jan 10

Esforços globais necessários para disseminar benefícios da economia digital, diz relatório da ONU

Esforços globais concertados são necessários para espalhar os ganhos da economia digital em rápida expansão para muitas pessoas que atualmente se beneficiam pouco com isso, diz um novo relatório das Nações Unidas.

A Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) lançou seu primeiro Relatório de Economia Digital 2019, que mapeia o fluxo, dados e fundos na economia digital mundial. Ele descreve os enormes ganhos potenciais e os possíveis custos de desenvolvimento, à medida que o mundo se move, se conecta e compra on-line.

A criação de riqueza na economia digital está altamente concentrada nos Estados Unidos e na China, com o resto do mundo, especialmente países da África e da América Latina, muito atrás, segundo o relatório.

Os Estados Unidos e a China respondem por 75% de todas as patentes relacionadas às tecnologias blockchain, 50% dos gastos globais na Internet das Coisas (IoT), mais de 75% do mercado de computação em nuvem e 90% por cento do valor de capitalização de mercado das 70 maiores empresas de plataformas digitais do mundo.

Figura 1: Distribuição geográfica das principais plataformas globais do mundo, 2018

figura 1

Segundo as políticas e regulamentos atuais, é provável que essa trajetória continue, contribuindo ainda mais para o aumento da desigualdade, alertou o secretário-geral da ONU, António Guterres.

“Precisamos trabalhar para fechar a brecha digital, onde mais da metade do mundo tem acesso limitado ou inexistente à Internet. A inclusão é essencial para a construção de uma economia digital que traga resultados para todos ”, disse Guterres no relatório.

A secretária-geral da UNCTAD, Mukhisa Kituyi, disse: “Precisamos responder ao desejo das pessoas nos países em desenvolvimento de participar do novo mundo digital, não apenas como usuários e consumidores, mas também como produtores, exportadores e inovadores, para criar e capturar mais valor em seu caminho em direção à prosperidade inclusiva ”.

O relatório dá atenção especial aos dados e plataformas digitais, os dois principais fatores de criação de valor na economia digital.

Fluxos de dados em expansão

O tráfego do protocolo global da Internet (IP), um proxy para fluxos de dados, teve um crescimento dramático. Em 1992, havia cerca de 100 gigabytes (GB) de tráfego por dia. Em 2017, esse tráfego aumentou para mais de 45.000 GB por segundo.

Figura 2: Evolução do tráfego global da Internet, anos selecionados (Gigabytes por segundo)

Figura 2

No entanto, o mundo está apenas nos primeiros dias da economia baseada em dados. Em 2022, o tráfego IP global deverá atingir 150.700 GB por segundo.

O aumento no tráfego de dados reflete o crescimento do grande número de pessoas que usam a Internet e a adoção de tecnologias de fronteira, como blockchain, análise de dados, inteligência artificial, impressão 3D, IoT, automação, robótica e computação em nuvem.

Uma “cadeia de valor de dados” totalmente nova evoluiu, incluindo empresas que dão suporte à coleta de dados, à produção de informações a partir de dados, armazenamento de dados, análise e modelagem, observa o relatório.

Plataformas têm uma vantagem

As empresas que constroem plataformas digitais têm uma grande vantagem na economia baseada em dados. Ao atuarem como intermediários e como infraestrutura, eles estão posicionados para registrar e extrair dados relacionados a ações, interações e transações online realizadas pelos usuários.

O relatório observa que 40% das 20 maiores empresas do mundo por capitalização de mercado têm um modelo de negócios baseado em plataforma.

Sete “super plataformas” – Microsoft, seguidas por Apple, Amazon, Google, Facebook, Tencent e Alibaba – representam dois terços do valor total de mercado das 70 principais plataformas.

O valor combinado das empresas de plataforma com uma capitalização de mercado de mais de US $ 100 milhões foi estimado em mais de US $ 7 trilhões em 2017 – 67% superior ao de 2015, de acordo com o relatório.

Algumas plataformas digitais cresceram para dominar os principais nichos. O Google detém cerca de 90% do mercado de buscas na Internet, enquanto o Facebook responde por dois terços do mercado global de mídia social e é a principal plataforma de mídia social em mais de 90% das economias do mundo.

