jun 22

O promissor vendedor chamado IoT

Baseado no preceito, segundo o qual, quanto mais fácil o ato da compra maiores as vendas, varejo esfrega as mãos para as possibilidades a serem trazidas pela Internet das Coisas

Imagine postos de combustíveis onde os próprios carros debitem a conta corrente ou o cartão de crédito, sem que o motorista sequer faça um gesto; prateleiras e carrinhos de supermercado capazes de calcular e fazer o débito das compras; e ainda, imóveis pagando contas de água, luz e gás, ao saber quanto a família consumiu ao longo do mês.

Se hoje há quem prefira determinadas lojas em função da rapidez como trafega pelos seus estoques, via internet, e conta com a entrega igualmente ágil daquilo que resolve comprar, o que pensar de fornecedores hábeis também em usar a IoT, sigla que exprime a chamada Internet das Coisas?

Estudos sobre o potencial de vendas a ser assumido por recursos assim são feitos já há algum tempo no mercado norte-americano, onde certas constatações aguçaram o interesse dos varejistas locais em fazer os gadgets do consumidor interagirem cada vez mais com os meios de pagamentos, ambos setores em claro processo de evolução mundo afora.

Dentre esses dados, a existência de mais de 20 bilhões de dispositivos conectados à internet, estando ao menos 4 modalidades deles em poder de um consumidor médio, para o qual smartphone, relógio igualmente inteligente, assistentes controlados por voz e óculos de realidade virtual são cada vez mais rotineiros.

Com esse reforço em sua capacidade de comprar e pagar sem enfrentar filas – agora sequer indicando por qual meio acertará a conta, tampouco digitando senhas – as pessoas tendem a ter aumentada sua disposição de comprar.

No entanto, apressar mais este passo rumo ao futuro do mundo financeiro vai depender de investimentos consideráveis por parte dos players do varejo interessados em ter na IoT, seu mais novo e promissor facilitador de vendas.

E claro, para que este sonho tão cobiçado não assuma ares de pesadelo, o aspecto segurança deverá ser prioritário em toda essa movimentação.

FONTE: https://infocredi360.com.br/exclusivos/o-promissor-vendedor-chamado-iot