jun 03

Por que Chicago se tornou um berço de agtechs

Cidade norte-americana atrai investimentos bilionários em inovação contínua no ecossistema de alimentos.

Gettyimages
Indústria de processamento de alimentos e bebidas de Chicago é a maior dos EUA,

Chicago é líder em inovação alimentar e agrícola. De startups de alto nível a líderes estabelecidos do setor, a cidade está preparada para a inovação contínua no ecossistema de alimentos, conforme demonstrado no Future-of-Food Chicago Venture Summit, evento realizado na quarta e quinta-feira da semana passada.

A indústria de processamento de alimentos e bebidas de Chicago é a maior dos EUA, gerando US$ 9,4 bilhões (R$ 45,11 bilhões) anualmente em produção e empregando mais de 65.000 pessoas, de acordo com o Chicago Business Bulletin divulgado recentemente pelo Centro de Pesquisa do World Business Chicago.

Além disso, as startups de inovação alimentar de Chicago levantaram US$ 723 milhões (R$ 3,4 bilhões) em capital de risco em 2021, o que representa um aumento de 508% em relação a 2019. No primeiro trimestre deste ano, as empresas já levantaram US$ 111 milhões (R$ 532,7 milhões) em capital de risco – e o ano está longe de terminar. A força desse setor reforça ainda mais a posição da cidade como um dos três principais polos de inovação do país.

A indústria tem visto um crescimento acelerado e inovação com novos produtos, processos e serviços para atender às necessidades em constante mudança dos consumidores. Como centro nacional de inovação alimentar, Chicago tem mais de 2.800 empresas em seu ecossistema. Dentro desse ecossistema está uma rede de startups locais, incubadoras, investidores e corporações estabelecidas, como McDonald’s, Mondelez, ADM, Congra e Kraft Heinz – para citar algumas sediadas na cidade.

Usando fermentação microbiana, a Aqua Cultured Foods desenvolveu as primeiras alternativas de frutos do mar com qualidade de sushi a partir de corte de músculo inteiro. Seus produtos são ricos em proteínas e fibras, livres dos 10 principais alérgenos, livres de antibióticos, veganos, não transgênicos e possuem uma fração das calorias dos frutos do mar tradicionais. As cofundadoras Anne Palermo e Brittany Chibe arrecadaram US$ 2,1 milhões (R$ 10 milhões) no final de 2021. Na conferência, Anne compartilhou como a empresa desenvolveu fórmulas para atum, peixe branco, lula e camarão.

Feita com ingredientes e sabores exclusivos de dezessete países da África Ocidental, a AYO Foods é uma marca de soluções de refeições premium que oferece pratos artesanais da África Ocidental. Os cofundadores Perteet Spencer e Fred Spencer criaram o negócio de alimentos congelados para trazer produtos étnicos autênticos para o setor de congelados. Apenas um ano após o lançamento, a AYO Foods alcançou um aumento de 80 vezes na distribuição e viu uma expansão nacional no ano passado em varejistas como Kroger, Whole Foods e Safeway.

Como uma startup local criada na Universidade de Chicago, a BiomeSense está transformando a capacidade de entender e alavancar o microbioma humano para uma saúde melhor. Os cofundadores Kevin Honaker e Jack Gilbert começaram a desenvolver um novo biossensor e plataforma de análise para rastreamento diário do microbioma intestinal. O pioneiro sistema de laboratório automatizado GutLab da BiomeSense e a plataforma de bioinformática MetaBiome são a primeira solução a fornecer rastreamento e análise contínuos em casa do microbioma.

Com a missão de libertar o mundo do uso único, a Kadeya oferece soluções sustentáveis ​​que são convenientes e facilmente adotáveis, reimaginando toda a cadeia de suprimentos de garrafas de água. Kadeya é um serviço de venda automática de água em circuito fechado alimentado por garrafas de água reutilizáveis ​​conectadas digitalmente e miniestações de engarrafamento.

