mar 08

Nokia pode estar preparando smartphone gamer

A HMD Global, empresa finlandesa detentora dos direitos sobre a marca Nokia o mercado de celulares, pode estar prestes a lançar um smartphone gamer.

Segundo o site Nokia Power User, o aparelho se chamaria Nokia G10 (modelo TA-1334) e seria um derivado do Nokia 5.4, um intermediário que foi lançado em dezembro passado.

Segundo rumores, o Nokia 5.4 seria a “base” para o Nokia G10, modelo gamer. Imagem: Nokia

É uma escolha curiosa, já que o modelo carece de características apreciadas pelos gamers como um processador mais poderoso (como os da série “G” da Qualcomm, otimizados para jogos), telas com alta frequência de atualização (120 Hz) ou carregamento verdadeiramente rápido, com suporte a carregadores com mais do que apenas 10 Watts como no modelo atual.

Resta aguardar para saber se o aparelho será gamer “só no nome” ou se a Nokia fará o esforço e mudanças necessárias para oferecer o que esse público realmente deseja. Como está, o 5.4 não teria a menor chance contra concorrentes como a série ROG, da ASUS, ou o novo Lenovo Legion Phone Duel.

O nome G10 também marcaria o início uma nova nomenclatura para os aparelhos da Nokia. Atualmente a empresa usa na maioria dos modelos um esquema numérico composto pela série + geração. Por exemplo, um Nokia 5.1 (de 2018) é um modelo da primeira geração da série 5, e um 5.4 (de 2020) é a quarta geração.

Um tuíte no perfil @nokibar, que se identifica como o “maior fórum sobre aparelhos Nokia/Microsoft na China” sugere que em vez de nomes baseados em séries bem definidas a fabricante passará a usar uma nomenclatura com mais “nuances”, mas sem entrar em muitos detalhes.

Legado do N-Gage

Vale lembrar que a “velha” Nokia já investiu no segmento gamer em algumas ocasiões. Em 2003 a empresa identificou, corretamente, que os smartphones teriam o potencial para superar os consoles dedicados no mercado de videogames portáteis.

Por isso, decidiu se adiantar e desenvolver um smartphone “sob medida” para jogos, incorporando também alguns recursos para atrair um público jovem, como Rádio FM e Media Player. O resultado foi o Nokia N-Gage.

 Embora a ideia estivesse à frente de seu tempo, a execução deixou muito a desejar. A impressão é que os engenheiros da Nokia nunca haviam chegado perto de um Gameboy Advance (o portátil mais popular da época) ou, se chegaram, decidiram fazer tudo exatamente ao contrário numa tentativa de diferenciar seu aparelho do modelo da Nintendo.

A tela é menor (2,1 polegadas, contra 2,9 no GBA) e na proporção errada, vertical em vez de horizontal, o que a torna horrível para jogos de plataforma como Sonic N.

O direcional e os 21 botões na face (sim, 21!) são duros. Para trocar de jogos, distribuídos em cartões SD, é necessário abrir a tampa traseira do aparelho. Tente fazer isso dentro de um ônibus no caminho de casa.

 Estas falhas, somadas a um preço três vezes superior ao de um Gameboy Advance (US$ 299 na época, mais de US$ 400 hoje), fizeram com que o aparelho fracassasse já no lançamento. Na época, a Nokia afirmou que havia vendido 400.000 unidades nas duas primeiras semanas após o lançamento, o que seria um sucesso estrondoso.

Na verdade, a empresa estava contando o número de aparelhos entregues aos varejistas, e não as vendas diretas ao consumidor, estimadas em pouco mais de 6 mil unidades somando EUA e o Reino Unido.

Em 2004 a empresa redesenhou o N-Gage, tornando-o menor e corrigindo algumas falhas do modelo anterior, como a posição do slot de cartuchos. O resultado foi o N-Gage QD, que foi rapidamente apelidado de “Quick Death” (“Morte Rápida”) pelo público.

 Os N-Gage foram descontinuados em 2006, mas a Nokia insistiu na marca por mais alguns anos como uma plataforma e loja de jogos para smartphones como o N95 e N81, onde também não teve sucesso.

Fonte: https://olhardigital.com.br/2021/03/08/reviews/nokia-pode-estar-preparando-smartphone-gamer/