Incêndios na Grécia: moradores investem em sistemas com drones para alertar contra incêndios

Com os seus verões quentes e secos, Grécia e os seus vizinhos do sul da Europa enfrentam centenas de incêndios florestais devastadores todos os anos.

O pesadelo repete-se todos os anos: um imponente muro de chamas devora florestas, terras agrícolas e casas, forçando animais e pessoas a fugirem para salvar as suas vidas.

Com os seus verões quentes e secos, a Grécia e os seus vizinhos do sul da Europa enfrentam centenas de incêndios florestais devastadores todos os anos. Só na semana passada, os incêndios florestais mataram 21 pessoas na Grécia. O mais mortal do país, em 2018, custou mais de 100 vidas. E os especialistas alertam que as mudanças climáticas poderão agravar condições meteorológicas extremas, alimentando mais incêndios florestais.

Neste verão, um grupo de moradores de um subúrbio de Atenas, a capital grega, uniu-se com o objetivo de evitar que o fogo chegasse às suas casas. Em menos de uma semana, no início de agosto, um grupo inicial de três pessoas cresceu para uma comunidade on-line de cerca de 320 pessoas oferecendo doações para contratar uma empresa que usasse drones de longo alcance equipados com câmeras de imagem térmica, como um sofisticado sistema de alerta precoce, para detectar incêndios florestais antes que eles se espalhem.

É um sistema testado. Projetados e configurados com a ajuda de Grigoris Konstantellos, piloto de linha aérea comercial e prefeito dos subúrbios costeiros de Vari, Voula e Vouliagmeni, no sul de Atenas, os drones começaram a operar na região no ano passado. “Nós não descobrimos, nós criamos”, disse Kontantellos sobre a iniciativa. “Nós falamos: ‘Por que essa capacidade não deveria existir?'”

O sistema parecia ser a solução perfeita para os moradores. “Estamos todos preocupados, todos ansiosos”, disse Melina Throuvala, psicóloga e integrante do grupo inicial de três pessoas. “Não queremos lamentar as vítimas, nem ver as nossas florestas arderem ou as nossas casas ameaçadas. Esse foi o principal incentivo.”

Operados por pilotos de drones com treinamento avançado para voar além da linha de visão visual e com permissão das autoridades da aviação civil, os drones fornecem imagens ao vivo e detectam mudanças de temperatura, alertando sobre os focos nos estágios iniciais críticos, antes que o incêndio se espalhe. Os drones funcionam 24 horas por dia, sete dias por semana, com os pilotos trabalhando em turnos de seis horas.

“Os primeiros minutos são os mais cruciais para um incêndio”, disse Giorgos Dertilis, que chefia a unidade local de combate a incêndios voluntários. “No começo é mais fácil apagar o fogo. Quanto mais os minutos passam, mais difícil se torna o nosso trabalho.”

As unidades de voluntários estão integradas no sistema de Proteção Civil da Grécia, trabalhando em estreita colaboração com os bombeiros profissionais. Sem quartéis de bombeiros na área mais ampla de Kifissia, os voluntários muitas vezes conseguem chegar aos incêndios mais rapidamente. A empresa de drones opera a partir da sede dos bombeiros voluntários, para que possam reagir imediatamente a qualquer sinal de incêndio.

A importância do programa de drones ficou rapidamente visível. Nos primeiros dias, detectou-se o início de um incêndio perto de um hotel fechado, “então, quando estávamos a caminho… sabíamos, estávamos preparados para ver um incêndio”, disse Dertilis. Eles rapidamente extinguiram o fogo. “É muito importante saber o que esperar.”

A inovação do sistema, disse Emmanouil Angelakis, diretor-gerente da empresa que opera os drones, é que ele inclui pessoal especializado, software, servidores e antena de satélite para que “os drones, dia e noite, possam varrer todas as áreas florestais com câmeras térmicas e sensores e forneça imagens ao vivo e coordenadas de onde o incêndio começa.”

A ideia do sistema surgiu em junho de 2022, depois que um incêndio florestal, açoitado pelo vento, atingiu o município de Konstantellos. Ao coordenarem a resposta, as autoridades perceberam que tinham um problema.

“Estávamos perseguindo o fogo”, disse o prefeito. Com as chamas se movendo rapidamente, acompanhar onde eram necessários os caminhões-pipa foi um desafio. “Não conseguíamos ver coisas básicas no terreno. Nós os víamos com atraso, porque não estávamos bem na frente deles.”

Seguiu-se, então, uma extensa revisão da resposta de emergência. “Vimos que o que faltava é não perseguirmos o fogo, mas podermos ter uma imagem ao vivo do incêndio, de onde estão os nossos bens e onde está a ameaça”, disse Konstantellos. Eles, então, pensaram em drones.

O corpo de bombeiros já utiliza drones durante um incêndio ativo, cobrindo uma pequena área. O que era necessário era ver um incêndio quando ele começava e pará-lo imediatamente. Entrando em contato com a empresa de drones, nasceu o programa de prevenção de incêndios. Neste tempo em operação, o sistema deu alertas antecipados de incêndios 12 vezes, disse Konstantellos.

“Pegamos incêndios às 3h30 da manhã”, disse o prefeito. “Quando enviamos a Proteção Civil, não conseguiram sequer encontrar o fogo. Pudemos ver isso no drone.”

Então, no sábado, 270 relâmpagos provocaram seis incêndios, começando às 5h30. Os drones os viram imediatamente, disse Konstantellos na segunda-feira, 28. Com imagens de drones ao vivo transmitidas para seu celular, “tivemos uma coordenação incrível e, em menos de 40 minutos, apagamos seis incêndios em locais de difícil acesso”.

Os drones têm um alcance de 15 quilômetros e estão equipados com alto-falantes e holofotes para alertar as pessoas que realizam trabalhos proibidos ao ar livre em dias de alto risco de incêndio – ou para assustar potenciais incendiários. O município também está executando um programa piloto para prevenir afogamentos, pelo qual drones podem lançar coletes salva-vidas a nadadores em perigo.

A cidade paga 13 mil a 14 mil euros por mês para cobertura 24 horas por dia, 7 dias por semana. “Para um município, é um número viável para ter tranquilidade em relação aos incêndios”, disse Konstantellos.

Angelakis, da empresa de drones, disse que a iniciativa financiada de forma privada pelos residentes de Kifissia “foi a primeira vez que isto aconteceu numa base voluntária e não por um órgão estatal”.

A iniciativa foi seguida pelo município vizinho de Dionísio, em Kifissia, com a sua operação financiada de forma privada a funcionar a partir da Câmara Municipal.

Os residentes de áreas menos ricas teriam menos condições de pagar financiamento privado. Mas outras autoridades municipais e regionais estão interessadas, disse Konstantellos, que observou que o sistema pode ser utilizado para coordenar respostas a outros eventos, como inundações, terremotos ou acidentes de trânsito.

“Como dizemos na aviação: ‘Um piloto bem treinado é o melhor dispositivo de segurança'”, disse ele. “Convertemos isto para a proteção civil e dizemos: ‘Uma cidade bem preparada é a melhor defesa de uma cidade contra a crise’.”

FONTE:

https://epocanegocios.globo.com/um-so-planeta/noticia/2023/08/incendios-na-grecia-moradores-investem-em-sistemas-com-drones-para-alertar-contra-incendios.ghtml