maio 12

Na contramão da pandemia, Wildlife tem mais de 300 vagas de emprego abertas

Com mais de 70 jogos lançados, que registram 2 bilhões de downloads, a Wildlife se tornou uma das maiores empresas da indústria de games para mobile. A startup foi criada em 2011 pelos brasileiros Victor e Arthur Lazarte, e por Michael Mac-Vicar. Desde então, passou a fazer parte da vida de gamers no mundo todo.

“Nossa missão é divertir bilhões de pessoas de uma forma profunda”, ressalta Rafael Garib, diretor de engenharia e desenvolvimento de jogos da Wildlife, e também o primeiro contratado da empresa.

A startup, que passou por um reposicionamento de marca recentemente, tem registrado um crescimento acelerado em um mercado bilionário. No final de 2019, a empresa entrou para a lista de unicórnios — startups avaliadas em US$ 1 bilhão ou mais —, depois de receber um investimento de US$ 60 milhões liderado pelo fundo americano Benchmark. Apesar dos grandes números registrados, a empresa não perde sua essência e seus valores — que incluem comprometimento, velocidade, inovação e muito aprendizado.

Por trás dos jogos conhecidos mundialmente estão os times de desenvolvimento, engenharia, design, produtos, criação, marketing e muitos outros. Os colaboradores estão divididos em duas frentes: game studio, onde os jogos são desenvolvidos, e distribuição, que garante que cada título tenha a performance esperada pela companhia.

Hoje, a Wildlife possui unidades em São Paulo, Buenos Aires (Argentina), Dublin (Irlanda), São Francisco, Irvine e Palo Alto (EUA). Pensando em expandir ainda mais suas operações, a empresa abriu mais de 500 vagas de emprego para 2020 – dessas, 350 ainda estão abertas.

“Ao entrar na Wildlife, o profissional tem uma infinidade de oportunidades. Estamos vivendo um momento com muito espaço para crescer em todos os nossos escritórios”, ressalta Caroline Freitas, especialista em recrutamento e integrante do time de Talent Acquisition.

Como funciona o processo seletivo

Para atingir seu principal objetivo — construir jogos que serão lembrados por gerações — a Wildlife busca profissionais altamente qualificados para áreas de produto, engenharia, arte, marketing e ciência de dados. Atualmente, a empresa tem vagas para os mais variados cargos, como gerente de software, cientista de dados, diretor de arte, designer e líder de recrutamento.

Além das competências técnicas, os candidatos são avaliados em diversos outros aspectos. De acordo com Caroline, a contratação é feita com base em inúmeras variáveis — que vão desde o perfil comportamental, cultural, valores, até experiência profissional e outras habilidades. Aqueles que desejam fazer parte do time da startup devem estar abertos a trabalhar em equipe, receber feedbacks e ter muita transparência.

“Nosso processo seletivo é um equilíbrio entre oferecer a melhor experiência para o candidato — que poderá conhecer a cultura da empresa, o que de fato vai fazer e as pessoas com quem vai trabalhar — e ter o contato com ele para entender suas habilidades e competências técnicas, e se ele tem o fit com o que buscamos”, ressalta Caroline.

Com a expansão, a empresa busca profissionais interessados em redefinir o cenário de jogos para celular e criar novas maneiras de se divertir. Ainda se destacam aqueles que têm paixão pelo que fazem e que queiram caminhar junto nesse crescimento da startup. Os interessados em fazer parte dessa trajetória e saber mais sobre as oportunidades podem acessar a página oficial de carreiras da Wildlife.

FONTE: startse.com