Edtechs já são mais numerosas que fintechs no ecossistema de inovação brasileiro, aponta Abstartups

Em sua 6ª edição, o Mapeamento do Ecossistema Brasileiro de Startups, realizado pela Associação Brasileira de Startups, traz um panorama desses negócios no país.

Em sua sexta edição, o Mapeamento do Ecossistema Brasileiro de Startups, realizado pela Associação Brasileira de Startups (Abstartups) e divulgado em primeira mão para Época NEGÓCIOS, traz um panorama dessas empresas.

Segundo o estudo, que analisou 2.593 startups ativas no país, o destaque do setor são as edtechs, que hoje correspondem a 10,3%. Fintechs (9,2%), healthtech e life science (8,9%) e tech (8,6%) aparecem na sequência. Completam o ranking retailtech (5,2%), HRTech (5%), martech (4,5%), agtech (4%), logtech (3%) e foodtech (2,5%).

A maioria das startups funciona no modelo SaaS (Software como serviço, 40,3%) e tendo como público-alvo outras empresas (53,2%). A maioria (52,1%) também afirma que já tiveram que pivotar o negócio.

Investimentos

A maioria das startups mapeadas possuem um faturamento anual de até R$ 10 mil (19,9%). Enquanto 15% do setor já fatura entre R$ 50 mil e R$ 250 mil, 13,2% das empresas ainda não possuem faturamento algum. No total, as startups brasileiras somaram um faturamento médio de R$ 876 mil no último ano.

O levantamento também destaca que 32,4% das startups estão em fase de tração. 37,5% já receberam investimento, sendo R$ 1,2 milhão a média dos aportes recebidos.

Os investidores-anjo comandam os aportes (43,1%) e, segundo o estudo, apostam em startups fundadas há mais de 5 anos para aplicações mais altas (21,2%).

A cara das startups brasileiras

A grande maiorias das startups brasileiras têm homens como fundadores (79,8%). Apenas 19,7% dos negócios foram fundados por mulheres. A maioria também é branca: apenas 23,7% dos fundadores são pessoas pretas e pardas.

Os fundadores também compõem o corpo de liderança das empresas, sendo 73,3% das pessoas fundadoras atuando na diretoria executiva das startups. A idade média desses executivos é de 40 anos.

Com uma média de 15 pessoas na empresa, a maioria das startups brasileiras atua no modelo 100% home office.

Apesar de 59,4% das startups considerarem muito importante o apoio à diversidade, 59,8% afirmam que não realizam nenhuma ação ou processo seletivo voltado a esta finalidade.

FONTE:

https://epocanegocios.globo.com/startups/noticia/2023/11/edtechs-ja-sao-mais-numerosas-que-fintechs-no-ecossistema-de-inovacao-brasileiro-aponta-abstartups.ghtml