out 01

Siemens avança no Brasil com foco em tecnologia e redução do impacto ambiental

Projetos aumentam a eficiência energética e equipamentos reduzem emissão de CO²

Sistema AeroMACS (Aeronautical Mobile Airport Communication System) engloba tecnologia de comunicação móvel por banda larga para gerar dados e imagens em tempo real para operadores de aeroporto

Há mais de 150 anos atuando no Brasil, a Siemens, maior conglomerado industrial da Europa, planeja aumentar e diversificar investimentos em projetos e parcerias nos setores de logística e energia em todo o país.“O Brasil, nesse exato momento, em quase todas as áreas de infraestrutura –em rodovias, mobilidade urbana, metrôs, geração de energia elétrica– oferece excelentes projetos, e acho que esse banco de projetos tende a crescer”, afirma André Clark, CEO da Siemens no Brasil e diretor do CEBC (Conselho Empresarial Brasil-China).

Clark afirma que a movimentação para atrair capitais privados em infraestrutura cresce em níveis federal e estadual. Um exemplo desse movimento foram os leilões dos aeroportos, realizados pelo governo federal em 2019, que deram “muito certo porque houve um trabalho prévio de modelagem, qualidade, regulação e tudo mais”, segundo o executivo. Se o país continuar nesse caminho, explica Clark, “teremos um pipeline de projetos ainda melhor”.

Os projetos e parcerias da Siemens se orientam em 3 eixos de negócios: Digital Industries, Smart Infrastructure e Gas and Power e estão presentes em todo o país e colaborando com o desenvolvimento da infraestrutura e competitividade do país. Eis alguns exemplos:

MODERNIZAÇÃO DO POLO PETROQUÍMICO DO ABC PAULISTA

Em fevereiro de 2019, Siemens e Braskem anunciaram parceria para a modernização do Polo Petroquímico do ABC Paulista, com conclusão prevista para 2021.

A premissa do projeto é aprimorar a eficiência e reduzir o consumo energético ambiental e economicamente. A proposta é trocar as turbinas à base de vapor por motores elétricos de alto rendimento. “Nosso consumo de energia é predominantemente de origem térmica, portanto projetos que envolvem melhorias na eficiência energética impactam positivamente na redução de emissões e nos custos evitados”, afirma Gustavo Checcucci, diretor de Energia da Braskem.

O investimento total é de R$600 milhões. Checcucci explica que os novos motores têm como base uma nova planta de cogeração de energia alimentada por gás residual do processo de produção petroquímica. “Com a cogeração combinada de energia elétrica e gás, vamos consumir menos energia e reduzir ainda mais a emissão de gases de efeito estufa”, afirma. A estimativa é reduzir 11,4% no consumo de água e de 6,3% nas emissões de CO².

No projeto, a Siemens Gas and Power é responsável por construir e operar novos ativos da cogeração de energia de alta eficiência durante 15 anos. De acordo com Checcucci, esse novo sistema é mais confiável e “um dos benefícios para a comunidade vizinha será redução do uso do flare, mecanismo seguro para a queima de gases utilizado por indústrias químicas, petroquímicas e refinarias”.

BATERIAS DE ARMAZENAMENTO MPC

Na área de Smart Infrastructure, a Siemens e a Arcos Dorados Holding, dona da McDonald’s, implantou um novo sistema de baterias de armazenamento MPC (Micropower-Comerc). “A solução estava alinhada com nossos conceitos de sustentabilidade em toda a cadeia produtiva até os restaurantes, compra de carne sustentável debaixo dos critérios estabelecidos pelo GTPS (Grupo de Trabalho para a Pecuária Sustentável)”, explica Leonardo Lima, Diretor Corporativo de Desenvolvimento Sustentável da Arcos Dorados.

A iniciativa está alinhada com os 17 objetivos universais de Desenvolvimento Sustentável da ONU e oferece uma nova forma de abastecimento dos restaurantes da rede no horário de pico, quando a energia se torna mais cara.

O conceito do projeto é que, durante o dia, o sistema de armazenamento seja carregado e, no horário de pico (das 18h às 21h), ele entre em operação assumindo 100% da demanda de nosso restaurante”, explica Lima.

Dessa forma, os custos diminuem e substituem o modelo padrão, que é a base de diesel, por uma opção sustentável. As baterias foram implantadas como teste na unidade do McDonald’s, em São Paulo, em junho de 2019.

Até o momento estamos conseguindo, em conjunto com a Siemens e a MPC, achar soluções de eficiência energética para nossos restaurantes”, explica Lima. “Entendemos que uma empresa com o porte da Siemens pode nos auxiliar a encontrar soluções econômicas e sustentáveis para o nosso negócio”, conclui.

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO AEROPORTUÁRIO – AEROMACS

No setor aeroviário, a Siemens participa do desenvolvimento e testes da tecnologia AeroMACS (Aeronautical Mobile Airport Communication System), um sistema de comunicação sem fio no âmbito de superfície dos aeroportos. O sistema visa melhorar as operações de infraestrutura, aviação civíl e serviços que atendem ao setor de segurança por meio de novos veículos, escadas de embarque, radares e sensores na pista.

A implantação do AeroMACS nos aeroportos está de acordo com o padrão estabelecido pela UIT (União Internacional de Telecomunicações), uma das agências da ONU. O objetivo é padronizar o sistema de comunicação dos aeroportos de todo o mundo.

