abr 09

O mercado gigante das coisas muito pequenas

O prefixo NANO tem origem na palavra grega nanos (que significa “anão”) e se refere à bilionésima parte de uma unidade de medida – um nanômetro mede portanto um bilionésimo de metro. No mercado de nanotecnologia, no entanto, a conta é feita em grandes números e suas principais áreas de aplicação – eletrônicos, energia e biomedicina – aceleraram desde 2020.

A ReportLinker, empresa especializada em curadoria de relatórios e pesquisas de mercado, fez um apanhado das pesquisas mais recentes sobre o tema, pós-COVID-19, apontando que o mercado global de nanotecnologia e nanomateriais revisou para cima seus números e vai crescer de US$ 54,2 bilhões em 2020 para US$ 126,8 bilhões em 2027, mais que dobrando de tamanho, a uma taxa composta anual de crescimento (CAGR) de 12,9% no período.

Os nanomateriais – materiais em nanoescala (1 a 100 nanômetros) cujas propriedades, como condutividade, cor e dureza mecânica, mudam devido às suas dimensões – vão representar em 2027 mais de 2/3 desse mercado, ou US$ 107,4 bilhões. Um exemplo de nanomaterial é o grafeno, uma folha de carbono que tem a espessura de um átomo.

Aqui é importante entender a diferença: os nanomateriais (nanopartículas, nanofios, nanotubos e nanoplacas) são os componentes usados pela nanotecnologia na fabricação de nanodispositivos, no aprimoramento de outros materiais (como adição de nanopartículas a tecidos para torná-los resistentes a vírus, por exemplo) ou como nanosensores para detecção de doenças ou sinais do ambiente.

A nanotecnologia ajuda a aprimorar produtos em uma variedade de áreas e está sendo utilizada nas indústrias automotiva, eletrônica e de informática, e em produtos domésticos, têxteis, cosméticos – já existem mais de 800 produtos no mercado que utilizam nanotecnologia.

Nos Estados Unidos, a National Nanotechnology Initiative (NNI) estima que existam mais de 20 mil pesquisadores no segmento. A NNI é uma iniciativa de R&D envolvendo 20 diferentes departamentos do governo norte-americano e desde 2001 já captou investimentos de US$ 25 bilhões.

Uma coleção de infográficos para entender melhor sobre nanotecnologia e seus impactos na economia;

Como a nanotecnologia impacta a pesquisa e o combate à COVID-19 é o tema desse webinar da Nature;

Um curativo adesivo smart, enriquecido com nanotubos de carbono, pode detectar em tempo real se uma ferida está infeccionando e transformar a vida de diabéticos;

Cientistas do MIT estão usando machine learning e big data para analisar milhões de combinações de nanopartículas e drogas contra diferentes doenças e encontrar as que interagem melhor com a farmacocinética (a reação do corpo ao medicamento) de cada pessoa, para atingir o máximo de efetividade;

Pesquisadores da Penn State University inventaram um método para fabricar nanoestruturas em 3-D capazes de mudar sua forma, utilizando uma técnica de corte e dobradura similar ao kirigami japonês;

FONTE: https://theshift.info/