set 12

Startup brasileira cria mini escritórios autônomos compartilhados

Chamado de BoxOffice Regus, escritório tem cerca de quatro metros quadrados e é equipado com wi-fi, conexão USB e isolamento acústico

BOXOFFICE REGUS (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Networking, flexibilidade, economia. São muitas as vantagens do coworking, espaços compartilhados que conquistaram trabalhadores de todo o mundo. Mas há também quem se incomode com a falta de privacidade ou até mesmo as distrações que podem afetar a produtividade do trabalho. Mas agora, será possível reservar, pelo celular, um horário em um dos 140 escritórios autônomos que serão instalados até o fim deste ano em centros comerciais, edifícios corporativos, shoppings, eventos e até aeroportos.

O projeto é desenvolvido pela startup brasileira BoxOffice em parceria com a Regus, multinacional inglesa que oferece escritórios compartilhados. Chamado de BoxOffice Regus, os escritórios compactos são autônomos, têm cerca de quatro metros quadrados e capacidade para até seis pessoas. “A ideia é democratizar o acesso aos ambientes de trabalho compartilhados, que ainda são muito burocráticos”, explica Roberta Carvalho, fundadora e CEO da BoxOffice.

Por meio de um aplicativo, é possível alugar um dos escritórios autônomos por algumas horas, de acordo com a disponibilidade. Cada meia hora custa R$ 25 reais e o pagamento é feito via cartão de crédito no próprio aplicativo, que também é usado para destravar a porta. O espaço conta com isolamento acústico, conexão Wi-Fi e USB e equipamentos para videoconferência. O usuário também pode aproveitar os produtos de empreendimentos próximos ao escritório autônomo – basta apertar a companhia e um funcionário aparece para anotar o pedido.

O espaço pode ser usado profissionais autônomos, executivos que fazem muitas reuniões externas e empresas que necessitam de pontos de apoio pela cidade. Além disso, o BoxOffice pode funcionar como um local reservado para uma entrevista de emprego, aulas particulares, reuniões e outras atividades pontuais. A ideia é que, no futuro, seja uma possibilidade para trabalho remoto, oferecido por empresas como benefício a seus funcionários. “Com a tecnologia, a forma como as pessoas trabalham está mudando. Os escritórios autônomos são uma forma de conectar os espaços de trabalho com a nova realidade da economia compartilhada”, afirma Tiago Alvez, CEO da Regus.

Ao contrário dos espaços tradicionais de coworking ou dos escritórios abertos, outra vantagem dos BoxOffices é a privacidade. “Os escritórios compactos vêm para solucionar a questão da produtividade, da concentração do foco. Ele permite que o profissional faça uma reunião ou se concentre em uma determinada atividade pontual sem distrações sonoras e visuais”, diz Roberta. Atualmente, os BoxOffices estão espalhados em sete pontos da cidade de São Paulo, entre eles a Avenida Paulista, Avenida Faria Lima e Vila Olímpia.

FONTE: ÉPOCA