dez 11

GM quer “passar a perna” na Uber com táxis autônomos já em 2019

Montadora americana diz que em dois anos terá frota autônoma e elétrica rodando em cidades americanas

Um executivo da General Motors disse na sexta-feira (1) que a empresa está apressando-se para lançar veículos autônomos para um serviço de transporte que poderia competir com a Uber e o Lyft. A empresa diz que esses veículos – Chevy Bolts elétricos e autônomos, que estão sendo desenvolvidos pela subsidiária Cruise Automation – aparecerão nas ruas americanas em 2019.

O prazo ambicioso poderia colocar a GM em uma posição invejável: com a capacidade única de fornecer carros a empresas como Lyft ou Uber e , melhor ainda, com seu próprio serviço de transporte. Usando sua vasta rede de concessionárias, influência em todo o país e capacidade de fabricação, um serviço dirigido pela GM pode deixar para trás as startups do Vale do Silício que estão fazendo de tudo para ultrapassar a indústria automobilística. A GM investiu US$ 500 milhões na Lyft, que não respondeu a um pedido de comentário.

“Nós estamos comprometidos desde que começamos a falar sobre nossos esforços e quando adquirimos uma parte da Lyft para a construção de carros autônomos que operam em um ambiente de compartilhamento de viagens”, diz Ray Wert, chefe de comunicações da General Motors. “Estamos muito satisfeitos com a evolução da tecnologia e sentimos a capacidade de avançar com um parceiro, muitos parceiros ou sem parceiros.”

“Nós escolheremos a solução que nos ajudará a alcançar nossa missão de desenvolver e implementar carros autônomos em escala”, acrescentou Wert.

A GM não disse onde planeja lançar frotas autônomas de compartilhamento de viagens ou quantos veículos eles podem incluir, mas a diretora-chefe da empresa, Mary Barra, disse que eles acreditam que as “maiores oportunidades estão nas áreas costeiras”.

 A companhia já está testando veículos autônomos nas ruas de São Francisco, bem como em Phoenix e em sua cidade natal, Detroit. Nesses locais, os engenheiros têm a chance de refinar as capacidades de condução do veículo e a experiência ainda precária dos passageiros até 2019. Em vez de testar seus veículos em um pista fechada ou uma “configuração simples”, disse Wert, a empresa optou por testar os veículos em um ambiente que se assemelha a onde eles realmente serão implantados. As condições do mundo real, acreditam os funcionários da empresa, aceleram a tecnologia.

“É por isso que nos comprometemos com os prazos agressivos com os quais estamos comprometidos”, disse ele. “Quanto mais rápido pudermos fazer isso, maior será o impacto que teremos na sociedade.”

A GM está longe de ser a única montadora tradicional que investe em tecnologia autônoma e em serviços de compartilhamento. No mês passado, a Volvo anunciou planos para fornecer à Uber até 24 mil veículos para uma frota de táxis sem motoristas que deve aparecer nas ruas americanas em 2019.

O Waymo do Google, a montadora alemã Daimler e a Ford também estão desenvolvendo carros autônomos que estarão disponíveis para serviços de compartilhamento de viagem.

A GM considera que os veículos autônomos são a “maior oportunidade de negócios desde a criação da internet”, um mercado com potencial de vários bilhões de dólares que vai de mãos dadas com veículos elétricos.

Em uma nota aos clientes, o analista da Barclays, Brian Johnson, escreveu que, em vez dos “prazos excessivamente agressivos pressionados pela Tesla”, a capacidade da GM de lançar veículos autônomos para um serviço de compartilhamento de viagens agora “parece possível”.

“O técnico é real”, ele escreveu, observando que os veículos da GM serão “monitorados por humanos em um centro de controle”. Depois de se juntar a um test-drive em um dos protótipos, Johnson disse que o carro era “impressionante”.

“Não houve problemas”, ele escreveu. “Enquanto o veículo funcionava de forma conservadora (ou seja, tomando tempo, obedecia rigorosamente os limites de velocidade, verificando cuidadosamente em ambos os lados antes de girar em uma interseção), nós também observamos que o ambiente de condução era bastante complexo”.

FONTE: GAZETA DO POVO