nov 01

Robótica alimentada por IA é futuro sem volta no campo

Como a inteligência artificial e a gamificação podem atender uma demanda social: produzir mais, para alimentar mais bocas.

Robert Nickelsberg_Guettyimages
Máquinas e robôs, cada vez mais, irão ajudar o produtor rural no manejo da lavoura

Migel Tissera, cofundador e CTO da Metaspectral, empresa canadense com sede em Vancouver, diz que a tecnologia tem um papel significativo na melhoria da sustentabilidade da agricultura. “A automação do trabalho manual é uma aplicação óbvia, mas também há uma oportunidade significativa na utilização de tecnologias, como análise espectral avançada para agricultura de precisão”, disse Tissera. “Quando os dados espectrais, que contêm informações de todo o espectro eletromagnético, são analisados ​​usando aprendizado profundo, é possível identificar a composição do material do que é capturado nas imagens”.

Tissera diz que, com esses dados, é possível criar modelos ambientais para mapeamento de GEEs (gases do efeito estufa), quantificar o sequestro de carbono, medir os níveis de clorofila, detectar doenças nas culturas e medir o teor de umidade do solo. “Isso possibilita que os agricultores tomem ações hiper-localizadas e direcionadas em suas fazendas, como saber onde colocar nitrogênio, potássio ou fósforo para conseguir o melhor resultado”.

“A principal vantagem de utilizar dados extraídos de observações de satélite é sua escalabilidade”, disse Tissera. “Isso nos permite analisar vastas áreas de terra, o que é complementar a plataformas aéreas como drones, onde esses dados são muito mais localizados”.

Tissera diz que, com dados de observação espacial, eles podem criar modelos que cobrem partes mais extensas da atmosfera, dando uma visão panorâmica da terra.

“Isso torna possível criar modelos de gases de efeito estufa que abrangem províncias e países inteiros”, afirma o executivo. “Ao diminuir o zoom e obter uma visão mais ampla e holística, podemos criar políticas e legislação em nível nacional.”

Mas Tissera também acredita que existem barreiras financeiras para a implantação de algumas tecnologias mais avançadas. “Embora os custos associados às novas tecnologias eventualmente diminuam com o tempo, isso ainda deve, na minha opinião, também ser abordado no nível tributário, onde deve-se conceder incentivos fiscais aos agricultores que adotam novas tecnologias que melhoram os resultados de sustentabilidade”, afirma.

A mais recente pesquisa de tecnologias emergentes da Pitchbook, empresa de dados, publicada em dezembro de 2021, mostra que as startups de agtech arrecadaram US$ 3,2 bilhões (R$ 16,92 bilhões) no terceiro trimestre de 2021. O relatório se baseia fortemente no motivo pelo qual o financiamento aumentou, incluindo a preocupação com a segurança alimentar durante as interrupções da cadeia de suprimentos global, ganhos de produtividade de culturas habilitadas por dados e técnicas agrícolas ecologicamente corretas.

O levantamento também indica o aumento de financiamento apoiado por capital de risco centrado em produtos biológicos agrícolas – alternativas ecologicamente corretas para fertilizantes sintéticos e tecnologias emergentes na forma de sensores em campo e imagens hiperespectrais com drones.

Robótica alimentada por IA
Jonathan Berte, fundador e ex-CEO da Robovision, plataforma de gerenciamento, diz que a sociedade espera mais da agricultura; mais bocas para alimentar, mas com menor impacto no meio ambiente e maior qualidade antecipada dos produtos, mas evitando que os preços subam.

“Para tornar tudo ainda mais desafiador, a escassez de mão de obra está se tornando um fenômeno estrutural. Então, agricultores e produtores precisam fazer as coisas de maneira diferente para se manterem lucrativos, enquanto países desenvolvidos traduzem as expectativas da sociedade em uma regulamentação mais rígida”, disse Berte. “Por exemplo, para atender à crescente necessidade de vegetais saudáveis ​​e usar mais pesticidas não poluentes, robôs de colheita com IA (inteligência artificial) precisarão ser implantados em escala”.

Berte diz que espera ver uma nova onda de automação impulsionada pela robótica alimentada por IA na próxima década. “Esperamos que a horticultura lidere o caminho e a agricultura siga o exemplo; com o manejo e o trabalho na lavoura, os robôs se tornarão normais nos próximos anos”, afirma. “Também esperamos ver sistemas de gerenciamento de fazenda habilitados para IA que permitam a tomada de decisões em nível micro – cada planta individual obtém exatamente a água ou os nutrientes necessários para crescer de maneira ideal”.

Berte acredita que a IA desempenhará um papel crucial na criação de uma agricultura sustentável. “Máquinas inteligentes nos ajudarão a usar menos pesticidas, água e terra para a mesma produção. Além disso, nos ajudará a cultivar os alimentos de que precisamos mais perto de onde os consumidores estão.”

“Eventualmente, teremos robótica alimentada por IA lidando com nossos animais e plantas, e eles serão orientados de maneira ideal por sistemas de gerenciamento de fazendas alimentado por IA que se tornam mais inteligentes ao longo do tempo”, acrescentou Berte.

Para o executivo, empresas e varejistas de processamento de alimentos irão interagir com sistemas de gerenciamento de fazendas, e os sistemas de IA poderão atender a demanda do consumidor e a oferta do agricultor de maneira ideal, diminuindo o desperdício e otimizando a qualidade.

“Então, de muitas maneiras, os sistemas de IA se tornarão uma tecnologia essencial que os ecossistemas agroalimentares precisam para lidar com os principais desafios sociais.”

Uma plataforma ESG gamificada
Derek Lyons, cofundador e CTO da Actual, empresa que processa dados de ESG (Meio Ambiente, Sustentabilidade e Governança), diz que há muita conversa, mas é preciso mais. “Há uma lacuna no mercado entre fazer promessas líquidas zero e executá-las.”

A empresa criou uma plataforma ESG que pode avaliar riscos, identificar pontos quentes de carbono e demonstrar caminhos de execução, como práticas de agricultura regenerativa até o net zero.

A plataforma foi criada com elementos gamificados que lembram o jogo de computador SimCity, com opções de modelagem 3D vívidas e renderizações precisas de projetos por satélite, tornando os planos de ação ESG visuais e interativos.

Lyons diz que sua ferramenta ESG não está focada na coleta de dados, monitoramento e contabilidade, mas nas ações para reduzir as emissões e ajudar as fazendas a traduzir suas metas de sustentabilidade em planos concretos. “Permitimos que as fazendas traduzam a ciência mais recente em mudanças detalhadas de sua área”.

A empresa trabalhou com a plataforma de lã regenerativa (ZQRX), da New Zealand Merino Company, para permitir que 600 fazendas de lã, em cerca de 3,5 milhões de hectares de terras agrícolas da Nova Zelândia, fizessem a transição para a produção líquida de lã zero.

“Trabalhamos com a empresa para identificar ações específicas, hectare por hectare, que poderiam reduzir as emissões nessas fazendas em quase 70%”, disse Lyons. “Essa queda é uma redução de emissões equivalente à substituição de todos os carros a gasolina em São Francisco, por um veículo elétrico”, disse Lyons.

“Essas fazendas fornecem algumas das melhores lãs do mundo para marcas de moda globais como Allbirds, VF Corporation e Loro Piana, que agora têm um caminho para fornecer fibras naturais líquidas zero em uma escala nunca antes alcançada”, disse Lyons.

FONTE: https://forbes.com.br/forbesagro/2022/10/robotica-alimentada-por-ia-e-futuro-sem-volta-no-campo/