ago 23

Fundador do WeWork vira construtor — só não se sabe do quê; empresa misteriosa já é unicórnio

Volta de Adam Neumann mostra que nova era da tecnologia do Vale do Silício se parece quase exatamente com a antiga

Adam Neumann, fundador da WeWork (WeWork/Exame)

Em abril de 2020, Marc Andreessen anunciou o que parecia uma dramática mudança para sua empresa de capital de risco, a Andreessen Horowitz . “É hora de construir”, declarou ele, argumentando que investidores e empreendedores deveriam se concentrar em fazer melhorias no mundo físico. Ele pediu mais investimentos, entre outras coisas, para a construção de moradias, que, segundo ele, estavam se tornando proibitivamente caras devido à falta de oferta.

Parecia impressionante, até inspirador. Durante anos, os investidores do Vale do Silício atraíram críticas por encorajar as mentes mais brilhantes do setor a construir startups focadas na publicidade online que corrói a privacidade e por se engajar em “arbitragem regulatória” em vez de inovar – tudo isso enquanto tendiam a favorecer um grupo de tóxicos fundadores com uma aparente propensão para a fraude. Andreessen anunciava uma nova era de seriedade de propósito. A época da techlash (A palavra “tech-lash” surgiu da junção entre technology e backlash, tecnologia e consequência em português,  após o escândalo do Facebook e da Cambridge Analytica — onde dados de milhões de usuários foram violados para uso nas eleições nos EUA e no Reino Unido) havia acabado; a era da construção havia começado.

Por Max Chafkin

Como se pode ver, essa nova era da tecnologia do Vale do Silício se parece quase exatamente com a antiga – até o detalhe de ser socialmente consciente. Em 15 de agosto, Andreessen postou outro ensaio sobre um investimento substancial em uma startup de habitação. Estaria ele colocando o próprio dinheiro naquilo que dizia estar criando alguma maneira futurista de construir moradias baratas e de alta qualidade? Ele havia descoberto como derrotar o “capitalismo de compadrio, captura regulatória [e] oligopólios ossificados” que ele identificou em seu ensaio sobre a era da pandemia?

Bem, não, não exatamente. O que ele fez foi investir US$ 350 milhões em uma startup chamada Flow — o maior cheque de capital de risco que Andreessen Horowitz já emitiu. Diz-se que a Flow vale mais de US$ 1 bilhão, embora não esteja totalmente claro o que a empresa faz. Aparentemente, sua missão envolve oferecer casas de aluguel, ao mesmo tempo, nas palavras de Andreessen, “repensar toda a cadeia de valor, desde a forma como os edifícios são comprados e possuídos até a maneira como os moradores interagem com seus edifícios até a maneira como as quantias são distribuídas entre as partes interessadas”.

Considerando-se todo esse palavrório, pode não ser surpreendente ouvir que o fundador da Flow é Adam Neumann, mais conhecido por criar a WeWork, a startup de escritórios supervalorizados que prometeu trazer a economia das empresas de tecnologia para o mercado imobiliário comercial, ao mesmo tempo em que tentava “expandir a consciência mundial.” Neumann perdeu o emprego em meio a alegações de incidental contrabando de maconha , arremesso de garrafas de tequila , auto negociação (o que ele negou) e muito medo.

Para sua próxima ação, disse o New York Times, Neumann está comprando milhares de apartamentos na Flórida, Geórgia e Tennessee, que a Flow administrará. A postagem no blog de Andreessen era vaga sobre como a Flow se diferenciaria de outros grandes proprietários residenciais, mas disse que ofereceria “serviços comunitários e focados na experiência” – talvez na veia da malfadada extensão da marca WeWork de Neumann, a WeLive – e habilitará locatários a construir riqueza. Dado que Andreessen também investiu em uma startup de criptomoedas fundada por Neumann, a Flowcarbon, e dado seu entusiasmo em adicionar tokens de criptomoedas a tudo, parece provável que qualquer riqueza criada pelos locatários também seja tokenizada. Imagine-se Axie Infinity , mas para o seu apartamento.

Andreessen não mencionou a construção como uma forma de melhorar as coisas para os locatários – e por que ele faria isso, uma vez dada a sua recente oposição à construção de casas perto da sua? Ele também parecia mais do que um pouco fora de contato enquanto tentava identificar as falhas com o atual mercado de aluguel de imóveis. Dando a impressão de ser alguém que recentemente pagou US$ 177 milhões por uma casa em vez de alguém que conhece alguém que mora em um apartamento alugado, o capitalista de risco reclamou que locatários, ao contrário de proprietários, “não geram nenhum vínculo entre pessoa e lugar e sem comunidade , nenhum vínculo entre pessoas”.

Isso tudo mostra o quão pouco o Vale do Silício aprendeu depois de anos de críticas. Andreessen não apenas parece não se incomodar com o fato de a Flow ser parecida como a WeWork 2.0 – a estranha rede interligada de propriedade a adoção da tecnologia da moda para dar um brilho ao que parece um negócio imobiliário muito convencional – ele realmente parece intrigado com a perspectiva. “Entendemos como é difícil construir algo assim e adoramos ver os mesmos fundadores aproveitarem os sucessos do passado, crescendo com as lições aprendidas”, escreveu ele. “Para Adam, os sucessos e as lições são muitos.”

A loucura faria o investimento na Flow parecer apenas mais um exemplo de uma porcaria de alto conceito por um mestre da arte, exceto que apoiar fundadores desonrados parece ser algo da hora entre as principais empresas de capital de risco do Vale. Travis Kalanick, cofundador do Uber que foi demitido depois de criar uma empresa propensa a quebrar regras e sexismo, tem outra startup, CloudKitchens, com uma cultura de “ação entre amigos” , um modelo de negócios semelhante ao Uber e mais de US$ 1 bilhão em financiamento.

Michael Cagney, que deixou a SoFi em meio a alegações de comportamento inadequado com subordinadas do sexo feminino (o que ele negou), levantou centenas de milhões de dólares para seu novo empreendimento, assim como Parker Conrad, que deixou sua empresa anterior, a Zenefits, em meio a alegações de que havia vendido seguro sem licença e que ele presidiu uma cultura livre onde os funcionários faziam sexo nas escadas . Sua nova empresa está mais ou menos no mesmo ramo da antiga. Conrad disse que está levando a um comportamento mais a sério. Supõe-se que a pandemia tenha reduzido qualquer sexo nas escadas.

Nada disso é exatamente surpreendente, claro. Apesar de toda a conversa sobre o fim de uma era no Vale do Silício, investidores como Andreessen levantaram enormes somas de dinheiro nos últimos anos e terão que preencher cheques correspondentemente grandes ou enfrentar a insondável perspectiva de devolver o capital do investidor e desistir do tipos de altas taxas de administração que lhes permitem pagar por suas inúmeras mansões em Malibu.

Embora a WeWork e a Uber tenham ultrapassado os limites em maneiras que podem ter parecido moralmente duvidosas para a população em geral, não está claro se os líderes do culto da disrupção já a viram dessa maneira. Para Andreessen e seus colegas, na verdade, a força da fronteira pode ser o ponto – a evidência de alguém que como Neumann não está preso às regras normais dos negócios. Estabelecer os limites, por outro lado, não é o que geralmente se deseja por parte do seu proprietário. O que se quer são aluguéis mais baratos – e o Vale do Silício parece não estar mais próximo desse objetivo do que estava há dois anos.

Tradução de Anna Maria Dalle Luche.

FONTE: https://exame.com/negocios/fundador-do-wework-vira-construtor-so-nao-se-sabe-do-que-empresa-misteriosa-ja-e-unicornio/