set 04

Ônibus autônomo produzido em impressora 3D é desenvolvido por startup

Deixando um pouco de lado a forma tradicional de fabricar veículos, naquelas grandes fábricas, a Local Motors está se dedicando desde 2007 à criação de veículos elétricos desenvolvidos através de impressoras 3D.

Durante vários anos, alguns testes foram realizados até a criação, em 2016, do Strati, o primeiro carro fabricado com a ajuda de uma impressora 3D.

Ao todo, 44 horas foram necessárias para a impressão do veículo, sem contar os assentos, as rodas e o motor. Tudo isso aconteceu durante uma conferência nos Estados Unidos.

Ainda em 2016, a Local Motors desenvolveu um ônibus elétrico também produzido através da impressão 3D. O ônibus passou a ser chamado de Olli e foi testado em Maryland, nos Estados Unidos.

A grande novidade é que neste ano (2019), a startup mostrou a versão atualizada da sua antiga criação: o Olli 2.0. Com uma carga completa – que leva duas horas para carregar –, o novo ônibus pode percorrer até 160 km, é autônomo e, além disso, tem a capacidade de transportar no máximo 10 pessoas.

Outro diferencial é que ele possui sensores 360º e um computador de bordo. Além disso, o Olli 2.0 também é equipado com o sistema IBM Watson IoT, responsável por analisar dados em tempo real com o objetivo de interagir com os pilotos e, dessa forma, realizar as melhores escolhas durante um determinado trajeto.

De acordo com a Local Motors, a versão atualizada do Olli pode ser personalizada de diferentes maneiras. Se for utilizado por um hospital, é possível retirar alguns bancos para o transporte do paciente, por exemplo.

O principal objetivo da startup é que no futuro o ônibus seja implantado em cidades a fim de solucionar problemas de acessibilidade, poluição e congestionamento.

Para que isso funcione, a empresa desenvolveu também um aplicativo capaz de se conectar ao veículo. Através dele, as pessoas conseguem reservar uma viagem com o ônibus mais próximo, além de realizar o pagamento.

A previsão é que as entregas do Olli 2.0, que começou a ser desenvolvido em julho, aconteçam a partir do quarto trimestre deste ano.

FONTE: NOVA ERA ONLINE