maio 26

Startups crescem no setor imobiliário e de construção, girando quase R$ 6 bi em um ano

Pesquisa da Terracotta, empresa de investimentos em construtechs e proptechs, aponta alta de 13,82% no último ano

Foram mapeadas 955 startups ativas no setor de construção e imobiliária no país, com SP liderando a presença das proptechs e construtechs (Foto: Mark Potterton/Unsplash)

No setor imobiliário e de construção, as startups têm ganhado importância expressiva. No último ano, entre maio de 2021 e maio de 2022, o número de empresas ativas no setor cresceu 13,82%, e as rodadas de investimentos nas chamadas proptechs e construtechs movimentaram R$ 5,83 bilhões neste período.

Os dados são do 6º Mapa de Construtechs & Proptechs, pesquisa realizada pela Terracotta, empresa de investimentos em tecnologia de construção civil e mercado imobiliário. A empresa também divulgou que, nos últimos seis anos, o número de startups do setor cresceu 282%.

Foram mapeadas 955 empreendimentos ativos no país. Fazem parte da pesquisa startups brasileiras que geram valor para algum segmento em construção e mercado imobiliário, que tenham menos de 150 colaboradores e, no máximo, 15 anos de fundação.

“Estamos em uma fase posterior àquela das ideias brilhantes, agora vemos empresas mais robustas e com executivos mais experientes, enquanto há investidores que entendem melhor sobre esse mercado. Os empreendedores estão mais qualificados para entregar o prometido aos investidores que apostaram em seus negócios”, afirma em nota Marcus Anselmo, managing partner da Terracotta Ventures.

A pesquisa mostra também que o número de fusões e aquisições de startups no setor tem crescido. Desde 2014, quase 50 delas passaram pelo processo, sendo que 54,05% foram adquiridas por outras startups e 45,95% por corporações.

Com relação à distribuição geográfica, a maior parte das proptechs e construtechs se encontra em São Paulo (43,12%), seguida por Santa Catarina (11,44%) e Paraná (10,45%). O estado do Nordeste com maior número de startups do setor de construção e imobiliária é Pernambuco, com 1,43%.

De acordo com a Terracotta, o cenário tem se mostrado mais diverso em questões de gênero, com 41,49% das startups tendo cofundadoras mulheres, um avanço de 40% em relação à pesquisa do ano passado. No campo racial, apenas 7,61% das startups tem lideranças negras ou pardas — aumento em relação aos 4,21% de 2021.

FONTE: https://revistapegn.globo.com/Startups/noticia/2022/05/startups-crescem-no-setor-imobiliario-e-de-construcao-girando-quase-r-6-bi-em-um-ano.html