jan 04

Liderança climática da China: 3 sinais para acompanhar e observar em 2018

À medida que os representantes se reúnem para conversas na conferência do clima em Bonn, na Alemanha, é importante perceber o quanto o mundo tem sido estimado em menos de dois anos. Em dezembro de 2015, o marco de Acordo de Paris traçou um curso para atender a necessidade de redução dos gases causadores do efeito estufa.

Então, em junho de 2017, o presidente Donald Trump anunciou sua intenção de retirar os Estados Unidos desse acordo. Agora, muitos ao redor do mundo estão procurando ver quem assumirá liderança climática. Cada vez mais, eles estão olhando para a China.

Os sinais da China que tomam medidas significativas sobre o clima têm sido evidentes há muito tempo. A economia chinesa já entrou em um “novo normal”, com crescimento econômico mais moderado, um maior foco na qualidade do crescimento e um afastamento da fabricação pesada.

Isso levou a um caminho de desenvolvimento menos intensivo em carbono. Políticas e programas climáticos inovadores têm sido fundamentais para ajudar a nivelar as emissões de dióxido de carbono da China desde 2013, após mais de uma década de subidas íngremes.

A China vê claramente a mudança climática como um problema que precisa abordar frontalmente. Faz sentido examinar onde a China fez progresso e busca sinais sobre o que esperar no próximo ano. Três áreas merecem atenção.

Cortando o consumo de energia industrial

 

O setor industrial da China tem sustentado seu desenvolvimento econômico moderno. Mas, em março, no Congresso Nacional do Povo, o primeiro-ministro Li Keqiang enfatizou a necessidade de reduzir o excesso de capacidade de produção, incluindo a produção de carvão e aço intensiva em carbono.

A China deverá reduzir a produção de aço em 50 milhões de toneladas e a produção de carvão em 150 milhões de toneladas este ano, ao mesmo tempo em que suspende ou interrompe a construção de novas usinas a carvão. Os dados do governo mostram que a produção de carvão caiu 10 por cento nos primeiros sete meses de 2017 em relação ao mesmo período de 2016.

Isso faz parte do impulso da China para reduzir o consumo de energia industrial, que representa mais de 70% do seu consumo total de energia. A maior parte disso cai em seis subsetores intensivos em energia: aço, cimento, petróleo, produtos químicos, mineração e indústrias relacionadas à geração de energia.

O plano quinquenal da China, que funciona até 2020, especifica uma redução de 15% na intensidade do consumo de energia e uma queda de 18% na intensidade das emissões de dióxido de carbono, ao mesmo tempo que aumenta a cobertura florestal para mais de 23% da área total da terra.

Se esses objetivos forem atingidos, a China fará avanços significativos em relação aos compromissos assumidos no âmbito do Acordo de Paris para atingir as emissões máximas de dióxido de carbono em 2030 ou mais cedo.

 

Aumentando a Energia Renovável

A China reconhece que reduzir o consumo de energia por si só não o levará tão longe o suficiente. Também precisa gerar mais energia renovável. A participação do carvão no mix de energia da China caiu quase 9% entre 2005 e 2015, enquanto a geração de energia não fóssil quase triplicou. O seu crescente setor de energia solar – a capacidade de energia solar instalada aumentou em quase 82% no ano passado para aumentar a capacidade solar total para mais de 77 gigawatts, o suficiente para alimentar cerca de 6 milhões de casas dos EUA por um ano.

Surpreendentemente, uma maneira pela qual a China está expandindo sua capacidade solar é construindo painéis solares em  minas de carvão abandonadas. Um desses projetos na província de Shanxi abrange 160 hectares e pode produzir eletricidade suficiente para alimentar 30 mil lares.

Será importante ver se a China continua a acelerar o investimento em energia renovável no próximo ano e se ele irá enfrentar o crescente desperdício de energia renovável que vem da falta de coordenação e distribuição de projetos de energia renovável.

 

Lançamento de um Programa Nacional de Comércio de Emissões

A China vem avançando com o preço modesto do carbono. A partir de 2013, a China começou a pilotar programas de comércio de emissões em sete regiões. Até à data, esses pilotos negociaram cerca de 197 milhões de toneladas de dióxido de carbono que vale cerca de 4,5 bilhões de yuans (US $ 678 milhões).

O volume de dióxido de carbono comercializado é aproximadamente equivalente às emissões anuais da Colômbia. Esperamos que a China comece a lançar um programa nacional de comércio de emissões no próximo ano.

A China avançou claramente para ser líder do clima nos últimos anos. Agora, veremos se a China aumentará seu compromisso climático nacional para 2020, que todos os países devem fazer de acordo com o Acordo de Paris.

Também veremos se os chineses se estendem para além das suas fronteiras, incluindo a reconsideração do apoio à infraestrutura de energia com alto carbono em outros países.

Dado o vazio deixado pela administração dos EUA, a China tem uma oportunidade única de avançar no cenário global. A grande questão é se a China assume esse papel e se orienta o mundo para alcançar a visão do Acordo de Paris.

FONTE: AMBIENTE ENERGIA