Esse sistema torna mais rápidos e eficientes os processos de comunicação interna dos aeroportos. Uma das mudanças está relacionada às informações de telemetria, como aquaplanagem, através do monitoramento por imagem do estado da pista que permite identificar objetos que possam colocar em risco as operações de pouso e decolagem. Uma das principais vantagens do AeroMACS é a transmissão de informação em tempo real.

No Brasil, a Siemens é responsável pela fabricação dos equipamentos do AeroMACS, além de participar dos projetos de teste nos aeroportos.

EFICIÊNCIA INDUSTRIAL NO SETOR DE CELULOSE

Em abril deste ano, a Klabin anunciou o investimento de R$ 9,1 bilhões no processo de expansão fabril batizado de Puma II, que deve acontecer até 2023. A iniciativa engloba a instalação de 2 novas máquinas de papel e celulose na fábrica de Ortigueira (PR) e a produção de 920 mil toneladas anuais de papéis de embalagem Kraftliner.

Para a implementação do Puma II, a Siemens fornecerá turbogeradores do modelo SST-600, que têm capacidade de 145 MW. Essa tecnologia oferece melhor custo-benefício para instalação e operação, além de reduzir o impacto ambiental por meio da redução de dióxido de carbono (CO²) emitido durante o processo de fabricação.

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL AUXILIA NA ESCOAÇÃO DA PRODUÇÃO BRASILEIRA

Soluções projetadas com uso da tecnologia para automação e digitalização industrial  podem ser vistas em vários segmentos de negócio, um exemplo, disso foram guindastes automatizados de maior eficiência energética. Os equipamentos facilitam o escoamento da produção interna industrial para as regiões exportadoras. “No Brasil, grande parte da nossa capacidade produtiva está no interior do país e precisamos escoar essa produção para o mercado externo”, explica Pablo Fava, diretor de Digital Industries da Siemens.

Estamos implementando o 1º guindaste de controle à distância”, afirma. De acordo com Fava, esses novos equipamentos também resolvem problemas de gestão de segurança, por exemplo, ao evitar a presença de pessoas em áreas perigosas.

Outro exemplo de automatização e digitalização que pode significar um incremento valioso para as exportações brasileiras é o da indústria alimentícia. Os avanços valem para muitas das cadeias do setor dedicadas ao mercado interno. Mas podem também expandir fronteiras nas cadeias de exportação.

O Brasil tem um papel internacional relevante na exportação de alimentos para os principais compradores internacionais e pode reforçar ainda mais esta posição tornando a produção e logística mais rápidas e eficientes.

Nossa maior parceira comercial, a China é atualmente a maior compradora de alimentos do mundo. O país é responsável por comprar 27% do total de exportações brasileiras. Até maio de 2019, as exportações para o país asiático aumentaram 3,6% em relação ao mesmo período do ano anterior. Em 2018, a China importou 75,88% da soja, 82% das aves e 31% da carne brasileira.

Aumentar a produção e facilitar o escoamento dos produtos para as regiões exportadoras terá papel fundamental para o avanço das relações entre Brasil e China nos próximos anos.

Para saber mais, acesse: www.siemens.com.br/ccc.

Sobre a Digital Industries:

A Digital Industries (DI) da Siemens é líder em inovações de automação e digitalização. Colaborando com parceiros e clientes, promove a transformação digital nas indústrias de processo e manufatura discreta. Com seu portfólio de soluções para a indústria digital, fornece a empresas de todos os portes um conjunto completo de produtos, soluções e serviços para integrar e digitalizar toda a cadeia de valor. Otimizado para atender às necessidades específicas de cada setor, o portfólio exclusivo da DI ajuda os clientes a obter mais produtividade e flexibilidade. A DI constantemente adiciona inovações ao seu portfólio para integrar futuras tecnologias de ponta. Com sua sede global em Nuremberg, na Alemanha, tem cerca de 78 mil funcionários no mundo inteiro.

Sobre a Gas and Power:

A Siemens Gas and Power (GP) é referência global em energia, ajudando os clientes a atender às crescentes demandas das indústrias e sociedades atuais. A Siemens GP possui amplas capacidades em toda a cadeia de valor de energia e oferece um portfólio abrangente a concessionárias, produtores independentes de energia, operadoras de sistemas de transmissão e para todo o setor de petróleo e gás. Seus produtos, soluções e serviços envolvem a extração, o processamento e o transporte de petróleo e gás, além da geração de energia em usinas térmicas centrais e distribuídas e transmissão de energia nas redes. Com sede global em Houston, Estados Unidos, e mais de 64.000 funcionários em mais de 80 países, a Siemens Gas and Power tem presença global e é líder em inovação para os sistemas de energia atuais e futuros, como tem sido há mais de 150 anos.

Sobre a Smart Infrastructure:

A Siemens Smart Infrastructure (SI) está definindo o mercado de infraestrutura inteligente e adaptável atual e para o futuro, para atender aos desafios urgentes da urbanização e das mudanças climáticas, conectando sistemas de energia, edifícios e indústrias. A SI oferece aos clientes um portfólio abrangente e completo de produtos, sistemas, soluções e serviços de apenas uma fonte, que envolvem desde o ponto de geração de energia até o consumo. Com um ecossistema cada vez mais digitalizado, colabora para o progresso de clientes e comunidades, enquanto ajuda a proteger o planeta. A SI cria ambientes que se importam com o planeta. A sede global da Siemens Smart Infrastructure está localizada em Zug, na Suíça, e a empresa possui cerca de 71.000 funcionários em todo o mundo.

FONTE: PODER 360