abr 27

Projeto transforma excedentes de cereais em novos produtos para consumo humano e animal

Todos os anos, toneladas de resíduos de cereais são desperdiçados ou tratados para que possam ser canalizados para a alimentação animal.

Todos os anos, toneladas de resíduos de cereais são desperdiçados ou tratados para que possam ser canalizados para a alimentação animal. Esta situação pode mudar depois dos resultados do projeto Co-CerealValue, que permitiu transformar estes resíduos em novos produtos para a alimentação humana com alto valor nutricional. O Co-CerealValue é um projeto 100% português que resulta de um consórcio entre os Silos de Leixões (entidade que lidera o projeto) e a empresa Germen, responsável pela moagem dos cereais, em parceria com a Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica no Porto e o Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial (INEGI). Os resultados do projeto serão apresentados a 27 de abril, a partir das 9h30, no Auditório Carvalho Guerra, na Universidade Católica no Porto.

O défice na produção de cereais é um fator crónico em Portugal. A volatilidade dos preços, a livre circulação de mercadorias e a especialização de produções a nível global criaram elevados riscos de interdependência. Em paralelo, o sector agro-alimentar é fortemente afetado pela pressão exercida pelos custos de disposição de resíduos, regulações ambientais e preocupações sobre a degradação ambiental. As empresas têm que inovar nos seus processos de forma a aplicar o conceito de Economia Circular e, por isso, necessitam de rever as suas estratégias e definir políticas que estabeleçam relações benéficas entre as empresas integrantes de um ecossistema industrial. Assim, a sustentabilidade do sector pode ser alcançada através do aproveitamento e valorização dos desperdícios das atividades de outra empresa, criando assim uma relação sinérgica e mentora do desperdício zero.

Neste enquadramento o projeto Co-CerealValue permitiu desenvolver produtos inovadores para a alimentação humana (Food), ricos em fibras, proteínas e antioxidantes, e animal (Feed) a partir da valorização de subprodutos do processamento e armazenamento de cereais, mas também desenvolver um smart-object que monitoriza a cadeia de valor, permitindo o controlo da qualidade da matéria-prima durante todo o transporte (desde o porto de origem ao destino final), garantindo a sua segurança e integridade durante todo o processo.

“O sector dos cereais gera uma grande quantidade de subprodutos”

“O sector dos cereais gera uma grande quantidade de subprodutos, que ainda mantêm na sua composição um manancial de nutrientes e compostos bioativos, que bem geridos podem voltar a ter valor acrescentado e contribuir com benefícios económicos e ambientais para os produtores/processadores e benefícios de saúde para o consumidor,” esclarece Manuela Pintado, investigadora e diretora do Centro de Biotecnologia e Química Fina (CBQF) da Universidade Católica Portuguesa no Porto. “O reaproveitamento destes sub-produtos foi uma mais-valia significativa pois permitiu enriquecer a alimentação humana com ingredientes nutritivos que podem trazer benefícios para a saúde, e que são provenientes de fontes naturais,” acrescenta Ana Maria Gomes, também investigadora do Centro de Biotecnologia e Química Fina (CBQF).

Ema Dias, responsável de Qualidade e I+D da GERMEN – Moagem de Cereais S.A, acrescenta que “a transformação de cereais em farinhas gera anualmente cerca de 20 mil toneladas de subprodutos de grande valor nutricional e que são encaminhados atualmente para a alimentação animal. Estamos a falar do gérmen e sêmea de trigo que contribuem com dois nutrientes fundamentais para a alimentação humana: a fibra e a proteína. O Co-CerealValue permitiu valorizar esses subprodutos, desenvolvendo produtos ou formulados funcionais com alegações únicas de mercado,” acrescentando “reunimos num só produto a proteína e a fibra, sem adição de açúcares, que podem ser aplicados em cereais de pequeno-almoço, barras energéticas, granola, entre outros”.

Nuno Fernandes, diretor-geral da Silos de Leixões, explica que “o projecto Co-CerealValue foi desenvolvido para potenciar o hub existente, beneficiando já das sinergias e capacidade instalada, e permitiu que fosse desenvolvido um smart sensor em resposta à necessidade de controlar a temperatura dos agro-alimentares em instalações que não disponham de controlo termométrico.” Utilizando as suas competências na área da Indústria 4.0, uma equipa de investigação do INEGI desenvolveu o smart-object capaz de fazer a medição contínua da temperatura de cereais e farinhas armazenados em grandes silos. As medições são transmitidas através de um protocolo sem fios para um servidor central, integrado com um sistema monitorização logística.

“Com este sensor, é possível identificar e prevenir contaminações e outros problemas no interior do volume de cereal armazenado, em zonas até hoje inacessíveis, melhorando a rastreabilidade e reduzindo o desperdício alimentar” explica António Baptista, investigador coordenador do INEGI. Foi ainda desenvolvida uma abordagem inovadora, em colaboração com a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) e Universidade de Cambridge, denominada de SymbioSPOTS, para a avaliação de Simbioses Industriais complexas, incluindo as sinergias logísticas. Esta abordagem alia o mapeamento de excedentes com a avaliação do seu potencial de valorização económica e redução sustentada de impactos ambientais

FONTE: https://www.impala.pt/noticias/portugal-e-o-mundo/projeto-transforma-excedentes-de-cereais-em-novos-produtos-para-consumo-humano-e-animal/