jul 19

Partida entre Goiás e Atlético-MG contou com sistema de reconhecimento facial

A Serrinha foi o primeiro estádio a adotar o sistema de reconhecimento facial em todas entradas.

Goiás e Atlético-MG se enfrentaram no estádio Hailé Pinheiro, a Serrinha, na última segunda (18). Ambos os times contaram com inovações tecnológicas para oferecer segurança e agilidade para os torcedores no acesso às partidas.

O Esmeraldino foi pioneiro na implementação do reconhecimento facial em toda a América do Sul. A Serrinha colocou a tecnologia em prática em outubro do ano passado e apresenta o posto de ser o primeiro estádio do Brasil a usar o método para 100% do público presente.

“Para o Goiás, a prioridade número um é a segurança de seus torcedores. Por conta disso, implementamos a biometria facial no ano anterior. Nesta temporada, utilizamos em todos os nosso jogos no estádio Hailé Pinheiro. Observamos que esse método leva muito mais tranquilidade para os apoiadores irem às partidas com suas famílias”, afirma Paulo Rogério Pinheiro.

A Arena MRV, nova casa do Atlético-MG, é planejada para ser a mais tecnológica da América Latina. Inaugurado no último domingo (16), o estádio conta com equipamentos, internet de ponta e um “super aplicativo” para a utilidade dos torcedores. O monumento recém-inaugurado conta com a tecnologia da Imply de reconhecimento facial para controle de acesso.

Tironi Paz Ortiz, CEO da Imply, empresa que está presente em diversos palcos tradicionais do futebol brasileiro, como Arena do Grêmio, Beira-Rio, Maracanã, Arena da Baixada, Arena das Dunas e Arena Fonte Nova, comenta sobre a tecnologia que possibilita que a torcida tenha uma experiência segura e sem desconfortos nos acessos às arquibancadas.

“Nosso foco é oferecer agilidade, facilidade e segurança para todos os fãs que frequentam os estádios em que possuímos parcerias. Iremos integrar os 18 portões de acesso ao estádio por meio do uso de tecnologia de última geração para altos fluxos de tráfego. Com o controle de acessos desenvolvido pela Imply, a Arena MRV apresenta grande modernidade e inovação”, afirma Tironi Paz Ortiz.

Em campo, as duas equipes produziram muito pouco e empataram sem gols. O Verdão teve mais volume de jogo, mas não foi o suficiente para fazer gols. Já o Galo teve uma atuação apática e quase não levou perigo ao adversário.

FONTE:

https://www.terra.com.br/esportes/futebol/partida-entre-goias-e-atletico-mg-contou-com-sistema-de-reconhecimento-facial,342a42c6b470bb622b4f1a70c8fa6728c5s8xk84.html