nov 04

Reconhecimento emocional é a nova tecnologia para antecipar crimes na China

Sistemas com inteligência artificial capazes de identificar emoções como estresse, agressividade e nervosismo estão sendo instalados para o monitoramento de aeroportos e estações de trem

Durante o maior evento de tecnologia para segurança na China, que ocorreu em Shenzhen na semana passada, reconhecimento emocional foi a novidade mais citada por expositores e participantes. Segundo o Financial Times, sistemas com inteligência artificial capazes de identificar emoções como estresse, agressividade e nervosismo já estão sendo implementados no monitoramento em aeroportos e estações de trem da cidade de Xinjiang, no oeste do país.

A China já é o país mais vigiado do planeta, tanto em quantidade de câmeras inteligentes quanto nas diferentes tecnologias adotadas para este fim. Um estudo da Comparitech revelou que oito das dez cidades mais monitoradas do mundo ficam na China, sendo que Chongqing lidera a lista, com 168 câmeras a cada mil cidadãos.  Os sistemas de inteligência artificial utilizados no país reconhecem indivíduos pela face e maneira de andar e têm a capacidade de monitorar inclusive o olhar das pessoas.

No entanto, o reconhecimento emocional é uma tecnologia ainda mais polêmica, pois trata da previsão de crimes – algo que a justiça ocidental costuma rejeitar. “Usando imagens de vídeo, a tecnologia de reconhecimento de emoções pode identificar rapidamente suspeitos de crimes, analisando os comportamentos das pessoas, incluindo terrorismo e contrabando”, afirma Li Xiaoyu, representante do departamento de segurança de Xinjiang. Hoje, os equipamentos com reconhecimento emocional estão concentrados nas áreas de alfândega e imigração.

“Trabalhamos com diversas empresas em Xinjiang, incluindo Hikvision, Uniview, Dahua e Tiandy. Somente as empresas com inteligência artificial robusta podem realmente ter sucesso nesse campo e, é claro, as duas maiores são Alibaba e Tencent”, afirma Li.

Embora ainda sem uso prático, grandes empresas de tecnologia dos EUA também estão desenvolvendo softwares de reconhecimento emocional. São os casos de Google, Microsoft e Amazon, por exemplo. No entanto, a reportagem do Financial Times destaca que esta aplicação da inteligência artificial ainda está em fases iniciais e só deve ser usada comercialmente dentro de três a cinco anos.

FONTE: STARTSE