jan 17

Game e realidade virtual podem ajudar a tratar ansiedade

É o que aponta estudo feito por pesquisadores britânicos com a ajuda da empresa de videogames Ninja Theory.

Pesquisadores da Universidade de Cambridge, do Reino Unido, com a ajuda da empresa de videogames Ninja Theory, estão testando um jogo de realidade virtual (VR, na sigla em inglês) como forma de ensinar aos cidadãos uma estratégia para lidar com a ansiedade cotidiana, informa o jornal The Guardian.

“Os terapeutas geralmente pedem às pessoas que aprendam técnicas, como as de respiração, de maneira totalmente estática e descompromissada, e depois dizem: ‘Tente fazer isso enquanto estiver estressado’. Mas não há como fazer as pessoas experimentarem quando estão estressadas naquela situação terapêutica. A VR permite que você manipule completamente o ambiente em que as pessoas estão, o que pode ser muito útil nesse sentido”, apontou Lucie Daniel-Watanabe, estudante de doutorado que está conduzindo o estudo.

Linda Geddes, repórter do The Guardian que experimentou o jogo, conta que ele ensina uma técnica de respiração para ajudar a acalmar os nervos e, em seguida, coloca o participante contra um humanoide monstruoso que quer comê-lo, para praticar o que foi aprendido em situações genuinamente indutoras de pânico.

A profissional utilizou um fone de ouvido VR e teve um monitor de frequência cardíaca conectado ao seu dedo. Na primeira parte do teste, ela é transportada para um barco a remo, “em um lago tranquilo ao pôr do sol”.

“Uma voz suave me encoraja a inspirar, prender a respiração e expirar nos momentos apropriados e, à medida que me sinto cada vez mais relaxada e meu pulso diminui, o barco avança suavemente. Após cerca de cinco minutos disso, estou pronta para começar a próxima etapa do meu treinamento: a masmorra. Mesmo sabendo que é apenas um jogo, a natureza imersiva da VR ajuda a suspender minha descrença, e fico surpresa ao ouvir meu coração batendo forte em meus ouvidos”, relatou a jornalista.

E ela acrescentou: “No canto superior da minha visão, um pequeno mostrador me diz que meu coração está batendo significativamente mais rápido do que quando eu estava no barco, o que me lembra do motivo pelo qual estou aqui. Começo a desacelerar minha respiração, e o mostrador desce gradualmente também – mesmo quando ouço um companheiro de prisão gritando e olho para a esquerda para ver um corpo sendo arrastado para trás, fora de vista. Então, de repente, o monstro está na minha frente, magro, de pele cinza e vendado com um sorriso horrível na boca. Disseram-me que ele não pode me ver, mas pode usar meu batimento cardíaco para sentir minha localização; a única maneira de evitar a morte é usar a técnica de relaxamento para diminuir minha frequência cardíaca”.

A reportagem observou que pode levar algum tempo para encontrar o equilíbrio certo, sem mencionar a validação da abordagem entre grupos maiores e mais diversos de indivíduos. Contudo, a parceria com uma empresa de jogos pode levar essas experiências a um novo nível.

Além disso, a gamificação do processo pode ajudar a motivar as pessoas a praticar técnicas úteis, como exercícios respiratórios, em vez de confiar na motivação interna, o que, segundo Daniel-Watanabe, pode ser muito difícil em situações de estresse elevado.

FONTE: https://epocanegocios.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2023/01/game-e-realidade-virtual-podem-ajudar-a-tratar-ansiedade.ghtml