A empresa fornece água de qualidade e de baixo custo que reduz as pegadas de carbono e digitaliza o consumo de água para os usuários. Recentemente, a CEO e fundadora Manuela Zoinsein foi destaque na lista “100 Rising Latinx Founders to Watch List” da Inicio Ventures, que apresenta inspiradores latinos baseados nos EUA e que estão fazendo diferença significativa no mercado.

Co-fundada por Thomas Jonas e Matthew Stronginm, a Nature’s Fynd – um unicórnio baseado em Chicago – descobriu uma tecnologia de fermentação inovadora. A empresa criou o Fy, uma proteína nutricional à base de fungos de um micróbio com origem nas fontes geotérmicas do Parque Nacional de Yellowstone. A proteína Fy é transformada em produtos que estão disponíveis em mercearias selecionadas. No mês passado, a Nature’s Fynd recebeu US$ 4,7 milhões (R$ 22,5 milhões) em financiamento da fundação Bill e Melinda Gates para expandir seu produto tecnológico para proteínas alternativas em países de renda média baixa.

À medida que os restaurantes enfrentavam novos desafios devido à pandemia, os cofundadores Andy Freivogel, Luisa Castellanos e Ken Tsang criaram a Science On Call para fornecer suporte técnico 24 horas por dia, 7 dias por semana aos restaurantes. Como uma plataforma de suporte técnico baseada em assinatura para restaurantes, o Science On Call ajuda com pontos de venda, internet, Wi-Fi, pedidos on-line, e-mail, telefones, entre outros.

Notavelmente, essa startup foi uma empresa do portfólio “Techstars Farm to Fork Accelerator” em 2021, e foi apoiada pela Food Foundry em 2020. A Science on Call levantou US$ 1,6 milhão (R$ 7,7 milhões) em financiamento pré-seed em fevereiro passado, demonstrando o impulso das startups de alimentos em estágio inicial em Chicago.

Depois de criar o PeaPod e o ItemMaster, os cofundadores Andrew Parkinson e Thomas Parkinson usaram seus 30 anos de experiência em mercearia para criar o Sifter, a plataforma líder do setor em Naas (Nutrição como Serviço ). Durante a conferência, a Sifter anunciou sua rodada de financiamento de US$ 5 milhões (R$ 24 milhões). O financiamento ajudará a acelerar o crescimento de sua plataforma Naas e lançará suas Sifter Retailer Solutions. A tecnologia revolucionária da empresa, os dados dietéticos em conformidade com as regulamentações e o conjunto de soluções personalizadas permitem que os supermercados capacitem os consumidores a navegar com sucesso em suas jornadas pessoais de nutrição e bem-estar.

A Planting Hope Company Inc. desenvolve, lança e dimensiona marcas exclusivamente inovadoras de alimentos e bebidas à base de plantas. Fundada pelos experientes empresários da indústria alimentícia Julia Stamberger e James Curley, a Planting Hope é uma empresa gerida e liderada por mulheres. A empresa de Chicago abriu seu capital na Bolsa de Valores de Toronto. Notavelmente, em abril passado, a Planting Hope também anunciou uma grande expansão nos principais varejistas de supermercados dos EUA.

Por último, mas não menos importante, a Vital Proteins é líder de mercado em colágeno nos Estados Unidos e uma plataforma líder de estilo de vida e bem-estar que oferece suplementos, bebidas e produtos alimentícios. Fundada em Chicago, a empresa foi criada para fornecer produtos de colágeno premium para todos os tipos de estilo de vida e fornecer ferramentas para uma rotina de bem-estar.

Durante o evento da semana passada, o CEO Tracey Warner compartilhou sobre os pivôs que a empresa fez e como se tornou o negócio de sucesso que é hoje. Notavelmente, a Nestlé Health Science, uma unidade de negócios da Nestlé SA, concluiu recentemente a aquisição da Vital Proteins.

O ecossistema alimentar de Chicago é profundo e amplo, com algumas das principais corporações, investidores, centros de inovação e startups em rápido crescimento. Juntos, eles estão impulsionando a inovação alimentar para um futuro melhor para todos.

FONTE: https://forbes.com.br/forbesagro/2022/06/por-que-chicago-se-tornou-um-berco-de-agtechs/