mar 18

IoT promete ser o coração da transformação digital

A Internet das Coisas está na vanguarda de nossa capacidade de reunir os mundos digital e físico, com profundas implicações tanto para a sociedade quanto para a economia mundial. Pesquisas recentes comprovam que o potencial da tecnologia está concentrado em determinadas configurações (tipos de ambientes físicos onde a IoT é implantada), como fábricas, instituições de saúde e até na agricultura.

Estudo recente da McKinsey projeta, que até 2030, a IoT poderá gerar entre US$ 5,5 trilhões a US$ 12,6 trilhões, globalmente, incluindo o valor capturado por consumidores e clientes de produtos e serviços. Os aplicativos B2B responderão por cerca de 65% do desse montante. Mas os aplicativos B2C estão crescendo rapidamente, estimulados pela rápida adoção de soluções para casas inteligentes.

A Indústria 4.0 será responsável pela maior parte dos negócios (26%). A saúde aparece em segundo lugar, representando 14% do total. Em episódio recente do The McKinsey Podcast, os analistas Michael Chui e Mark Collins comentam resultados dessa pesquisa, ressaltando ainda haver uma concentração muito grande de onde o valor da IoT é criado hoje, com destaque para soluções em hospitais, fábricas, cidades inteligentes e locais de trabalho.

Um outro estudo, da Meticulous Market Research, se debruçou especificamente sobre a IoT na agricultura. Os resultados também projetam crescimento, de US$ 11,4 bilhões em 2021 para US$ 18,1 bilhões em 2026. E apontam a agregação de dados como um grande desafio. Muitos produtores ou agricultores não estão cientes do uso eficaz dos dados para fins de tomada de decisão. Portanto, é importante fornecer aos agricultores e produtores ferramentas e técnicas adequadas de gerenciamento de dados para adquirir, gerenciar, processar e usar dados de maneira eficaz. Algo que já vem ocorrendo em outros segmentos.

Sinais de maturidade

O estudo da Mckinsey constatou mudanças materiais tanto na trajetória de adoção da IoT quanto no impacto percebido.  A IoT já é vista hoje como uma tecnologia facilitadora das transformações digitais.

Para a grande maioria dos casos de uso de IoT, existe tecnologia acessível que permite a implantação em escala. Os sensores agora cobrem todo o espectro, do visual ao acústico. A computação é mais do que rápida o suficiente, o armazenamento é onipresente e a energia das baterias melhorou. Todo esse progresso em hardware foi acompanhado por desenvolvimentos significativos em análises avançadas, IA e aprendizado de máquina, que permitem insights mais rápidos e granulares e tomadas de decisões automatizadas a partir de dados fornecidos por sensores.

As redes atuam como a espinha dorsal que dá vida à IoT e tornam tudo isso possível. As redes de quarta geração (4G) das empresas de telecomunicações se espalharam para cobrir mais pessoas com maior desempenho, e as redes 5G que estão sendo implantadas rapidamente. Combinadas com melhorias em outros protocolos de rede, os clientes têm hoje uma ampla variedade de opções de conectividade que podem atender aos seus requisitos, sejam eles associados a capacidade, velocidade, latência ou confiabilidade.

Diante desses sinais favoráveis à rápida expansão da IoT, fica muito claro que o que ainda vem impedindo seu uso recorrente é o fato de empresas e governos ainda verem a IoT como um projeto de tecnologia em vez de uma transformação de modelo operacional.

Segundo a MckInsey, para capturar valor em escala da IoT será necessária a colaboração de atores multifuncionais para mudar comportamentos, sistemas e processos. “Fatores operacionais estão retendo o mercado”, explicam os analistas da consultoria.

“Os ecossistemas serão absolutamente críticos quando pensamos na paisagem daqui para frente”, explica Mark Collins. “Vários casos de uso podem estar ocorrendo, mas podem estar ocorrendo de diferentes perspectivas em diferentes sistemas em diferentes áreas. Fazer mais coisas juntos significa forçar a mudança”.

FONTE: https://theshift.info/hot/iot-promete-ser-o-coracao-da-transformacao-digital/