jul 21

Lixo espacial por pouco não destrói satélite europeu

O problema dos destroços espaciais tem se agravado, com centenas de milhares de fragmentos suficientemente grandes para destruir um satélite (Crédito: Reprodução/NASA)

Cada vez há mais satélites na órbita baixa da Terra e o lixo vai se acumulando, se tornando um perigo. Segundo a ESA, um satélite europeu, que tem se esforçado para escapar da morte prematura na atmosfera terrestre devido ao mau tempo espacial, evitou por pouco uma colisão com um pedaço de lixo espacial.

À medida que o Sol cospe mais erupções, os satélites enfrentam um duplo golpe com um maior arrasto e mais detritos.

O satélite faz parte de uma constelação que vigia o campo magnético da Terra. Vários problemas tem obrigado a subi-lo para uma maior altitude, após ter sofrido um aumento do arrasto devido a alterações na densidade das camadas superiores da atmosfera terrestre que ocorreram em resposta à atividade solar.

Para acertar o posicionamento do satélite, a equipe responsável pretendia aumentar a sua altitude em 45 quilômetros durante um período de 10 semanas. Contudo, esta ação teve de ser suspensa depois de um pedaço de lixo espacial ter levantado um alarme no controle da missão.

De acordo com a ESA, o incidente, que aconteceu no último dia 30 de junho, deixa claro a situação precária na órbita terrestre. O problema dos destroços espaciais tem se agravado substancialmente, com centenas de milhares de fragmentos suficientemente grandes para destruir um satélite, que já sofre com vários outros problemas ao redor do nosso planeta.

À medida que o sol desperta para um período de atividade mais intensa, produzindo mais manchas solares, erupções e ejeções de massa coronal em número superior aos anos anteriores, os operadores de satélites enfrentam um duplo golpe.

À medida que a densidade da atmosfera superior aumenta, os satélites têm de passar pelo gás espesso como se estivessem a voar contra o vento. Os operadores de satélites precisam, portanto, utilizar a propulsão a bordo para evitar que os satélites voltem a descer em espiral para a Terra.

Além disso, os peritos preveem que estas mesmas alterações da densidade do ar levarão a um aumento temporário da quantidade de fragmentos de detritos em órbita baixa da Terra, uma vez que estes fragmentos enfrentam o mesmo aumento de resistência que os satélites e não têm como corrigir a sua órbita.

Portanto, ao contrário dos satélites, o lixo espacial está completamente descontrolado e aumenta a ameaça no espaço.

FONTE: https://www.istoedinheiro.com.br/lixo-espacial-por-pouco-nao-destroi-satelite-europeu/