridade de professores e alunos com o ensino a distância (EAD), pouca motivação para o aprendizado digital e adoção de uma metodologia pedagógica adequada ao meio tecnológico, cinco empresas digitais se uniram recentemente em uma solução integrada inédita no Brasil. A canadense D2L, que atua no mercado global de LMS (sistema de gestão de aprendizado), juntou-se às parceiras Amazon Web Services, Raiz Educação, Layers e Dreamshaper no projeto Coeducar, ecossistema completo para escolas de ensino básico.

A D2L entra com a plataforma, a Raíz Educação com o conteúdo, a AWS com a infraestrutura, a Layers com a comunicação e a Dreamshaper com a regulamentação e transição para o Novo Ensino Médio, que começa a ser introduzido ainda este ano.

Com 20 mil alunos já plugados de maio para cá, o grupo focou primeiro no ensino privado, mas o objetivo é chegar ao ensino público em 2023. Uma preocupação foi a acessibilidade, já que grande parte dos lares brasileiros ainda não tem internet de qualidade. “O aplicativo é leve, roda tranquilamente em um 3G”, diz a diretora de canais e novas parcerias da D2L, Eline Cavalcanti.

Ela afirma que houve um cuidado na construção do produto, principalmente para que o conteúdo saísse um pouco do padrão tradicional, com referências mais frescas, trazendo o que está acontecendo na atualidade”, diz a diretora.

Outra que saiu à frente na entrega de uma educação digital funcional é a plataforma Tindin, fundada em 2018 pelos sócios Eduardo Schroeder e Fábio Rogério, de Maringá (PR). Originalmente uma startup de educação financeira, a empresa nasceu no modelo B2C (Business to Consumer) e mudou em 2020 para o B2B (Business to Business).

“Nosso propósito era – e continua sendo – educar toda criança para a vida, porque já acreditávamos que os modelos tradicionais de ensino eram muito conteudistas e pouco focados na vivência e aplicação prática do conhecimento”, diz Schroeder, especialista em negócios e CEO da empresa. O pacote da Tindin inclui um metaverso com gamificação imersiva com conteúdos de educação financeira, educação para o consumo e pensamento computacional.

Hoje a Tindin é um ecossistema de aprendizagem com foco naquilo que o aluno de fato aprende, e não no que é ensinado, segundo Schroeder. A plataforma atende mais de 2,6 mil instituições de ensino, a maioria privada. Mas vai começar a atender o setor público.

FONTE: https://www.infomoney.com.br/negocios/startups-de-educacao-focam-no-ensino-basico/