set 14

Nubank junta forças com Creditas e vai virar seu acionista

A Creditas vai oferecer seus produtos para uma parte da base de 40 milhões de clientes do Nubank. O banco digital, por sua vez, poderá comprar até 7,7% da startup. Saiba os detalhes com exclusividade no NeoFeed

Em 2012, logo que a Creditas foi criada, o espanhol Sergio Furio, dono e CEO da startup foi se encontrar com o representante do Sequoia no Brasil. Furio queria convencer o homem que tinha o cheque de um dos principais fundos de venture capital do Vale do Silício a apostar na Creditas.

Na época, não deu em nada e o representante do Sequoia, um colombiano chamado David Vélez, acabou captando dinheiro para a sua própria ideia. Era um tal de Nubank, que disruptaria o mercado de cartões de crédito e hoje é o maior banco digital do mundo. A história, contada por Furio, ao NeoFeed, agora ganha novos contornos.

Quase dez anos depois do primeiro encontro entre os dois, eles, enfim, farão um grande negócio. A Creditas, avaliada em US$ 1,75 bilhão, inicia hoje uma parceria com o Nubank, avaliado em US$ 30 bilhões. Mais do que isso: o Nubank deverá se tornar sócio da Creditas, comprando até 7,7% das ações da startup de Furio em até dois anos.

“São empresas parecidas e, ao mesmo tempo, opostas”, diz Furio com exclusividade ao NeoFeed. “O Nubank é um banco do dia a dia e a Creditas trabalha em outro segmento, com um tíquete mais alto. Caminhamos de formas diferentes, mas conquistando mercado”, diz ele. Agora, vão unir forças.

Todos os produtos da Creditas, focada em crédito com garantia de imóvel, de carro e consignado, serão oferecidos para uma parte dos 40 milhões de clientes do Nubank. Além disso, o banco digital vai fornecer funding para a Creditas, hoje com uma carteira de R$ 2,8 bilhões.

“Serão investimentos direcionados para aumentar a escala dos negócios da Creditas, inclusive para sustentar a demanda dos próprios clientes do Nubank”, diz Cristina Junqueira, cofundadora e CEO do Nubank, ao NeoFeed.

A ideia da parceria surgiu no início do ano, quando Furio foi tomar um café com Vélez. O espanhol tinha o plano de criar um banco digital para poder escalar, mas tinha a preocupação de ser mais um entre tantos outros que operam no mercado. “E somos mais especializados em lidar com os ativos dos clientes”, diz ele.

Da conversa inicial até hoje, foram seis meses de análise e mais dois meses de execução interna. Os produtos deverão estar disponíveis para os clientes do Nubank no último trimestre deste ano. E a expectativa é grande. “Sempre nos questionaram sobre a competição com os grandes bancos, que têm milhões de clientes”, diz Furio.

Com a parceria, que traz dezenas de milhões de potenciais clientes, a Creditas responde a essa pergunta. Outro ponto que une as duas fintechs é que ambas têm operações internacionais no México. “Mas, por enquanto, a parceria engloba as operações apenas no Brasil”, diz Junqueira.

A possibilidade de o Nubank ter equity surgiu da necessidade de ter um maior comprometimento entre as duas empresas. O Nubank vai ganhar uma porcentagem sobre a originação dos negócios, mas, ao ter uma participação acionária na Creditas, as chances de o negócio crescer ainda mais aumentam. “É para deixar um ‘fit’ mais alto”, diz Furio.

O que facilita também a entrada do Nubank no cap table da Creditas é que as duas startups têm muitos investidores em comum. Entre eles, estão Kaszek, QED, Capital One, Advent e Redpoint.

A Creditas tem crescido aceleradamente desde 2019. “De lá para cá, nossa receita saltou 11 vezes”, diz Furio. A companhia passou a financiar reformas residenciais, entrou com força no mercado de carros com a Creditas Auto, comprou a Volanty e investiu na empresa de motos elétricas Voltz.

Indagado sobre os próximos passos, como entrar em financiamento imobiliário, Furio diz que está sempre analisando oportunidades. Junqueira, do Nubank, diz o mesmo. E a parceria vem também em um momento muito importante para o banco.

O Nubank se prepara para abrir capital na Nasdaq e busca uma capitalização bilionária, aos moldes das big techs americanas. Nos últimos tempos, foi encorpando sua operação.

A fintech comprou a Easynvest, trouxe executivos internacionais ao seu management, tem avançado sobre startups de pagamento e, recentemente, anunciou a cantora Anitta no seu board. A parceria – e a entrada como investidora na Creditas – é mais uma cerejinha nesse bolo.

FONTE: https://neofeed.com.br/blog/home/nubank-junta-forcas-com-creditas-e-vai-virar-seu-acionista/