jan 10

Mais de 70% das fintechs brasileiras estão concentradas no Sudeste

Setores de pagamento e crédito lideram representatividade no setor, segundo levantamento da PwC e ABStartups

Atualmente 73% das fintechs brasileiras estão concentradas na região sudeste, com mais da metade do total presente no estado de São Paulo, segundo a pesquisa “Fintech Deep Dive 2019”, divulgada pela Associação Brasileira de Fintechs (ABFintechs). O levantamento foi realizado em parceria com a PwC Brasil.

Para a pesquisa, as empresas entrevistaram 205 fundadores de companhias e startups de tecnologia financeira no Brasil. Além de identificar onde estão concentradas a maioria das fintechs, os números também mostram que 48% dessas fintechs dobraram de tamanho em 2019.

Das 205 empresas consultadas, 8% estão em fase de idealização e desenvolvimento de um produto viável mínimo (MVP), sem clientes e em processo de validação. Já 62% estão em fase de início de operação, com clientes e faturamento abaixo de RS$ 5 milhões. As outras 30% estão em processo de expansão ou consolidação, com clientes, já validadas pelo mercado e com faturamento acima de RS$ 5 milhões ou RS$ 20 milhões, respectivamente. O destaque se dá aos segmentos de meios de pagamento (22,4%) e crédito (21%), que continuam sendo os setores com maior número de fintechs.

De acordo com Luis Ruivo, sócio da PwC Brasil, “50% das fintechs analisadas esperavam um crescimento de mais de 100% da receita no último ano, e quase a totalidade desse número conseguiu. A redução do percentual que espera atingir o breakeven (ponto de equilíbrio) nos próximos dois anos, de 85%, em 2018, para 66% nesta edição, também demonstra que as empresas estão mais maduras, trabalhando de outra maneira”.

Os bancos digitais, que representam 10% das fintechs brasileiras, ganharam maior projeção em 2019 em relação a 2018. “Há o desejo dos clientes de viver uma experiência diferente que proporcione, a partir do toque no celular, a abertura de uma conta com menores taxas, além de contratar serviços e produtos financeiros diferenciados, com menos burocracia e maior praticidade e rentabilidade. Além disso, observamos que os clientes estão cada vez mais exigentes, querendo produtos e atendimento personalizados, o que abre bastante caminho para que as fintechs se destaquem”, diz Ingrid Barth, diretora da Associação Brasileira de Fintechs.

Outro dado identificado pela pesquisa é que enquanto 42% dos clientes preferem resolver suas dúvidas via navegador web, 28% optam por aplicações mobile. Já 14% preferem comunicação com empresas por e-mail, 7% em redes sociais, 7% por ligações telefônicas e apenas 1% preferem ir até a agência como principal forma de contato.

FONTE: CW