jul 15

Startups de carros elétricos enfrentam problemas que já pressionavam montadoras

Os cortes de pessoal e custos na indústria de veículos elétricos refletem desafios comuns a todas as montadoras

Mike Blake/Reuters
Startups de carros elétricos como Rivian e Arrival precisarão apertar os cintos e, em alguns casos, se reinventar

Startups de veículos elétricos que prometeram revolucionar a indústria automotiva usando uma abordagem pesada de software e tecnologia agora lutam para cortar custos devido à desaceleração da indústria que atormentou as montadoras por muitos anos.

Para continuar participando de um negócio cada vez mais competitivo, startups como Rivian e Arrival precisarão apertar os cintos e, em alguns casos, se reinventar, disseram autoridades do setor e analistas.

Em muitos casos, as empresas estão fazendo parcerias com companhias maiores e ricas para ajudar na sua sobrevivência e fornecer acesso a fundos.

“Como toda empresa que está gastando dinheiro, você precisa fazer os ajustes certos para poder chegar ao outro lado do deserto”, disse Evangelos Simoudis, investidor de capital de risco e consultor do setor.

Mesmo com a queda geral das vendas de veículos novos durante a pandemia, a demanda por veículos elétricos seguiu forte. As vendas de veículos elétricos a bateria e híbridos plug-in quase dobraram no ano passado, para 6,6 milhões, segundo a Agência Internacional de Energia.

Na véspera, a startup britânica Arrival disse que planeja cortar gastos, reorganizar seus negócios e talvez demitir 30% de sua força de trabalho em resposta ao ambiente econômico adverso.

A Arrival, que tenta lançar a produção de vans de entrega elétricas, está seguindo o exemplo das estrelas do setor Tesla e Rivian, que cortaram empregos porque os emaranhados da cadeia de suprimentos atrapalharam a produção, mantendo a receita abaixo das expectativas e elevando os custos.

O presidente-executivo da Stellantis, Carlos Tavares, disse que o aumento da inflação está cortando o acesso fácil ao “dinheiro grátis”.

“Isso significa que algumas startups terão um pouco mais de dificuldade para se desenvolverem sozinhas”, disse ele durante evento para startups com quem a montadora trabalha.

A Lordstown, startup de Ohio que chegou a ter um valor de mercado maior do que a Ford, se reestruturou, vendendo ativos e fazendo parceria com a fabricante de contrato taiwanesa Foxconn.

Os cortes de pessoal e custos na indústria de veículos elétricos refletem desafios comuns a todas as montadoras, e alguns que são exclusivos de pequenas empresas em um setor de capital intensivo, onde até mesmo as economias de escala globais às vezes não são suficientes para garantir a lucratividade.

“Este é um negócio incrivelmente difícil”, disse Barry Engle, ex-executivo do setor automotivo que iniciou uma empresa de aquisição de propósito especial que se fundiu com a startup de táxi aéreo Lilium.

“Com o sucesso de Tesla, é fácil esquecer que foi uma história que levou 20 anos para ser feita e ao longo do caminho houve muitos pontos em que eles encararam a morte de frente.”

As montadoras de Detroit também correm o risco de aumentar os custos e problemas persistentes na cadeia de suprimentos.

Na General Motors, os executivos analisam um painel de indicadores de mercado “todos os dias, todas as semanas, todos os meses”, disse o diretor financeiro Paul Jacobson a investidores na conferência do Deutsche Bank em junho.

Até agora, as montadoras estabelecidas conseguiram aumentar os preços de suas populares caminhonetes de combustão e SUVs para manter o fluxo de caixa.

FONTE: https://forbes.com.br/forbeslife/forbes-motors/2022/07/startups-de-carros-eletricos-enfrentam-problemas-que-pressionam-montadoras-ha-anos/