Na China, o WeChat (de propriedade da Tencent) tem mais de um bilhão de usuários ativos. Sua solução de pagamento e a Alipay (de propriedade da Alibaba) conquistaram praticamente todo o mercado chinês de pagamentos móveis. Enquanto isso, estima-se que o Alibaba tenha cerca de 60% do mercado de comércio eletrônico chinês.

Essas empresas estão consolidando agressivamente suas posições competitivas, incluindo a aquisição de concorrentes em potencial e a expansão para produtos ou serviços complementares, fazendo lobby nos círculos políticos nacionais e internacionais e estabelecendo parcerias estratégicas com multinacionais líderes nos setores tradicionais, como automotivo, semicondutor e varejo.

Os países em desenvolvimento correm o risco de permanecerem fornecedores de dados brutos

O domínio das plataformas digitais globais, o controle dos dados e a capacidade de criar e capturar o valor resultante acentuam a concentração e a consolidação, em vez de reduzir as desigualdades entre os países e dentro dos países, observa o relatório.

Ele adverte que os países em desenvolvimento correm o risco de se tornar meros fornecedores de dados brutos, enquanto precisam pagar pela inteligência digital gerada usando seus dados.

Se não for abordado, o fosso entre os países subconectados e os hiper-digitalizados aumentará e as desigualdades serão exacerbadas.

Quebrar esse círculo vicioso exige um pensamento pronto para uso, diz o relatório. Uma maneira é considerar encontrar uma configuração alternativa da economia digital que leve a resultados mais equilibrados e a uma distribuição mais justa dos ganhos com dados e inteligência digital.

Política, parcerias e proteção – o papel do governo

Os governos têm um papel crítico na formação da economia digital, definindo as regras do jogo, observa o relatório. Isso envolve a adaptação das políticas, leis e regulamentos existentes e a adoção de novas em muitas áreas.

“É necessário um abraço inteligente de novas tecnologias, parcerias aprimoradas e maior liderança intelectual para redefinir estratégias de desenvolvimento digital e os contornos futuros da globalização”, disse Kituyi.

As respostas de políticas precisam considerar dificuldades crescentes de impor leis e regulamentos nacionais com relação ao comércio transfronteiriço de serviços e produtos digitais, recomenda o relatório.

Além disso, eles devem explorar novos caminhos para criação e captura de valor local e transformação estrutural por meio da digitalização.

As estratégias nacionais de desenvolvimento também devem procurar promover a atualização digital (agregação de valor) nas cadeias de valor dos dados e aprimorar as capacidades domésticas para “refinar” os dados.

“A digitalização afeta diferentes países de maneiras diferentes, e os governos individuais exigem espaço político para regular a economia digital para atender a vários objetivos legítimos de políticas públicas”, afirma o relatório.

Apelo à ação global

Ao mesmo tempo, vários desafios políticos associados à criação e captura de valor na economia digital só podem ser efetivamente enfrentados em nível regional ou internacional, com o envolvimento total dos países em desenvolvimento. Isso inclui concorrência, tributação, fluxos de dados transfronteiriços, propriedade intelectual, políticas de comércio e emprego.

Para garantir um futuro digital para muitas, e não para poucas, as políticas domésticas e internacionais devem ir além do recrutamento de mais usuários e consumidores de países em desenvolvimento on-line; eles também devem permitir a construção de capacidades domésticas para criar e capturar valor.

De acordo com o relatório, a comunidade de desenvolvimento nesse contexto precisa encontrar maneiras mais abrangentes de apoiar os países que estão seguindo a economia digital.

Ele recomenda que mais assistência tenha como objetivo reduzir as diferenças digitais, fortalecendo o ambiente propício para a criação de valor e o desenvolvimento de capacidades nos setores público e privado.

Além disso, as ações políticas devem buscar aumentar a confiança, apoiando a adoção e a aplicação de leis e regulamentos relevantes para promover a criação e captura de valor na economia digital orientada a dados.

ACESSE O RELATÓRIO AQUI:

https://unctad.org/en/PublicationsLibrary/der2019_en.pdf