mar 13

Plataforma digital promete gerar redução de custos na construção civil

Enfim a Big Data chegou no ramo da construção civil. Um dos maiores setores do planeta, responsável pela geração de milhares de empregos, a tecnologia na construção vem evoluindo, em busca de mais eficiência e produtividade nas atividades, permitindo o uso racional da mão de obra com a gestão, em todas as fases do projeto.

E pensando em inovar e simplificar processos, unindo a organização de dados com a inteligência artificial, surgiu a Celere. A startup foi criada para funcionar como um escritório de engenharia compartilhado, atuando em pequenas, médias e grandes empresas, e fornece soluções desde estudos de viabilidade até a entrega da obra, auxiliando no gerenciamento da construção de empreendimentos.

Fundada em 2015, a Celere desenvolveu a metodologia Budget Analytics (B.A.), uma ferramenta rápida e precisa que proporciona a análise detalhada de cada item do empreendimento, com todas as informações contidas dos projetos, a partir do uso de tecnologias que fazem a estruturação e o tratamento de dados. Inclusive, é possível criação de novos cenários, através da alteração de diversas especificações do projeto, tornando-a a ferramenta ainda mais eficiente e competitiva.

O B.A também fornece o custo por metro quadrado de cada ambiente da obra, sendo possível uma análise de viabilidade do projeto, oferecendo às construtoras um melhor acesso às informações, dados de performance em tempo real, aumento na produtividade e na qualidade das informações para tomada de decisões. “É possível, através da metodologia, reduzir o custo da construção em mais R$ 100 o metro quadrado, ou seja, até 5% do valor total da obra”, explica Raphael Chelin, sócio co-fundador da Celere.

Com experiência adquirida em grandes construtoras, os idealizadores da startup, os engenheiros civis Raphael Chelin, Carlos Eduardo Roginski e Bruna Bergamo, já atuaram em mais de 90 obras, estudos e propostas em mais de 10 países. “No início, os trabalhos da Celere eram realizados no meu quarto, em São Paulo. Após um ano, a empresa foi transferida para um coworking, na zona oeste da capital paulista e em seguida para o escritório que comportasse toda nossa equipe onde o seu crescimento foi impulsionado e não parou mais de inovar”, conta Chelin.

“A indústria de construção vem sendo impulsionada por ondas de inovações voltadas à compartilhar e armazenar informações. Na primeira onda, tivemos o surgimento e a expansão de ferramentas como BIM, ERPs e sistemas especialistas. A próxima onda estará relacionada à utilização estratégica da enorme quantidade de informações que temos acesso hoje”, afirma o engenheiro.

Investimento

Em 2019, a Celere recebeu um investimento em torno de R$ 400 mil, acelerando o processo de suas atividades e os estudos em inteligência artificial, oferecendo uma plataforma mais completa, com qualidade e que gere ainda mais economia para seus clientes. “A Celere é uma ponte para pequenas e médias construtoras realizarem obras mais eficientes para acelerar o crescimento”, afirma Carlos Eduardo Roginski, engenheiro e sócio da Celere. Até o momento, a startup já realizou mais de 50 projetos, em diversas partes do país.

“O setor da construção civil é muito tradicional e tem algumas particularidades. É mais difícil padronizar os serviços. Ainda é muito artesanal e em outros países está mais desenvolvido, por isso, é importante unir o processamento de dados com a inteligência artificial, deixando o processo mais preciso e que podem ser mudados a qualquer momento, fornecendo dados reais, que impactam diretamente na obra”, complementa Roginski.

FONTE: TI