dez 03

Migo, fintech africana de crédito, se prepara para chegar ao Brasil

A startup, que já concedeu cerca de 3 milhões de empréstimos, recebeu investimento de US$ 20 mi em uma rodada liderada pelo Valor Capital Group

Migofintech africana de crédito, anunciou, nesta terça-feira (3), que recebeu um investimento de US$20 milhões. A rodada foi liderada pelo Valor Capital Group, fundo focado em negócios inovadores com potencial de sucesso no Brasil, que já investiu em startups como Guiabolso, Gympass e CargoX.  Além do Valor Capital Group, participaram da rodada os investidores AfricinvestCathay InnovationThe Rise Fund e Velocity Capital.

 Fundada em 2013 na Nigéria, a fintech possui uma plataforma em nuvem que permite que bancos e empresas ofereçam crédito e contas digitais aos seus clientes. Os usuários podem fazer solicitações de empréstimos pela própria plataforma da startup.

Em um primeiro momento, é preciso cadastrar um número de telefone para ter acesso às ofertas. Depois, o usuário insere seus dados bancários para receber o dinheiro em poucos minutos. O pagamento pode ser feito online ou em caixas eletrônicos de bancos parceiros.

A startup já concedeu cerca de 3 milhões de empréstimos para mais de 1 milhão de clientes na Nigéria. “O desafio da desigualdade social global é impulsionado pela falta de acesso ao crédito. Se você olhar para a classe média nos países desenvolvidos, ela se baseia amplamente no acesso ao crédito ”, disse Ekechi Nwokah, fundador da Migo, em entrevista ao TechCrunch.

Chegada ao Brasil

Com o aporte, a Migo focará em sua expansão para outros mercados emergentes, incluindo o Brasil. “Estatisticamente, o número de pessoas sem crédito na Nigéria é de cerca de 90 milhões de pessoas. No Brasil, são cerca de 100 milhões de pessoas sem acesso. Os países têm aproximadamente o mesmo tamanho e o problema é quase o mesmo”, afirmou Nwokah.

O empreendedor afirmou que já tem projetos em andamento para clientes no Brasil, com um negócio assinado em US$ 290 milhões com um grande parceiro no país. Porém, não revelou o nome da empresa e detalhes sobre a estreia da fintech.

FONTE: STARTSE