fev 18

Jovem cria startup com R$ 150 mil e prevê faturamento de R$ 7 milhões

Juliana Alencar deixou cargo de Chief Culture Officer na StartSe para empreender com o hub de inovação W.G. Weird Garage.

“Tive a sorte do timming e vi diversas empresas com ideais parecidos com os meus performando e se tornando unicórnios, abocanhando espaço das gestões tradicionais. Nos últimos anos, o mercado amadureceu e observou gaps que dificultavam o crescimento. Foi então que percebi ser o momento de criar algo que unisse as referências das empresas pelas quais passei”, afirma Juliana.

E está enganado quem pensa que a executiva fechou as portas após sair da StartSe: a empresa é um dos parceiros da W.G. Weird Garage, que já fechou contrato com clientes como a operadora Claro; a Bamboo, plataforma de ativos financeiros alternativos; a Go.k, de tecnologia e transformação digital; a TEX, insurtech de soluções para corretoras de seguro; e o escritório Molina Advogados.

Serão três frentes de atuação do hub de inovação, que terá consultoria de cultura e até estruturação personalizada; educação e preparação de lideranças; além de fornecer conexões estratégicas para os processos de transformação. Para a fundadora da W.G. Weird Garage, a missão da startup é auxiliar empresas e negócios por meio da própria inovação, mas também de cultura e diversidade.

“O Vale do Silício [região nos EUA conhecida por abrigar companhias de tecnologia] provou por A+B o poder da mudança cultural nos resultados financeiros e no crescimento. Então, para as empresas continuarem relevantes, a cultura deve ser parte da estratégia. Não existe mais a questão binária de ganhar dinheiro ou ter um formato de trabalho legal. Podem ser ambos”, diz a executiva.

De acordo com a pesquisa Mission & Culture Survey, publicado pela recrutadora Glassdoor, 79% dos entrevistados (em Alemanha, EUA, França e Reino Unido) avaliaram o propósito das empresas antes de se candidatarem a uma vaga; e 77% levaram em consideração a cultura corporativa, quesito que também foi apontado como decisivo para continuarem na vaga por 65% dos participantes.

“Minha ideia com o hub foi permitir que as empresas inovassem com suas culturas para se tornarem ainda mais relevantes, competitivas e assim, ‘brigarem’ as companhias mais admiradas e inovadoras do mundo. Quando vi que o meu trabalho de estruturação de cultura na StartSe já estava concluído, me senti confortável para empreender com esse formato mais independente”, diz Juliana.

FONTE: https://www.portalamazonida.com.br/jovem-cria-startup-com-r-150-mil-e-preve-faturamento-de-r-7-milhoes/