maio 05

“Sou investidor conservador, mas queria diversificar meus investimentos. É confiável investir pelas fintechs?”

Muitos investidores estão considerando migrar para investimentos alternativos, como os oferecidos por algumas fintechs. Saiba se vale a pena

“Sou investidor conservador, mas queria diversificar meus investimentos. É confiável investir pelas fintechs?” (Foto: Constantine Johnny via Getty Images)

Caro leitor,

Obrigado pela pergunta, o momento que estamos vivendo é histórico, dado que estamos no menor patamar de juros da história recente do Brasil, pois a taxa básica de juros definida pelo Banco Central (mais conhecida como taxa Selic) está no patamar de 3,75% a.a.

Por isso, muitos investidores que se classificam como conservadores estão se perguntando se deveriam diversificar seus investimentos para obter as mesmas taxas de retorno de outrora, quando a Taxa Selic estava no patamar de 14% ou 15%.

Como forma de diversificar a carteira, muitos estão considerando migrar para investimentos alternativos, como os oferecidos por algumas fintechs, do inglês: Financial Technology, termo utilizado para definir startups que trabalham para inovar e otimizar serviços do sistema financeiro.

Para concluirmos se os investimentos realizados pelas fintechs são confiáveis, ou não, discorreremos sobre os seguintes tópicos: (1) os tipos de investimento e perfil de risco; (2) quais são os tipos de investimento oferecidos pelas fintechs; e (3) quais destes investimentos seriam recomendadas para um investidor conservador.

Investimento é uma aplicação de algum tipo de recurso com a expectativa de receber retorno futuro superior ao aplicado. Os investimentos podem ser divididos em renda fixa ou renda variável, as aplicações em renda fixa são investimentos cujo rendimento (taxa de juros) é determinado no momento da compra do título, podendo ser pré-fixada ou pós-fixada. Do outro lado, nas aplicações de renda variável os rendimentos não são conhecidos, ou não podem ser previamente determinados, pois dependem de eventos futuros, tais como os fatores conjunturais e econômicos, e, regra geral, possibilitam maiores rendimentos, porém o risco de eventuais perdas é bem maior.

O perfil de risco define, basicamente, a tolerância ao risco. Existem três tipos de perfil de risco do investidor: conservador, moderado e arrojado. Uma boa análise de perfil de risco leva em conta muito mais do que a tolerância para correr riscos, avalia também a capacidade e a necessidade de correr riscos, de forma muito particular – levando em consideração aspectos como o momento de vida do investidor, sua estrutura familiar, padrão de vida e outros fatores que possam influenciar na escolha de investimentos.

Os investidores conservadores, como é o caso do leitor, preferem investir em investimento que oferecem baixo risco, priorizando opções com segurança e liquidez em lugar de buscar alta rentabilidade. Esse tipo de cliente prefere investimentos com retornos previsíveis (baixa volatilidade), normalmente buscando investimentos de renda fixa.

Superada a questão sobre os investimentos e também sobre o perfil de risco, vamos aos tipos de investimentos oferecidos pelas fintechs.

Existem diversos tipos de fintechs no mercado, e nem todos os investimentos delas são para investidores arrojados, quais sejam, aqueles que procuram alto rendimento, independente do risco da operação, seja pela segurança, liquidez ou volatilidade.

FONTE: epocanegocios.globo.com