abr 20

Galaxy S9 usa realidade aumentada para câmera ficar mais inteligente e ir além da foto

Samsung S9 Plus (Foto: Richard Drew/AP)

Visto de frente, o Galaxy S9 é a cara de seu antecessor, o S8. É na traseira, porém, que o novo smartphone top de linha da Samsung mostra a que veio: além do sensor de digitais ter sido reposicionado, a câmera foi repaginada para fazer vídeos super-lentos, registrar cenas com muita ou pouca luminosidade, identificar itens na imagem e até traduzir termos estrangeiros.

Muitos desses recursos funcionam porque uma forte camada de realidade aumentada foi aplicada à câmera, o que deu à assistente pessoal da Samsung, a Bixby, mais poderes do que só atender comandos de voz.

Os novos celulares Galaxy S9 e Galaxy S9+, que começam a ser vendidos nesta sexta-feira (20) por R$ 4,3 mil e R$ 4,9 mil, respectivamente, ganharam ainda um reforço caprichado nas tecnologias de reconhecimento biométrico, que permitem aos usuários criarem avatares virtuais ou dar vida aos rostos de Mickey, Minnie ou Pato Donald.

Reconhecimento facial

Combinando as leituras do rosto e da íris dos usuários, os aparelhos podem ser destravados apenas com um olhar de seus donos.

Como se isso já não bastasse como um aceno à Apple, que fez do reconhecimento facial uma das principais formas de desbloqueio do iPhone X, a Samsung criou sua própria forma de personalizar emojis, aquelas imagens animadas que inundam apps de bate-papo.

Se com os Animoji do celular top da Apple, dá para fazer raposinhas e gatinhos sorrirem ou piscar, com o Emoji AR do S9, é possível criar avatares virtuais que reproduzem as expressões faciais de quem estiver na frente do celular.

A aparência dos bonequinhos não sai tão próxima do modelos humanos, mas vale a diversão. Já as carinhas dos principais personagens da Disney é um tiro certo para cativar de crianças a adultos.