abr 23

Renault lança em São Paulo app para compartilhamento de veículos elétricos

Inicialmente, serviço ficará disponível apenas para startups residentes do Cubo Itaú, onde montadora também inaugurou laboratório de inovação

“Nosso negócio não se resume mais em desenvolver, fabricar e comercializar carros, e sim ser uma referência em soluções de mobilidade sustentável”, resumiu Ricardo Gondo, presidente da Renault do Brasil em evento de lançamento do Renault Lab nesta quinta-feira (18), em São Paulo.

Em parceria com o Cubo Itaú, hub de fomento ao empreendedorismo tecnológico, o Renault Lab funcionará como uma unidade de inovação da fabricante de automóveis de mais de 120 anos. Conectada a esse ecossistema de startups, a companhia busca desenvolver novos modelos de negócios e soluções simples para facilitar a mobilidade das pessoas.

Na ocasião, a Renault também apresentou seu novo serviço de carsharing com o carro elétrico Zoe, que será disponibilizado aos mais de mil residentes do Cubo Itaú e aos 300 colaboradores da Renault que trabalham no escritório na capital paulista. O sistema de mobilidade compartilhada e 100% elétrica é acessado por meio da plataforma Joycar, startup baseada no Cubo Itaú, e o carregador utilizado para abastecer o veículo é fornecido no local pela Efacec. O preço especial de lançamento é de R$ 6 por 15 minutos. Com um veículo elétrico à disposição, a expectativa da Renault é ampliar a frota à medida que o serviço seja cada vez mais requisitado.

Por meio da Alliance Ventures, fundo de capital de risco formado destinado a startups e formado em aliança com Nissan e Mitisubishi, a Renault pretende investir em negócios inovadores em estágio mais avançado com base em cinco frentes: carro autônomo, conectividade, energia, enterprise 2.0 e nova mobilidade. De acordo com o vice-presidente da Alliance Ventures, François Dossa, o fundo criado no ano passado já investiu 20 milhões em 11 startups distribuídas por China, França, Israel, Holanda, Estados Unidos e Japão.

“Temos um bilhão para investir nessas empresas e queremos trabalhar com startups brasileiras que vão acelerar nosso time to market, trazer conhecimento em novas tecnologia, proporcionar talentos e reduzir custos”, completou Dossa.

O Renault Lab passa a fazer parte do ambiente de inovação da marca, que já conta com o Creative Lab, na fábrica em São José dos Pinhais, no Paraná, e com o America Digital Hub, em São Paulo.

Mobilidade e desafios

A Renault possui diversos projetos de mobilidade sustentável ao redor do mundo, como o Marcel, serviço de aluguel de veículo elétrico Zoe com motorista, ofertado em Paris. No Brasil, o serviço de car sharing lançado no Cubo Itaú é uma continuidade da prova de conceito realizada no Complexo Ayrton Senna, em São José dos Pinhais, no Paraná.

Desde março, por meio do app Renault Mobility, colaboradores da fábrica paranaense contam com 10 veículos da frota para uso compartilhado. Além disso, a marca tem outra iniciativa de carsharing em parceria com a MRV e com Itaipu.

Líder na venda de veículos 100% elétricos na Europa, um mercado que avançou 45% no ano passado, a Renault comercializa veículos elétricos para empresas e projetos de mobilidade sustentável com os modelos Zoe, Twizy, Kangoo Z.E. e Fluence Z.E.. No país, a marca abrange 20 clientes e parceiros nesses projetos, como Porto Seguro, Fedex, CPFL e Itaipu. No total, já são mais de 200 veículos elétricos Renault em circulação no país.

Desde novembro, o Zoe passou a ser vendido para consumidores finais e já contabiliza 20 unidades rodando nas cidades brasileiras. Segundo Ricardo Gondo, um novo lote de 40 veículos chegará ao Brasil em breve para ser comercializado com preços a partir de R$149.990. O Zoe possui autonomia para rodar 300 km com uma única carga.

“A experiência que vimos na Europa é que as cidades criaram políticas públicas para incentivarem a adoção desses carros, que não são poluentes, mas são mais mais caros”, pontuou Gondo. Nesse contexto, o presidente da Renault destacou o programa Rota 2030, que define regras para a fabricação dos automóveis produzidos e comercializados no Brasil nos próximos 15 anos, aprovado no ano passado pelo governo. As novas medidas reduziram o IPI dos veículos elétricos para 8%. O executivo também citou o projeto do Paraná, o primeiro estado do Brasil a estimular a produção desses veículos por meio da isenção da alíquota de IPVA.

Na semana passada, a Renault assinou um contrato com a operadora de infraestruturas e serviços Ferrovial para lançar um serviço de carsharing em Madrid com 300 veículos. A perspectiva é que a oferta seja expandida para mais dez cidades ao redor do mundo. De acordo com François Dossa, Alliance Ventures, a ideia é que São Paulo seja incluída dentre as localidades, contudo, a implantação de um projeto de carsharing com grande escala depende de um ecossistema que envolva fabricantes, empresas de infraestrutura e tecnologia e, especialmente, as prefeituras. “O avanço desse projeto depende de uma decisão em conjunto entre as diversas partes”, afirmou.

Enquanto assistimos regiões mais modernas, como Europa, a saírem na frente, ainda não há certeza de quando o Brasil entrará definitivamente para o mapa da mobilidade sustentável e compartilhada. Mas uma coisa é certa, como vislumbra Dossa: “a mobilidade vai aumentar, o formato do veículo vai mudar e a Renault vai se adequar a essa nova demanda. Possuir um carro já não é mais importante para um jovem da nova geração. Será muito mais um serviço que vamos vender do que um produto”.

FONTE: ITMIDIACOM