ago 02

Satélites da Starlink são confundidos com óvnis, e Elon Musk explica

O projeto faz parte da estratégia da SpaceX para lançar milhares de satélites em órbita e transmitir a internet para a Terra do espaço

Marco Langbroek
Satélites Starlink vistos após o primeiro lançamento em maio de 2019

Se você olhou para o céu noturno recentemente, pode ter se surpreendido ao ver um trem de luzes brilhantes se movendo de um lado para o outro. O que está acontecendo? As luzes aparecem em grupos de 60 em uma longa fila. Houve inúmeros relatos de lugares como os EUA e o Reino Unido de pessoas que os viram, com explicações que variam de óvnis a uma invasão alienígena. É claro. Mas não tenha medo. Essas luzes são na verdade satélites, lançados ao espaço pela empresa norte-americana SpaceX, dirigida pelo empresário sul-africano Elon Musk. E eles são um pouco controversos.

Os satélites fazem parte do Starlink. Este é um projeto da SpaceX para lançar milhares de satélites em órbita e transmitir a internet para a Terra do espaço. A SpaceX espera usá-lo para financiar missões a Marte. Desde o primeiro lançamento em maio de 2019, a SpaceX lançou cerca de 360 ​​desses satélites. Cada um pesa cerca de 260 quilos e é aproximadamente do tamanho de um carro achatado, com um grande painel solar que reflete a luz do sol.

O objetivo final da SpaceX é cobrir o espaço ao redor da Terra nesses satélites. Eles planejam operar 12.000 satélites Starlink em órbita e potencialmente até 42.000. Isso é conhecido como uma mega constelação. Os satélites são lançados em lotes de 60, com a SpaceX com o objetivo de lançar cerca de dois lotes por mês – embora ainda não tenham atingido essa frequência. Cada vez que os satélites são lançados, nos próprios foguetes reutilizáveis ​​Falcon 9 da empresa, eles são colocados em órbita a cerca de 290 quilômetros acima da superfície da Terra.

Os satélites então usam seus motores de íons a bordo para elevar sua altitude até suas órbitas operacionais entre 340 e 550 quilômetros. Isso pode levar vários meses para ser feito. Durante esses meses, os satélites podem parecer muito visíveis no céu noturno quando sobrevoam sua localização devido às suas superfícies refletivas. Após o anoitecer e antes do amanhecer, quando o Sol mergulha logo abaixo do horizonte, os satélites refletem a luz solar de volta ao solo, fazendo-os brilhar bastante. À medida que passam por cima, eles aparecem como um trem de luzes brilhante à medida que os satélites seguem um após o outro em órbita.

O objetivo da SpaceX com o Starlink é transmitir internet de alta velocidade para todos os locais da Terra, de Londres à Antártida. As pessoas então pagarão uma taxa para acessar o serviço, com velocidades estimadas mais lentas do que a banda larga de fibra, mas mais rápidas do que os serviços de internet via satélite existentes. No entanto, as pessoas levantaram preocupações sobre o número de satélites que a SpaceX está lançando. Hoje apenas cerca de 2.000 satélites ativos orbitam a Terra, a SpaceX aumentará isso em seis vezes e possivelmente em 21 vezes.

Isso representa um risco considerável para os satélites colidindo na órbita da Terra. Se dois satélites colidirem, eles podem explodir e produzir milhares de pequenos pedaços de detritos. Isso aconteceu em 2009 entre um satélite dos EUA e da Rússia. Cada um desses pedaços de detritos também pode impactar outros satélites. Isso poderia levar a um cenário de pior caso em que partes da órbita da Terra se tornam inutilizáveis, conhecido como “síndrome de Kessler”, e popularizado no filme Gravity.

Outra preocupação é que os satélites são muito brilhantes, superando 99% de todos os outros satélites no céu noturno. Por causa disso, os astrônomos relataram que eles satélites estão dificultando sua capacidade de estudar o universo. Os satélites podem aparecer como faixas brilhantes nas imagens do telescópio, arruinando as observações de galáxias e estrelas. Com muitos outros satélites programados para serem lançados, os astrônomos levantaram preocupações sobre o número de satélites que serão visíveis no céu noturno.

De acordo com algumas estimativas, centenas de satélites Starlink podem ser constantemente visíveis no céu noturno de qualquer local da Terra. Isso poderia arruinar a beleza natural do céu noturno e tornar a astronomia muito mais difícil. Atualmente não existem leis ou regulamentos que protejam a estética do céu noturno. Mas algumas pessoas estão procurando mudar isso e potencialmente tomar medidas legais contra a SpaceX.

A SpaceX, por sua vez, diz que está abordando essas preocupações. Em relação às colisões, diz que cada um de seus satélites está equipado com um sistema automatizado para desviar de outros satélites. No entanto, em setembro de 2019, esse sistema falhou, levando a uma aproximação com um satélite científico europeu. A empresa também diz que está tentando tornar os satélites menos brilhantes. Em janeiro de 2020, lançou um satélite Starlink que havia sido revestido com uma tinta escurecida, para tentar diminuir sua refletividade. Os primeiros resultados sugerem que, quando atingiu sua órbita operacional, este satélite parecia mais escuro do que outros satélites Starlink. No entanto, ainda parecia brilhante nos meses que levou para atingir essa órbita.

A empresa também está trabalhando com grupos de astronomia para tentar descobrir maneiras de diminuir o impacto dos satélites Starlink no trabalho dos astrônomos. Elon Musk, no entanto, disse acreditar que haverá “zero” problemas. Até agora, a SpaceX lançou 3% de sua constelação inicial planejada de 12.000 satélites e 0,9% dos potenciais 42.000 satélites que poderia lançar. Existem alguns argumentos de que muitos dos problemas com os satélites deveriam ter sido resolvidos antes que a SpaceX começasse a lançá-los.

No entanto, por enquanto, não há regras ou regulamentos que impeçam a SpaceX de lançar mais e mais satélites Starlink em órbita. Antes do surgimento da pandemia de coronavírus, a empresa planejava lançar cerca de 1.500 satélites Starlink até o final de 2020, colocando seu serviço online primeiro nos EUA e no Canadá. Isso agora pode mudar. Mas, por enquanto, você provavelmente continuará vendo esses trens de satélites no céu noturno. Você pode usar sites como Find Starlink ou esta ferramenta útil para ver quando eles estarão visíveis acima de sua localização.

FONTE: https://forbes.com.br/forbes-tech/2022/07/satelites-da-starlink-sao-confundidos-com-ovnis-e-elon-musk-explica/