nov 18

A inteligência artificial chega ao restaurante

Uma franquia do Outback em Oregon está levando a busca por eficiência e produtividade a um novo patamar: a loja instalou uma tecnologia de machine learning que usa as câmeras do restaurante para vigiar — e metrificar — cada passo de seus funcionários. Ao longo do dia, o sistema vai colhendo informações e gerando métricas tais como o tempo que o garçom ‘X’ ou ‘Y’ levou para ir atender uma mesa, ou os minutos que demoraram para que determinado prato saísse da cozinha.

No fim do expediente, esses insights são enviados por email ao gerente de loja, que com o relatório em mãos consegue ajustar melhor as pontas soltas — e identificar quais funcionários estão fazendo seu trabalho direito. A tecnologia foi desenvolvida pela Presto Vision, uma startup fundada há três anos por Rajad Suri, um ex-aluno do MIT. “Sem ferramentas de monitoramento como a Presto, os gerentes precisam administrar as lojas apenas com base no resultado final — eles não sabem o que realmente aconteceu no meio do jogo,” o fundador disse à Wired.

“A Presto ajuda os gerentes a criar melhores processos e fazer um melhor trabalho no geral.” Num primeiro momento, o piloto do Outback usará a Presto para analisar as imagens do lobby do restaurante. A ideia é monitorar o nível de lotação e o número de consumidores que decidiram ir embora ao invés de esperar por uma mesa.

Futuramente, a ideia é usar a solução para analisar todo o restaurante e corrigir problemas em tempo real. O sistema poderá, por exemplo, enviar um SMS ao gerente da loja quando o número de pessoas esperando por uma mesa atingir determinado nível. Outra aplicação possível: identificar quando a bebida de um cliente está acabando e enviar um aviso aos garçons para oferecer o refil.

A Presto está testando seu sistema em outros restaurantes dos Estados Unidos e aparentemente é a que está mais avançada no processo. Mas não é a única. Recentemente, a Domino’s desenvolveu uma solução in-house que permite monitorar os pizzaiolos e identificar se as pizzas estão sendo feitas dentro do padrão. Se uma pizza estiver ruim, o sistema — chamado de “DOM Pizza Checker” — envia um alerta ao funcionário, que é obrigado a refazer tudo. (Por enquanto, o sistema está sendo testado em algumas Domino’s na Austrália e Nova Zelândia). Numa apresentação para investidores, executivos da empresa disseram que a solução poderia ser usada para definir o pagamento de bônus e identificar quais lojas estão performando pior.

FONTE: BRAZIL JOURNAL